Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 13 de Abril de 2010
A FORMA E O CONTEÚDO

A forma é a da admoestação, do ralhete, da indisfarçável irritação com que a notícia foi recebida, do azedume pela incomodidade da revelação. O conteúdo é o da recorrente “fuga para a frente”, do achincalhamento dos críticos, da arrogância de um poder que ainda se julga absoluto. Referimo-nos à carta que o primeiro-ministro, José Sócrates, enviou ao jornal Público (6/4/10), na sequência da denúncia de actividades privadas de carácter profissional desenvolvidas entre 1988 e 1990, na elaboração de projectos de engenharia civil no distrito da Guarda, quando já era deputado da Assembleia da República em regime de exclusividade.


            Já nem falo da mais do que duvidosa alegação de que os projectos em causa “foram elaborados a pedido de amigos e sem que eu tenha auferido qualquer tipo de remuneração.”, como diz o próprio, especialmente no caso de trabalhos técnicos, ao serviço da Câmara Municipal da Guarda, que dificilmente deixariam de ser pagos. Nem ao facto de se tratarem de 21 projectos de imóveis (moradias, prédios e até um pavilhão industrial) – entre 1988 e 1990, lembre-se! – quando declarou em 2007, ao Público, que era apenas uma actividade “muito residual, resumindo-se à intervenção pontual em pequenos projectos”. Nem tão pouco à circunstância de um mês e meio depois do parecer da Procuradoria-Geral da República de Janeiro de 1992, a propósito das dúvidas que se colocavam sobre o regime de exclusividade dos deputados – e que postulava “a impossibilidade legal de desempenho de qualquer actividade profissional, pública ou privada”, ressalvando-se aquelas que diziam respeito a direitos de autor, realização de conferências e outras actividades análogas, em todo o caso de carácter excepcional – o então deputado José Sócrates ter solicitado aos serviços da Assembleia da República que lhe fosse pago o respectivo subsídio de dedicação exclusiva, com retroactivos relativos precisamente ao período em causa, quando até reconheceu na altura que mantivera uma colaboração regular como responsável técnico de uma empresa de construção até 1989, reportando-se – atente-se – o auferimento do subsídio de exclusividade ao ano de 1988.


            Refiro sobretudo a enorme desfaçatez e prepotência de um primeiro-ministro que se arroga o direito de admoestar um jornal que não fez mais do que a sua obrigação, isto é, investigar e reunir um conjunto de dados que permitem levantar legítimas suspeitas sobre a actuação pública de uma das mais importantes figuras do Estado português. E ao tom verdadeiramente acintoso, misto de sarcasmo e mal contido despeito, com que a carta é escrita, com referências à “interessantíssima agenda jornalística” e aos “exigentíssimos critérios” do jornal Público, não esquecendo de sublinhar – naquilo que constitui uma intolerável pressão governamental sobre um órgão de comunicação social – “a opção do Público por uma linha editorial que desistiu da ambição de um jornalismo de referência.”, fazendo lembrar  o “quem não está connosco está contra nós” de outros tempos. É que, como disse a eurodeputada socialista Ana Gomes no seu blogue Causa Nossa (7/4/10), a referida carta de José Sócrates “Será de engenheiro técnico. Não é de primeiro-ministro.”


 


 


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 14:58
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds