Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 23 de Janeiro de 2005
PASSADO... e FUTURO!

O padre António Vieira, homem de invulgar inteligência, cometeu um grave erro: supôs que os outros eram dotados de igual inteligência e o compreenderiam. Como sabemos, os seus textos revelam uma fina ironia política, civilizada e desdenham a ironia do absurdo, até porque a metáfora do mundo é tão sublime que não há lugar para o absurdo. "Demócrito ria, porque todas as coisas humanas lhe pareciam ignorâncias; Heraclito chorava, porque todas lhe pareciam misérias: logo maior razão tinha Heraclito de chorar, que Demócrito de rir; porque neste mundo há muitas misérias que não são ignorâncias, e não há ignorância que não seja miséria". Ou então, "O polvo com aquele seu cabelo na cabeça, parece um monge; com aqueles seus ralos estendidos, parece uma estrela; com aquele não ter osso nem espinha, parece a mesma brandura, a mesma mansidão. E debaixo dessa aparência tão modesta ou dessa hipocrisia tão santa, testemunham constantemente (...) que o dito polvo é o maior traidor do mar." O Mundo cada vez mais sufoca pelo abraço do polvo, ou seja, cada vez mais a prepotência dos grandes que, como peixes, vivem do sacrifício de muitos pequenos, os quais "engolem "e "devoram". Para Vieira, no século XVII, o tempo futuro poderia ser narrado pois já estava inscrito no Infinito Divino (como proposto por Santo Agostinho e São Tomás), mesmo que dependente das causas segundas - a acção do homem podia ser estabelecida dentro do livre-arbítrio. Vieira, porém, acreditava na inexorabilidade do tempo, visto como um vector linear, o que expressa por meio de tropos que indicam, como no Sermão do Mandato, de 1643, a sua acção corrosiva que "tudo gasta, tudo digere, tudo acaba.". Tudo isto já vai longo, imagine-se para falar do poder dominante no Mundo de hoje. Não podemos narrar como Vieira nem o que Vieira teria dito sobre o devir de hoje, pois, em primeiro lugar, estamos num momento diferente (o mundo actual), e segundo, porque a nossa práxis e a nossa linguagem vai buscar um discurso (confundindo, propositadamente, discurso e pensamento) organizado numa percepção histórica que se baseia nos factos e nas evidências. Digo isto, não só a meu respeito como do meu amigo Hugo Fernandez, porque é dele o texto que se segue.


 BRINCAR COM O FOGO


Agora é “oficial”. A Casa Branca veio há uns dias finalmente reconhecer a inexistência de armas de destruição maciça no Iraque. Depois de tudo o que se passou, tal facto não espantará, certamente, muitas pessoas. Mas o que este reconhecimento tem de patético e simultaneamente de intolerável é que foi precisamente sob esse pretexto que os E.U.A empreenderam a sua “cruzada justiceira” contra o Eixo do Mal, invadindo um país soberano, provocando a destruição de uma parte significativa do seu milenar legado cultural e das suas infraestruturas – apenas aquelas, note-se, que não interessavam manter para assegurar a rapina eficaz dos recursos energéticos de que o território iraquiano é, como se sabe, pródigo –, levando à desorganização social e económica de uma sociedade e, principalmente, à morte de milhares de pessoas (fala-se em perto de 150.000).


Afinal, não houve justificação para a guerra; pelo menos aquela que os próprios americanos nos quiseram impingir. Afinal Saddam Hussein não constituía nenhum perigo real para a região e muito menos, como se apregoou ad nauseum, para o mundo. Se o regime de Saddam era uma ameaça para alguém, era para o seu próprio povo. E em relação a este, nunca os E.U.A mostraram qualquer compaixão, apoiando activamente o ditador Saddam e chegando mesmo a vender-lhe as armas que vieram a ser utilizadas na sua repressão. Aliás, o apoio dos E.U.A a regimes ditatoriais na defesa dos seus interesses, tem sido uma constante da política externa norte-americana.


Quase dois anos depois de Colin Powell ter exibido “provas irrefutáveis” de que o Iraque possuía armamento químico e biológico, a trágica verdade vem ao de cima. Que vergonha, que desastre! Principal mote da cimeira da guerra nos Açores, o armamento iraquiano alimentou meses de intoxicação da opinião pública e desabrido ataque a todos aqueles que denunciavam as mentiras made in Washington e as verdadeiras intenções americanas. Onde estão esses corifeus de Bush agora? Quem não se lembra, no caso português, das certezas do nosso ex-primeiro-ministro “desertor” Durão Barroso que, em Londres, junto de Tony Blair, asseverou ter “visto” essas provas. Quem não se lembra do entusiasmo televisivo dos “soldadinhos” de Paulo Portas a comentar o evoluir da movimentação das tropas americanas em solo iraquiano. Quem poderá alguma vez esquecer as maquetes de aviões e carros blindados – como se se tratasse de uma ingénua brincadeira de meninos – apresentadas sem escrúpulos, nem pudor, pelo especialista Nuno Rogeiro nos nossos ecrãs.


Ainda assim, o porta-voz da Casa Branca, Scott McClellan reafirmou que “o regime [de Saddam] tinha a intenção e as capacidades necessárias no que respeita a armas de destruição maciça”. Pasme-se! Já não são precisos actos; bastam intenções. Não precisa de haver ameaças concretas. Basta julgar-se que existe vontade nesse sentido. É a inacreditável doutrina da “guerra preventiva” em todo o seu esplendor. A tortuosidade de tal raciocínio só encontra paralelo com o que há de mais característico no pensamento fundamentalista: fanatismo, maniqueísmo e absoluto desprezo pelos outros.


Com esta política de George W. Bush e do seu governo, o mundo ficou mais inseguro, mais violento e mais injusto, potenciando o ódio e ressentimento a uma tal escala, que o fenómeno do terrorismo se universalizou. Aliás, num relatório recente emanado do insuspeito National Intelligence Council, organismo de informações que assessora a CIA, concluiu-se que, desde a invasão americana, o Iraque se tornou num “campo de treino para terroristas” – em substituição do Afeganistão – e que o sentimento extremista e fundamentalista tinham aumentado exponencialmente. A administração Bush desrespeitou as leis internacionais, invadiu países soberanos, provocou a destruição e o caos, espalhou a morte indiscriminada de pessoas. Baseou a sua acção no mais absoluto unilateralismo e na obsessão messiânica da luta do Bem contra o Mal. Bin Laden não teria feito melhor. Quem é esta gente? O que pretendem, afinal?



publicado por albardeiro às 15:12
link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De Miguel a 26 de Janeiro de 2005 às 01:26
Lista do PS para formaçao de governo


1º Ministro- Jose Socrates , promete dar um rumo a portugal

Ministro-adjunto -Jorge Coelho , pede perdao ao povo de Entre_os_Rios pelo arrependimento de alguma vez querer tirar consequencias politicas da queda da ponte.
Promete que durante a proxima legislatura nao deixar cair a ponte nova , desde que em caso de mau estado receba 101 avisos em cima de sua secretaria,avisando que 100 avisos sao poucos.

Ferro Rodrigues- Ministro da solidariedade , promete fechar todos os lares de idosos que peçam ajuda a segurança social , á semelhança do que fez no governo de Guterres.

Paulo Pedroso- Ministro da educaçao, promete ate ao final da legislatura haver educaçao sexual em todas as escolas primarias e infantarios.

Fatima Felgueiras -Ministra das finanças , promete controlar o defice no seu saco AZUL.

Francisco Louça , Ministro da saude , promete fomentar excelente negocio a todas as clinicas e hospitais com o numero de abortos a praticar diariamente.

Jeronimo de Sousa- Ministro dos negocios estrangeiros, promete retirar o pais da C.E e da Nato , fazendo uma U.R.S.S com gabinete central em Portugal.



Joao Cravinho- Ministro das obras publicas , promete concluir as obras do metro no Terreiro do Paço , inaugurando a estaçao durante a legislatura ou tapando o buraco aberto.


Carrilho, ministro da conservaçao do patrimonio , extinguindo i IPPAR e construindo wc em todos os ministerios , começando com urgencia pelo da Solidariedade , nao vá o Ferro Rodrigues começar a escagaçar-se na justiça.

Quanto aos restantes ministerios , nao foram ainda selecionadas de dentro do partido , pois sao tantas as figuras ilustres que nao é facil a escolha.


Atençao , isto é uma brincadeira , quaalquer semelhança com a realidade , é pura coincidencia , mesmo GRANDE COINCIDENCIA.





De Anedotrio a 24 de Janeiro de 2005 às 17:42
É a história do ladrão que grita: "Pega o ladrão!" O que imagina você que foi o título dado por George W. Bush ao célebre relatório de acusação contra Saddam Hussein, que apresentou no dia 12 de setembro de 2002, perante a Assembleia Geral das Nações Unidas? Uma década de mentiras e desafios. E o que afirmava no relatório, detalhando "provas"?
Um rosário de mentiras! O Iraque, dizia ele em resumo, mantém vínculos estreitos com a rede terrorista al-Qaeda e ameaça a segurança dos Estados Unidos porque possui "armas de
destruição em massa" (ADM) - uma expressão assustadora forjada pelos seus assessores de comunicação.Esses putativos não deviam ignorar as palavras dos seus fundadores: "Eu preferiria morrer a proferir uma inverdade." (George Washington)


De Plancie Herica a 23 de Janeiro de 2005 às 21:41
Não pá! -desculpa a inusitada 'cófia'- o Bush fez isso para lutar contra a Tirania. Quer-me parecer que o gaijo agora até vai libertar o Tibete da manápula dos chinocas, e tudo!...

Um abraço de alguém que acredita no Pai Natal,
Francisco Nunes


Comentar post

pesquisar
 
Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

DE QUE FALAMOS?

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds