Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 2 de Janeiro de 2005
DESASSOMBRAMENTO ... ... PARTE V!!!

Corre-se o risco de alternar insensatamente entre euforia e depressão quem pautar a sua análise, mesmo de conjuntura, segundo as noticias da comunicação social, em particular a imprensa, especialmente as páginas de economia. Parecemos todos condenados à montanha russa dos índices da bolsa e cotações de moedas e de títulos de nome exótico. Descobrimos a todo o instante, espantados, que uma entidade sem rosto chamada "mercado", colocada acima e além das necessidades humanas, não só adquiriu a vida própria dos fetiches como até desenvolveu uma personalidade de "serial killer". Não há muito tempo, liquidou os chamados tigres asiáticos Coreia do Sul, Taiwan, Singapura, Tailândia, etc., prosseguiu lentamente para outras latitudes e instalou-se em economias débeis e periféricas, como a nossa, mau grado a pertença a um “gigante” de nome União Europeia.


No momento actual é inútil especular, e muito menos avaliar, por ora, a extensão da crise e a paralisia da nossa economia. Qualquer especulação nesse sentido, além do risco maníaco-depressivo, não contribuiria para esclarecer certos aspectos essenciais tanto da presente crise institucional quanto da frágil posição financeira/económica de Portugal, contaminado como está, por um tumultuoso processo de mediocridade governativa e em pleno período de eleições gerais. Desde já, podemos destacar dois desses aspectos básicos.


Em primeiro lugar, toda a crise, especialmente uma crise deste porte, tem o poder de abalar verdades estabelecidas, às vezes ferindo de morte ideias inexpugnáveis. Assim, em formações sociais como a nossa, está claramente em questão não propriamente a governação canhestra, mas certamente a forma neo-liberal sob a qual ela se impôs avassaladoramente nestes últimos anos. A centralidade da riqueza privada, em particular a financeira, foi acentuada até ao absurdo, em detrimento da coesão social, numa ofensiva impiedosa contra as diferentes formas de compromisso entre capital e trabalho obtidas por direito depois de décadas de atropelos aos direitos sociais, durante o salazarismo.


Em segundo lugar, e não menos importante, esta globalização neo-liberal trata a política como mera província da economia. Ela exige que a acção política se adapte passivamente aos requerimentos do mecanismo económico, como se fosse a única matriz de toda a racionalidade. Impotentes, as sociedades (penoso para os indivíduos que as compõem) devem submeter-se à "disciplina dos mercados", de vocação totalitária evidente. O trabalho torna-se precário e sem garantias, os direitos sociais, que levaram gerações a conquistar, são vistos como intoleráveis privilégios corporativos, a segurança social (direito inalienável) é confiada à irracionalidade exuberante da bolsa de valores.


A "sociedade aberta", para usarmos um polémico termo popperiano, torna-se o palco por excelência do economicismo vulgar, acusação que o próprio Karl Popper outrora tinha tornado clássica em relação aos governos de esquerda (maioritariamente sociais democratas). Não deixa de ser curioso este episódio da dialéctica das ideias. Para Popper, considerado um dos pontos de referência do hodierno pensamento liberal, afirmou que os marxistas cometiam um erro grosseiro na análise do sistema político e social: em suma, na teoria do Estado e da política. Segundo Popper, apesar de contribuir para o envolvimento dos trabalhadores na vida pública, o marxismo, contraditoriamente, comportava uma visão fatalista da própria acção política. A esta caberia, na melhor das hipóteses, "minorar as dores do parto", dando passagem às mudanças operadas na esfera decisiva: os meios de produção e as relações entre as classes.


Ironia das coisas! Então não é também este o papel atribuído à política pela ideologia neoliberal hoje dominante. O Estado nacional, por exemplo, é pressionado a intervir abruptamente no mercado de trabalho, destruindo direitos e deixando os indivíduos à mercê das exigências da acumulação "flexível". Um Estado, portanto, longe de qualquer resquício de neutralidade: forte em relação aos fracos, fraco em relação aos poderes fortes da sociedade. O maior ataque do neo-liberalismo foi este : a cidadania, construída no espaço dos Estados nacionais, está em vias de se tornar apenas memória - em lugar do cidadão, o consumidor. Em lugar do bilhete de identidade ou do cartão de eleitor, apenas o cartão de crédito. Entre outros, parece que foi Mário Soares que aqui há uns tempos alvitrou de que isto não pode continuar assim. Face a esta permanente fuga para a frente, sem se importarem com os excluídos, a pobreza e todos os que estão à margem do festim - podem crer - nada mais estão a fazer do que a criar o contexto adequado para fermentar os primeiros e promissores sinais de rebelião social contra os imperativos da globalização neo-liberal.


Será que pode então estar próximo um retorno da política como capacidade de controlar processos hoje considerados cegos e inexoráveis, e como esfera da invenção de uma vida a salvo do "horror económico"? E porque não acreditar que talvez nasça, como alternativa concreta, uma nova forma social democrata da globalização, se compreendermos "social democracia" num sentido arrojado e mais próximo da situação original, em que sociais democratas eram (talvez se espantem!) Marx e Engels, Bernstein e Kautsky, Rosa e Karl Liebknecht , António Sérgio e Henrique de Barros. Nenhuma semelhança, pois, com a actual falsificação generalizada do termo.


Terra de pedras esburgadas, secas/como esses sentimentos de oito séculos/de roubos e patrões, barões ou condes;/ó terra de ninguém, ninguém,ninguém:/eu te pertenço./És cabra, és badalhoca,/és mais que cachorra pelo cio,/és peste e fome e guerra e dor de coração./Eu te pertenço mas seres minha, não .(Jorge de Sena, excerto do poema “A Portugal”)


O DESASSOMBRAMENTO CONTINUARÁ com a ajuda das leituras da ponte Atlântica...



publicado por albardeiro às 23:46
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De raiodevida a 5 de Janeiro de 2005 às 17:54
Excelente "posta". Resta-me acrescentar o que há pouco tempo escreveu Philippe Quéau, em LA PLANETE DES ESPRITS: "O pensamento neo-liberal, neo-nominalista, neo-puritano, amigo das totalidades concretas e das individualidades indentificáveis, mas inimigo do geral e do universal, esforça-se sem complexo para anular a própria ideia de "bem comum", sem encontrar resistências teóricas ou políticas consistentes, por enquanto. Para lhe fazer frente, falta ainda um pensamento neo-realista verdadeiro, à escala planetária.

Nós precisamos de definir as condições de possibilidade política e ética da nossa "civilização-mundo". Como regular a sua emergência? Com que fins? Que projecto mundial? A "compressão planetária" dos povos e do mundo conduz progressiva e inevitavelmente à formação de facto de uma comunidade mundial integrada. A cibercultura [outro nome para a cultura da abstracção] é um sinal anunciador da formação dessa comunidade mundial, prefigurando a emergência de um planeta dos espíritos, e de uma noosfera, capaz de iniciar um renascimento da Humanidade.


De Pitoresco a 3 de Janeiro de 2005 às 20:26
Há até quem o afirme solenemente, a meu ver com razão, que o Estado, no contexto dos processos de globalização e de regionalização, que se desenvolvem com especial dinamismo nos dias de hoje, mostra-se cada vez menos capaz de satisfazer eficazmente as necessidades básicas da sociedade - como a manutenção da paz, a preservação da segurança pública, a protecção do meio ambiente, a regulação do mercado interno e a prestação de serviços essenciais, sobretudo porque deixou de poder controlar os efeitos domésticos das variáveis económicas geradas externamente. Por essa razão, muitos entrevêem o fim ou a relativização da soberania e, até mesmo, o desaparecimento do próprio Estado. Onde é que isto vai parar?


Comentar post

pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds