Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quarta-feira, 8 de Dezembro de 2004
DESASSOMBRAMENTO... PARTE II!

Dadas as características da conjuntura actual., em que o espectro da «crise» se agita sem cessar, admitir-se-à ser útil recordar algumas observações que o filósofo e político italiano António Gramsci fez há 70 anos nas suas reflexões sobre Maquiavel. Analisando as situações nas quais a classe dirigente fracassa num determinado empreendimento político, «em nome do qual pediu ou impôs pela propaganda o consenso das grandes massas», Gramsci comentou: nesses casos, fala-se em «crise de autoridade», mas o que se verifica é uma «crise de hegemonia, ou crise do Estado no seu conjunto».


Será, então, possível dizer que a nossa crise deriva do facto de que a classe dirigente fracassou no seu principal empreendimento político e por isso perdeu o consenso e o consentimento dos “cidadãos”? Com o devido cuidado e sem querermos forçar o raciocínio, achamos que sim. Talvez se possa mesmo afirmar que, em rigor, no plano histórico mais geral, nenhum grupo dirigente (geracional/partidário/) conseguiu exercer uma efectiva “hegemonia” (no plano dos valores da democracia/ética/política) entre nós, desde que entendamos por hegemonia a capacidade de obter apoio activo e imprimir uma direcção moral e intelectual à sociedade. Isso, porém, levar-nos-ia longe demais. Mas há algo que não precisa de  muita investigação, salta à vista: é que a nossa actual classe dirigente -- que congrega na sua base uma diversidade de grupos e interesses -- nunca chegou a apresentar um desenho/estratégia/projecto ao (de) país e uma moral que a credenciassem à hegemonia, no sentido atrás definido. O seu simulacro de projecto sempre foi o do economicismo, secundado por uma vaga ideia de modernização entendida como «abertura para o mundo» (que mundo? Terceiro! Primeiro! Dos antípodas!) e por uma categórica opção pelo «mercado» sem ter nada para oferecer a esse mercado. Nunca apresentou à Nação (ao povo) que País estava disposta a construir, nunca a conclamou a aderir a algo mais substantivo (só se for o pontapé na bola!). Nomeadamente, agora, quando o falhanço foi/é total e hegemónico, quando os próprios sectores económicos (todos!) bradam contra o governo e este se entregou a uma mera radicalização da sua ideia matriz (lembram-se – estabilidade e controlo do défice), como se pode dizer que temos apenas uma «crise de autoridade» ou de governabilidade? Estamos é diante de uma profunda ausência de hegemonia.


Todavia, porém, não quer dizer que o fracasso deste governo seja absoluto ou que, pasme-se, já amadureceu uma nova capacidade hegemónica, quer dizer, uma nova disposição de forças que traga consigo um outro empreendimento político - um outro projecto - e possa em nome dele postular a condução do nosso país. Se a crise é de hegemonia, diria Gramsci, preparem-se - podemos esperar que dela resultem muitas «situações delicadas e perigosas», pois os diversos grupos partidários/políticos (sobretudo os que neste momento são poder) não têm «a mesma capacidade de se orientar e de se reorganizar rapidamente». Existe um risco claro de fugas para a frente! Paira no ar, muita ansiedade e afã de poder e de notoriedade. Nem sempre se produzem autênticas soluções orgânicas, impostas pela fusão dos oposicionistas e dos que estão fora do poder. Pode parecer descabido e absurdo, todavia, podem surgir, por exemplo, soluções de outro tipo, fundadas na força ou na actividade de homens providenciais ou de cariz messiânico (não é inédito, a nossa história tem vários registos!).


Donde ser possível antedizer que a crise dos nossos dias não está necessariamente fadada a convergir para desfechos que beneficiem os grupos sociais desfavorecidos e os sectores que neste momento são oposição. Não que estejamos sendo impelidos para retrocessos autoritários ou para a revivescência de taras personalistas. Mas, como em toda a crise orgânica em países desmemoriados, de população com elevada iliteracia, diferenciada e sempre à procura do vendedor de sonhos, com um sistema político fragilizado e atolado em vastos e difíceis problemas, o facto é que a oposição nem sempre se mexe com rapidez e o governo ainda tem “boas” chances de se recompor, fazer alguns «sacrifícios» e retomar o controlo da situação. Tanto mais se conseguir contar com conjunturas internacionais favoráveis – não sei bem como, mas... desconfiem! Com franqueza, se agora ressurgir em cena (como alguém já disse) a “tralha” que já nos atolou, sejamos claros: o que não parece destinado a desaparecer é o nervo do problema - justamente a crise de hegemonia, a crise do Estado no seu conjunto. E contra essa crise de pouco adiantam as soluções cosméticas que têm sido aventadas nos últimos tempos. Para dar um rumo sério e credível ao País (e não a este ou àquele governo em particular), carecemos mesmo é de uma efectiva reinvenção da política, com a qual seja possível reformar democraticamente o Estado.


O DESASSOMBRAMENTO VAI CONTINUAR com a ajuda das leituras da ponte Atlântica de Milton Lahuerta, Marco Aurélio Nogueira, Fernando de La Cuadra, Alessia Ansaloni, Leandro Konder, Guido Liguori, etc.



publicado por albardeiro às 01:22
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Anedotrio a 9 de Dezembro de 2004 às 00:43
Como dizia o Eça a propósito do regime político português da altura, referia que as geografias diziam que era uma monarquia, mas, bem vistas as coisas, nem parecia uma monarquia, nem parecia uma república: era "apenas um chinfrim":- «O poder é distribuído de forma singular: doze ou quinze homens, sempre os mesmos, alternadamente possuem o poder, perdem o poder, reconquistam o poder, trocam o poder. "O poder não sai de uns certos grupos, como uma péla que quatro crianças, aos cantos de uma sala, atiram umas às outras, pelo ar, num rumor de risos"».
Tendo em conta esta "bitola", aguardamos mais desassombramentos.


De Pitoresco a 8 de Dezembro de 2004 às 02:51
Excelente. O desassombramento promete. Porque é que há pessoas com ideias e não se tornam visíveis?! Penso que entendeu a mensagem.


Comentar post

pesquisar
 
Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

DE QUE FALAMOS?

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds