Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 28 de Setembro de 2004
MÁ EDUCAÇÃO (ou a “evolução na continuidade”)

Qual a função e a responsabilidade do exercício de cidadania neste início de milénio, num mundo que se configura pelas incertezas, crises e mutações aceleradas? Quais as formas de expressão que lhe restam já que, agora, são outros os actores – como os média – que detêm uma maior capacidade de persuasão?


Será que não é possível construir um mundo e um país novos sem enfrentar o controlo da informação, que os grupos económicos e as centrais de informação impingem aos "Pasquins" e que a TV hoje reproduz como pratica assumida?


Será que espaços tradicionais da produção intelectual, como a escola/universidade, estão em crise a ponto de levar à necessidade deste debate noutros espaços? Ou, na realidade, é ela (a academia) que, diante da crise de outras instâncias, se coloca como um dos poucos espaços possíveis para o debate de ideias e para a mudança do quadro que vivemos actualmente?


Creio que é uma tarefa imensa, onde todos os esforços são bem-vindos e nunca seremos de mais. Segue-se um texto do Hugo Fernandez, sobre o compadrio, o desleixo, a negligência e a incompetência em colocar profissionais da educação nas escolas do nosso país!


MÁ EDUCAÇÃO


O Estado Novo nunca investiu na educação. As razões desta opção são claras. Por um lado a ignorância engendrava a submissão e a prevalência incontestada da ordem vigente. Por outro lado impedia qualquer veleidade de ascensão social e de eventual perturbação do status quo, perpetuando a exploração de uma mão-de-obra desqualificada e barata. No fundo, garantia aquilo que Salazar definia como o “viver habitualmente”. Não admira, por isso, que as taxas de analfabetismo fossem das mais elevadas da Europa, ultrapassando em muito os índices dos próprios países do Sul europeu, com os quais se costuma comparar o nosso país. Aliás, logo após a instauração da ditadura militar, o Decreto-lei nº 12425 de 2 de Outubro de 1926 reduzia mesmo a escolaridade obrigatória para 3 anos, alertando para os malefícios de um suposto excesso de instrução: “Atalhe-se a indigestão intelectual” – dizia-se – “ensine-se menos para se saber mais”. Em 1955, a World Survey of Education da UNESCO situava o nosso país no último lugar da Europa em termos de alfabetização. Recorde-se que a escolaridade obrigatória de 4 anos implementada pela I República, só meio século depois, em 1964, é ampliada para os 6 anos. Apesar disso, a percentagem de jovens que tinham condições para os cumprir continuava diminuta. A taxa de abandono escolar era muito elevada.


Parece que o actual Estado neo-liberal segue o mesmo caminho, numa continuidade arrepiante. Hoje como ontem, Portugal tem a mais alta taxa de analfabetismo e de abandono escolar dos países da União Europeia, incluindo já os do último alargamento. Todos os esforços feitos a seguir ao 25 de Abril para contrariar esse estado de coisas e para nos distanciar definitivamente dos atavismos do passado foram rapidamente abandonados ou ostensivamente contrariados. Que razões podem, desta feita, justificar tal situação? Paradoxalmente os mesmos que antes encontrávamos. À presunção, que ainda hoje subsiste, das vantagens competitivas da exploração da mão-de-obra barata e servil, soma-se a ganância acrescida de “patrões” sem escrúpulos, envolvidos na selva especulativa da desregulação económica globalizada. Para além disso, a acção dos responsáveis governativos tem seguido uma política de contínuo desinvestimento e asfixia do sector quer, desde logo, ao nível dos financiamentos, quer em termos recursos, quer em termos de pessoal e da sua formação. As diminutas percentagens do Orçamento do Estado para a Educação, a degradação acentuada do parque escolar, do mobiliário e dos equipamentos – exceptuando, de quando em vez, escassos e muitas vezes desenquadrados apetrechamentos nas TIC – o amontoar de alunos em turmas superlotadas, a crónica falta de funcionários administrativos e de auxiliares de acção educativa e a má distribuição – quando não a falta – de docentes, bem como o desleixo do Estado no cumprimento das suas obrigações na acção social escolar e no apoio aos discentes carenciados ou com necessidades educativas especiais, têm sido uma constante neste país.


Há, contudo, algo a que nunca se tinha assistido. Para além de todas as insuficiências já referidas, verifica-se hoje a mais despudorada incúria, irresponsabilidade e falta de respeito pelos cidadãos, por parte de quem detém o poder. O exemplo mais recente desta tendência tem a ver com as peripécias mirabolantes da colocação de professores para o ano lectivo de 2004/2005. Assinale-se, desde logo, a total incompetência da equipa ministerial promotora do actual modelo de concursos que, para além de provocar a anarquia do sistema – recorde-se que os erros das listas oficiais de ordenação de professores foram da ordem das dezenas de milhares de casos – esbanjou, numa informatização apressada e leviana do processo, outras tantas dezenas de milhares de euros do erário público. Tudo teve que ser feito de novo, sem que ninguém tivesse sido minimamente responsabilizado.


Acresce que, apesar dos enormes e irremediáveis atrasos verificados neste procedimento administrativo que devia ser rotineiro, o Ministério da Educação insistiu de uma forma obstinada e autista na manutenção de uma data de abertura do ano lectivo apenas justificável se tudo tivesse corrido normalmente. Assistiu-se então à situação surrealista do próprio Ministério anunciar a publicação das listas de colocação de professores para data posterior ao suposto início das actividades lectivas. Ou seja, grande parte do corpo docente das escolas portuguesas, só foi colocado depois das aulas terem oficialmente começado. O absurdo da situação é flagrante. Se não fosse dramático, era risível.


E é dramático, antes de mais, pelo que isso significou de angústia e incerteza para os profissionais afectados que, muitas vezes, só obtiveram colocação a muitas centenas de quilómetros de suas casas, com tudo o que isso implica em termos de deslocalização e desregulação das suas vidas e dos respectivos agregados familiares. E desenganem-se aqueles que pensam que os únicos – como se isso fosse de somenos importância – afectados foram os professores e respectivas famílias. É que a desmotivação e instabilidade emocional daqueles necessariamente se reflectirá no seu desempenho profissional e na qualidade de ensino ministrado aos alunos deste país, contribuindo para um acrescido desprestígio da figura do professor.


Mas é dramático também pelo que isso significa de negligência grosseira das obrigações do Estado para com este sector de actividade, que devia ser estratégico para um efectivo desenvolvimento do país. O que subjaz a esta abertura do ano lectivo – a mais caótica de que há memória – é o profundo desprezo pela Educação e por aquilo que ela significa e potencia. O atabalhoamento e improviso com que se iniciaram as actividades lectivas demonstram, para além de um desconhecimento ou mesmo de uma chocante negligência por quem tem as maiores responsabilidades pelo sector, um efectivo desinteresse pelo planeamento atempado e rigoroso do trabalho escolar por parte das escolas e dos respectivos professores. Como se os estabelecimentos de ensino, para cumprirem cabalmente a sua função, não necessitassem de planificar com tempo as actividades a desenvolver, promovendo-se, aos vários níveis e no âmbito dos diferentes órgãos existentes, as necessárias reuniões de docentes e possibilitando-se um conhecimento aprofundado, em especial para aqueles que aí são colocados de novo, dos alunos com quem se vai trabalhar, dos níveis a leccionar, dos materiais existentes para esse efeito, das características da Escola, do seu projecto educativo e do próprio meio envolvente em que esta está inserida. Como se a actividade docente não ultrapassasse os simples automatismos tayloristas de um caixa de supermercado e as escolas não passassem de meros centros “aulários” de carregamento automático. Estamos pois, nesta fase, confrontados com a filosofia do “desenrasca” e do improviso, em que tudo tem que ser preparado num ou dois dias.


Há outra continuidade surpreendente com os tempos de antanho. No Estado Novo não havia meios informáticos para colocar os professores. E mesmo que existissem, duvidamos que Salazar fizesse uso de tais “modernices”. Como hoje, aliás! É com esta falta de cultura de exigência e leviandade, com estes expedientes simultaneamente “chico-espertistas” e bacocos, que se pretende ganhar a batalha da produtividade tão apregoada pelo Governo? Não admira que, no Parlamento, o deputado Teixeira Lopes tenha afirmado que “o Governo que se fez em nome da estabilidade é o Governo que dissemina a instabilidade”.



publicado por albardeiro às 01:46
link do post | comentar | favorito
|

5 comentários:
De R.T.Shell a 9 de Outubro de 2004 às 17:25
Este «espanhol» continua a dizer das suas; mas será que as vozes de blog chegam aos céus ?...
Mais do que a infeliz incompetência (técnica, política) desta colocação de professores, o mais arrepiante deste tempo «santânico» é a mal-fadada (e bem-f...) tendência «centrista» do discurso dominante (único?) dos media sobre a Educação e a Escola Pública; será possível ouvirmos considerações absolutamente ignorantes sobre as Escolas, como as que temos ouvido em sucessivos debates televisivos (que muita gente ainda faz corresponder à «opinião pública») sem que, aparentemente - e muito por força da estratégia excessivamente defensiva de organizações do sector - ninguém reaja com a violência necessária ? Teremos que ficar dois anos no sofá a remoer as considerações «a la Carneiro Pacheco» da «historiadora» (por mágica televisiva transformada em opinion maker de Educação)?. Não arranjaremos vacina contra os «malefícios da Bonifácio»???... Voltarei à carga mais tarde, sobre o assunto, se o DJAC entender...


De Fateixa a 3 de Outubro de 2004 às 23:56
Há que mantê-los "ingnorantes", para melhor os controlar.
Enquanto forem carneiros vão todos para o mesmo lado, quando deixarem de o ser e pensarem por si, nunca se sabe o que farão.
Um abraço Hugo, espero que tenhas digerido bem a baba de camelo com o bolo de ananás.


De Digenes a 29 de Setembro de 2004 às 12:04
Gostei do li. Isto também serve para a posta anterior. Recomendável.


De Pitoresco a 28 de Setembro de 2004 às 12:11
Já há alguns tempos que ando a "seguir" este blog, o qual tenho recomendado à maralha, decididamente faz um pouco a diferença.A pertinência e o desassossego da escrita é de se lhe tirar o chapéu! Só espero que assim continuem para isto abanar alguma coisa.


De Plancie Herica a 28 de Setembro de 2004 às 01:49
Boa posta!

Um abraço,
Francisco Nunes


Comentar post

pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

ESTADO DA QUESTÃO

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds