Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quarta-feira, 24 de Novembro de 2004
...mancomunados!

Começo pela “algazarra” provocada pelo governo e de alguns dos seus cães de guarda ao parecer da AACS, e continuo com a chamada de atenção, de um lado, pela desfaçatez, pela falta de vergonha na cara dos controladores da informação neste país; de outro, pelo grau de submissão e conivência que une a gente dos média, do estagiário mais novo ao “respeitado comentador/colunista” pretensioso e pardo (“independente” só na cozinha da casa dele). Se todas as actividades têm as suas instâncias reguladoras, por que não a comunicação social? (E o que existia/existe, antes do caso Marcelo, servia. Depois das conclusões a que chegou, não serve). Esta é a interrogação simples, para uma resposta, não tenhamos dúvidas, também simples: pela simples sugestão ou insinuação de que o controlo da informação e a divulgação da informação, hoje a cargo da meia dúzia de grupos/famílias donas da comunicação social, mancomunados com o poder político, seja esclarecido e dado a conhecer à sociedade civil. Os controladores dos média, ou “donos do mundo”, tremem nas “canetas” à mera cogitação dessa ideia. Alegam os mancomunados que não existe “censura” e “ameaças à liberdade de expressão e de imprensa”. Artifício de cinismo para esconder o que de facto ocorre: que os censores são eles mesmos, os donos do jornal, revista, redes de televisão e afins. Liberdade? As redacções dos jornais, televisões e revistas são hoje o reino dos censores, os directores de redacção e de alguns “editorezinhos” fantoches. Censura, cerceamento à liberdade de expressão hoje, têm outro nome: chamam-se redacção de jornal, de telejornal, de revista e outros impressos da “doutrinação”.


As cenas mais risíveis, actualmente, estão relacionadas com a criação/atribuição dessas panóplias que os médias inventam para que os seus profissionais se premeiam uns aos outros, costume cruel, que, de si só, já tira metade da credibilidade desses portadores –, pois os ditos profissionais ao receberem o prémio, geralmente de “melhor cobertura de qualquer coisa...” ou jornalismo político ou coisa que o valha, pronunciam-se pela independência e deontologia, dizendo, em palavras pardacentas, algo que se resume em: “porque nós não precisamos, nós sabemos fazer, esse prémio mostra que nós sabemos fazer”! Pasmem... terminam sob os aplausos acalorados e comprometidos de uma plateia de cúmplices da sua classe. Como se a questão fosse essa (saber ou não saber fazer jornalismo, receber ou não receber esses oscarzinhos fabricados pelos média).


Até prova em contrário, continuo a pensar que é necessário um órgão independente e responsável, escolhido pela sociedade civil, para arbitrar e garantir a isenção na comunicação social: chame-se Alta Autoridade... Conselho de ... ou outra denominação. Um órgão desta natureza tem que ser sempre uma instituição séria e importante: para combater a censura invisível exercida dentro das redacções, que impede o cidadão de receber a informação justa, que, em palavras de Ignacio Ramonet, “cria uma espécie de tela. Uma tela opaca que oculta, que torna eventualmente mais difícil do que nunca, para o cidadão, a procura da informação justa. (...) A censura já não é visível, precisamos desenvolver um esforço de reflexão ainda maior para conseguirmos compreender os novos mecanismos em que ela assenta”.


Mas o que esperar sobretudo de jornalistas de televisão? São os tipos mais submissos e alienados da profissão: amarrados pelos altos salários que a televisão oferece, só fazem o que o patrão manda, são meros papagaios reprodutores de pautas impostas a pulso, de textos editados e reeditados, cortados até ao tutano, homogeneizados à moda da “linha editorial” (ou linha de montagem da censura) do veículo. “A imprensa escrita e audiovisual é dominada por um jornalismo reverente”, como bem diz Serge Halimi, “por grupos industriais e financeiros, por um pensamento de mercado, por redes de conivência. Um pequeno grupo de jornalistas, omnipresentes, impõe a sua definição de informação-mercadoria a uma profissão cada vez mais fragilizada pelo medo do desemprego. Eles servem aos interesses dos donos do mundo. São os novos cães de guarda” (Serge Halimi, Les Nouveaux Chiens de Garde). A censura existe, sim. Não é igual à censura das ditaduras, funciona de outra maneira.


“Como se oculta hoje a informação?”, pergunta Ramonet. “Através de um aumento de informações: a informação é dissimulada ou truncada porque há demasiada para consumir. E não chegamos mesmo a aperceber-nos da que falta.” Além disso: a censura da redacção de um jornal “consiste em suprimir, em amputar, em proibir um certo número de aspectos dos factos, ou até a totalidade dos factos, a ocultá-los, a escondê-los”. A tudo isso, diz ele, vem juntar-se aquela prática muito difundida nos meios mediáticos que consiste, para qualquer jornalista que pretenda fazer normalmente carreira no meio, não criticar as práticas criticáveis dos seus confrades. “Os média, para venderem, têm de dar uma boa imagem de si mesmos e têm, pelo menos, de fazer acreditar na sua própria integridade e imparcialidade.” Na “nova ordem mundial” em voga, a informação é impulsionada e guiada pelo mercado e caracteriza-se, por uma crescente concentração, tanto dos meios de comunicação quanto das empresas de telecomunicações, e pela homogeneização dos conteúdos, o que desemboca no nefasto fenómeno do “pensamento único”.


“Questionamo-nos sobre o futuro dos jornalistas. Eles estão em vias de extinção”, diz Ignacio Ramonet. “O sistema já não os quer. Podia funcionar sem eles. Ou digamos, antes, que aceita funcionar com eles, mas atribuindo-lhes um papel menos decisivo: o de operários numa produção em cadeia (...). Dito de outra maneira, rebaixando-os para a categoria de retocadores de despachos de agência. A qualidade do trabalho dos jornalistas está em vias de regressão e, com a precarização galopante da profissão, acontece o mesmo com o seu estatuto social.” Termino com uma citação da pessoa que, pela sua conduta e percurso jornalístico/literário, é, em grande medida, responsável por estar, aqui, desta forma, a “apresentar” este “lamento/preocupação” sobre as vicissitudes que campeiam no “reino cadaveroso” da comunicação social - a escritora brasileira, Marilene Felinto*, afirma a autora: “outro dia, a minha editora de livros reclamou que tenho pouca inserção na mídia, que a mídia resiste a meu nome quando se trata da divulgação dos meus livros. Pois prefiro morrer de fome a vender um único exemplar se, para isso, tiver de entrar no jogo do conchavo geral do jornalismo-mercadoria. Nunca entrei. Nunca entrarei. Mais do que a mídia resistir a meu nome, resisto eu a ela – e com todo o desprezo a que tenho direito.”


Quantos poderão resistir desta maneira?!


(*)Marilene Felinto: A pernambucana Marilene Felinto formou-se em Português e Inglês, Língua e Literatura pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo em 1981. De lá para cá, escreveu os romances As mulheres de Tijucopapo- - traduzido para o inglês, alemão e francês - e O lago encantado de Grongonzo, o volume de contos Postcard, além de um ensaio biográfico sobre Graciliano Ramos. Em 1983, recebeu o prémio Jabuti na categoria Autor Revelação. Em 1992, foi convidada pela University of California-Berkeley para ministrar um minicurso de literatura brasileira e, dois anos depois, pela Haus Der Kulturen der Welt para participar num circuito cultural de literatura brasileira pela Alemanha. Em 1998, foi convidada pelo Ministério da Cultura de França para participar no Salão do Livro de Paris em homenagem ao Brasil. Foi colunista da Folha de S. Paulo e consultora editorial da Editora Globo. Em 2001, o seu livro, Jornalisticamente incorreto, foi um dos finalistas do Prémio Jabuti na categoria crónicas.



publicado por albardeiro às 16:35
link do post | comentar | favorito
|

6 comentários:
De GIN a 28 de Novembro de 2004 às 15:47
Bolas! fez-me bem ler isto ... ando eu tão desanimada com a blogosfera
abraço blogueiro


De maria a 26 de Novembro de 2004 às 11:04
Passeando pelo baixo Alentejo fui agradavelmente surpreendida por este testemunho consciente e claro. Quero dizer, com algum conhecimento de causa, que tem mais razão do que alguns podem pensar. A coisa é séria. Por isso me parece importante que o maior número possível diga aos filhos que há mais mundo para além do que passa na televisão; que não é menos informado se não ler todos os dias o jornal e o expresso ao fim de semana ; que há outras leituras, que procuramos ser outra gente...


De Isidoro de Machede a 24 de Novembro de 2004 às 23:57
porra, fiquei com falta de ar!!!


De carlos a.a. a 24 de Novembro de 2004 às 21:54
"(...) crescente concentração, tanto dos meios de comunicação quanto das empresas de telecomunicações, e pela homogeneização dos conteúdos, o que desemboca no nefasto fenómeno do “pensamento único”."
Pois é, DJ! Agora juntar todas estas realidades com a Educação, ou melhor com a formação da identidade na infância, adolescência e juventude?
Será que continua a ser possível educar (pais, professores e demais agentes) sem contar com os meios de comunicação?

Abraço


De Plancie Herica a 24 de Novembro de 2004 às 20:38
Muito boa esta posta!

Um abraço,
Francisco Nunes


De Pitoresco a 24 de Novembro de 2004 às 19:35
Simplesmente excelente. O essencial está aí com todas as letras - mancomunação! O resto é paleio e mediocridade.


Comentar post

pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds