Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sexta-feira, 15 de Outubro de 2004
O que se passa em casa do Tio SAM?

Com este “post” não quer dizer que tenha esquecido os néscios e nababos da política doméstica, não, nada disso. Apenas, um ligeiro interregno para postar uma escrita que já me andava a atormentar por falta de oportunidade, uma vez que o essencial do seu conteúdo já para aqui estava alinhavado, só que nos últimos dias o assunto tem sido abordado, não só pela escrita blogueira a que vou deitando o olhar, como pela imprensa, em particular os escribas que tenho imenso gosto em ler(lá mais para baixo digo nomes). Face ao que recentemente se tem dito e escrito sobre as eleições americanas e os candidatos concorrentes, confundindo a realidade com o desejo, e perfilhando as temáticas em moda do contraditório, não podia deixar de postar outra formas de ver a “coisa”, vai daí... e aqui está outro cenário... digamos que é um palco secundário(!), repete os actores, embora a dramatologia tenha nuances.


... está a passar-se alguma coisa lá do outro lado do mar?


“Meus amigos no Partido Democrata, e estou feliz de poder chamar vários deles de meus amigos, garantem-nos que compartilham a nossa convicção de que a obrigação mais importante do nosso governo é ganhar a guerra contra o terrorismo, e não duvido da sua sinceridade (...). Lembremo-nos de que não somos inimigos, mas camaradas numa guerra contra um verdadeiro inimigo”, declarou o senador John McCain no seu discurso, no dia 31 de Agosto, durante a abertura da convenção nacional do Partido Republicano, realizada no famoso ginásio de desportos e centro de convenções Madison Square Garden, em Nova York. O discurso “conciliador” de McCain, pronunciado durante o encontro que oficializou a candidatura de George Bush, explicita a grande questão das eleições presidenciais estadunidenses: a manutenção da estratégia de “guerra ao terror”, quem quer que seja o vencedor. Do ponto de vista do establishment, esse, precisamente, é o ponto que deve permanecer intocado.


Como se sabe, do lado de fora do Madison Square Garden, a polícia armou um esquema de guerra para proteger a convenção não de um suposto ataque terrorista, mas de dezenas de milhares de manifestantes (só no domingo, dia 30, foram algo entre 150.000 e 250.000) que não aceitaram a ideia de ver Bush reeleito. Uma imensa área compreendida por doze ruas próximas ao local ficou fechada ao trânsito, e mesmo o acesso de peões foi extremamente controlado por cerca de 10.000 policias, agentes do FBI (polícia federal), unidades de elite e serviços secretos, segundo informaram, na altura, as agências de notícias. Isso é muito significativo, quando se recorda que Nova York foi o grande alvo do atentado de 11 de setembro de 2001. Se o objectivo do Partido Republicano, ao realizar a convenção em Manhattan, tradicional reduto democrata, era o de capitalizar os sentimentos da população de repúdio ao terror, o tiro saiu pela culatra.


John Kerry, o adversário democrata de Bush, reza pela mesma cartilha da “guerra ao terror”. Todavia, há uma diferença na forma e no tom do discurso: Kerry fala mais em diálogo com os aliados, em operações e estratégias acertadas no quadro das instâncias multilaterais, como a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO). Mas não coloca em dúvida o essencial, ou seja, o ponto ao qual McCain faz referência. Nem poderia. A “guerra ao terror” não foi criada por Bush, nem foi realmente motivada pelo atentado de 11 de setembro, que forneceu apenas o pretexto conjuntural para colocar em marcha o processo de ataque ao Afeganistão e a aprovação do Decreto Patriótico (um calhamaço de várias centenas de páginas que não poderia ter sido escrito no prazo de algumas semanas decorrido entre a data do atentado e a de sua aprovação pelo Congresso, em 26 de Outubro). Corresponde a uma estratégia de longo alcance, cujo objectivo é consolidar a hegemonia da superpotência no século XXI. Nesse sentido, é uma plataforma tão “kerryana” quanto “bushista”.


Não tenhamos ilusões, Bush e Kerry vêm do mesmo estrato social. Ambos pertencem a famílias multimilionárias e estudaram em Yale (situada em New Haven, Estado de Connecticut, uma universidade destinada à elite económica dos Estados Unidos), onde frequentaram a mesma associação de alunos, Skull and Bones (crânio e ossos). E Kerry, entre outras coisas já demonstrou o seu perfil alinhado à política externa da Casa Branca, já fez as tradicionais e ritualisticamente obrigatórias juras públicas de condenação a Cuba e de apoio incondicional a Israel, além, de na altura, ter pedido que o novo primeiro-ministro espanhol, José Luis Zapatero, voltasse atrás na intenção de retirar as tropas do seu país do Iraque. Neste registo, assim, se Kerry não é igual a Bush, tampouco é fundamentalmente distinto.


A grande possibilidade de que algo mude de facto nos Estados Unidos, nesse quadro, não vem da “alta política” partidária, mas das movimentações que estão a acontecer na base da sociedade, nomeadamente, manifestações do tipo como as que ocorreram dia 30 de Agosto, diante do Madison Square Garden, também por vários actos realizados nos últimos meses, contra a presença de tropas americanas no Iraque, além de outros sinais mais difusos, mas também importantes, como o acolhimento dado ao documentário de Michael Moore (que, aliás, participou da convenção republicana, como jornalista, onde levou uma tremenda vaia por parte dos cerca de 50.000 presentes). São sinais de que o consenso nacional construído pelo impacto de 11 de Setembro começa a perder os seus efeitos, por mais que a Casa Branca procure manter um clima artificial de pânico, multiplicando advertências de um “possível novo atentado”.


Isso não significa que haverá uma “corrida às urnas” contra Bush, nem significa que será necessariamente derrotado, até porque Kerry, além de não ter nada de fundamentalmente novo a dizer, não é do tipo que empolga multidões, como mostram as pesquisas e os comentários feitos pelos seus próprios partidários. Outra coisa é que a eventual derrota de Bush, independentemente das intenções de Kerry, comportará uma componente mais forte e explícita rejeição ao militarismo, e estimulará os sectores mais mobilizados da opinião pública americana. Pensamos que é uma razão forte e suficiente para fazer com que lideranças do movimento antiglobalização, incluindo Michael Moore, convoquem o voto em Kerry.Se por ora é impossível prever quem será o vencedor, é certo que, em qualquer hipótese, o novo presidente encontrará uma opinião pública menos disposta a apoiar aventuras militares e menos vulnerável à retórica patriótica (o “papelão” no Iraque não dá grandes margens a ufanismos). Todavia, malgrado o seu contrário, nos dias que correm, é um bom augúrio.


Agradecimentos a algumas pessoas que me fazem ler a imprensa, nomeadamente, Miguel Sousa Tavares, César Benjamim, Rogério Rodrigues, E. Prado Coelho, Vital Moreira, Luís Osório e mais dois ou três, sobretudo, para este texto o José Arbex Jr.



publicado por albardeiro às 19:54
link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De Plancie Herica a 16 de Outubro de 2004 às 02:10
É verdade: da América, em relação à política externa, nada de novo...

Um abraço,
Francisco Nunes


De Caos a 15 de Outubro de 2004 às 23:48
Bush, diga-se de passagem, é o presidente americano de menor Q.I. de todos os tempos, mas arranjou uma maneira diabólica de escapar da recessão. A partir da invasão do Iraque os investimentos com material bélico cresceram de forma avassaladora e há sintomas de que estão a levar o país para outra era de prosperidade à semelhança do que aconteceu com o governo Reagan. Se não ocorresse o ataque ao World Trade Center ele seria considerado um líder patético e bisonho e muito provavelmente não conseguiria sequer se reeleger.
Milhares de vidas americanas foram perdidas. Apesar do mundo viver à beira de uma hecatombe. Mas George Bush já garantiu a sua reeleição. A economia americana está a salvo de uma recessão, para isso (só) foi preciso destruir Nova Iorque. Se os culpados por este crime serão punidos só o futuro dirá, porém uma coisa é certa: os filmes do 007 vão ter de se esforçar muito daqui para frente.





De Fonte dos Amores a 15 de Outubro de 2004 às 20:10
Ena, ainda está fresquinho. Estava a ver que nunca mais aparecia uma posta de um dos meus blogues preferidos. Quanto ao assunto, também me parace muito pertinente e respeitável.


Comentar post

pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds