Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 25 de Outubro de 2004
Conversas de amigos...!

Conversando!


Talvez uma das melhores relações que mantemos na nossa vida pessoal seja com os amigos, aqueles que realmente escolhemos, admiramos e com quem, por uma razão ou outra, nos identificamos, nos divertimos trocamos experiências e nos encontramos em várias dimensões.


O encontro com os amigos aos de fim de semana, por vezes tem a virtude de elevar as conversas a categorias que são mais do que as intimidades próprias da amizade e assumem uma concepção com dimensão política/social/cultural, ou seja e complicando a coisa, - esta dimensão política da amizade é também a preocupação com a condição humana na “Polis” em que o mundo comum é objecto de diálogo. Até prova em contrário, parece-nos a nós, estamos também a humanizar o mundo e aprendemos a ser humanos.


Vem este paleio todo a propósito de uma conversa entre amigos sobre as injustiças, as gritantes desigualdades, a dimensão social da globalização, as políticas neo-liberais e a sua indiferença pelo social e, sobretudo, a dimensão histórica do fosso entre pobres e ricos. Dessa conversa ficaram alguns dados incompletos e porque é uma conversa obviamente que tinha que ser assim. Para colmatar a lacuna (agora mais documentado) ocorreu-me publicar um “post” sobre o assunto. Vejamos uma pequena parte do que nos atormentava:


O balanço e levantamento realizado pelo Institute for Policy Studies, Top 200: The Rise of Corporate Global Power 2000, informava que, das maiores cem economias do mundo, 52 eram corporações, apenas 48 diziam respeito a países. A pesquisa mostrava o pódio das maiores: A Mitsubishi era a 22ª maior economia do mundo. A General Motors era a 26ª. A Ford era a 31ª. Todas eram economias maiores do que a da Dinamarca, Tailândia, Turquia, África do Sul, Arábia Saudita, Noruega, Finlândia, Malásia, Chile e Nova Zelândia. O mesmo estudo contabilizava que em 1999 o valor das vendas das corporações General Motors, Wal-Mart, Exxon Mobil, Ford Motor e Daimler-Chrysler, em separado, foi maior do que o PIB de 182 países. O valor das vendas das duzentas maiores corporações cresciam mais rápido do que a economia global. No entanto, dizia a pesquisa, que essas duzentas maiores corporações do mundo, responsáveis por quase 30 por cento da actividade da economia global, empregavam menos de 1 por cento da força de trabalho do mundo. Enquanto o lucro delas cresceu 362,4 por cento entre 1983 e 1999, o número de empregos cresceu apenas 14,4 por cento. Essas companhias, ao comprarem competidores, eliminavam empregos duplicados, encerrando empresas competitivas e extinguindo postos de trabalho (veja-se o caso da Bombardier). As mil companhias mais ricas do mundo controlavam mais de 80 por cento da produção industrial do planeta, segundo uma pesquisa do conceituado jornalista internacional americano Robert Kaplan (The Atlantic Monthly, em 1997).


Um estudo da Rural Advancement Foundation International, The ETC Century, 2001, encontrou o mesmo tipo de concentração de poder e lucro na indústria farmacêutica : “Há vinte anos atrás, as vinte maiores companhias farmacêuticas eram responsáveis por 5 por cento do comércio de drogas sob prescrição, no mundo. Hoje, as dez maiores controlam 40 por cento do mercado”. O mesmo estudo mostra o que aconteceu na indústria de equipamentos agrícolas. “Há vinte anos atrás, 65 companhias de químicos agrícolas competiam no mercado mundial. Hoje, nove companhias detêm aproximadamente 90 por cento das vendas de pesticidas, 90 por cento das novas tecnologias e patentes de produtos estão nas mãos de corporações com dimensão global de mercado.”


Mais: sobre toda essa riqueza não precisam de pagar qualquer imposto. “Nos Estados Unidos, a porcentagem de impostos pagos por corporações sobre o rendimento caiu significativamente de 25 por cento pagos nos anos 60 para 9 por cento pagos nos dias actuais” veja-se: Reuven Avi – Yonah, The American Prospect, 2000. O Relatório da ONU, de 1999 (os mais recentes não tive acesso – 2001 e 2003), referia que “a diferença entre o rendimento de um quinto da população do mundo vivendo nos países mais ricos para o um quinto vivendo nos países mais pobres aumentou para o dobro de 1960 para 1990. Em 1998, a relação aumentou de novo”. O mesmo documento informava que a riqueza das “duzentas pessoas mais ricas do mundo tinha aumentado de 40 biliões para mais de 1 trilião de dólares de 1994 para 1998”.


Mais: “Os activos das três pessoas mais ricas do mundo eram maiores do que o PIB dos 48 países mais pobres juntos”. O documento dizia ainda que o número de milionários no mundo tinha aumentado em 25 por cento nos últimos dois anos. A soma da riqueza dos 475 indivíduos mais ricos era maior do que o rendimento de metade da população do mundo. Um quinto (mais rico) das pessoas do mundo consome 86 por cento de todos os bens e serviços, enquanto o quinto mais pobre consome apenas 1 por cento. A expectativa de vida nos países mais pobres era/é de 25 anos menor do que a dos países industrializados, afirmava o ano passado Kevin Watkins, consultor sénior de política da Oxfam, uma confederação de vinte ONGs trabalhando em oitenta países em busca de soluções para a pobreza. Em Abril de 2003, o G-77, formado pelos 77 países mais pobres do mundo, editava uma declaração condenando o FMI e o Banco Mundial e apoiando os protestos dos movimentos antiglobalização. Mas nós sabemos que o sistema discriminatório da globalização constrói os mundos completamente diferentes do Sul e do Norte, alinhados ou não alinhados com o império.


Precisamos de novos “bárbaros”...



publicado por albardeiro às 16:23
link do post | comentar | favorito
|

5 comentários:
De raiodevida a 28 de Outubro de 2004 às 00:26
Ainda bem que este "bloguista" (em boa verdade, com excelentes postas) não é daqueles que está sempre a "encher" a página, o que me permite a mim, que nem sempre tenho disponibilidade para as navegações blogueiras, ainda chegar a tempo para ver/ler textos de pessoas que se preocupam com a realidade e com uma consciência cívica "apurada". Isto também é cidadania, por isso os meus parabéns pelo óptimo texto apresentado.


De Caos a 26 de Outubro de 2004 às 01:11
Com amigos assim a conversa é como as cerejas. Mais uma clarividente posta. Gostei.


De carlos a.a. a 25 de Outubro de 2004 às 22:42
Só para informar que num comentário do "Viva Espanha" fiz uma referência a este texto.

Abraço


De Plancie Herica a 25 de Outubro de 2004 às 20:31
É pena que só nos lembremos desta realidade pontualmente. Se é verdade que nos alivia a consciência utilizá-la em conversa de café, numa roda de amigos... como um maná de sentimentos descartáveis -por mim falo: 'eu pecador me confesso'- também é verdade que o Mundo se afigura perigoso para todos nós. É cada vez maior o número dos deserdados, dos que nada têm a perder.
E se calhar, no Ocidente, estamos amolecidos... Nós já temos bastante a perder.
Ou não temos?

um abraço,
Francisco Nunes


De carlos a.a. a 25 de Outubro de 2004 às 19:34
Mais um excelente e elucidativo texto, DJ. E onde nos levará esta cada vez maior clivagem entre ricos e pobres e, digo eu, ao desaparecimento da propalada "classe médis" o sustentáculo do regime em que vivem as sociedades ocidentais?

Abraço


Comentar post

pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds