Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 12 de Fevereiro de 2005
CARTA ABERTA... a quem interessar!

Os principais dirigentes do BE teimosamente por estratégia não “querem” fazer a descoberta de que existe vida fora do seu território ou dos espaços formais que a ortodoxia costuma atribuir à esquerda. Também teimosamente por estratégia ainda não assumiram que o BE já não tem “idade” para continuar a ser o partido "intra-uterino" que precisa de se afirmar a todo instante como único e verdadeiro representante dos injustiçados, contra a parte intransigente dos detentores do aparelho de Estado. Sem essas teimosias tem que se apresentar mais tranquilo, mais convencido da sua força e mais afinado com as exigências da política (democrática). Mais aberto, por isso mesmo, para abraçar questões que até recentemente eram vistas como alheias ao seu programa e à sua filosofia. Como a das alianças.


Como sabemos, o problema das alianças é crucial na política portuguesa. Quem as concebe atabalhoadamente ou de modo tosco, tanto quanto quem as rejeita in limine ou por princípio, dá-se invariavelmente mal. Pode até crescer - como é o caso do próprio BE, até agora bem sucedido projecto partidário - , mas não consegue (teimosamente) posicionar-se como real alternativa de poder nem acrescentar experiência de governo. Bem sabemos que fazer alianças, na política, diria mais na sociedade portuguesa, é uma imposição e, paradoxalmente, um desafio na vida: das abismais diferenças sociais, da cidadania politicamente deseducada, do sistema político desenhado para “abater” o eleitor (o eleitor ao eleger o eleito nunca mais lhe põe a vista em cima, só pela pantalha!) e pulverizar a representação, dos seguidos ciclos da improficiência, da fragmentação da sociedade civil, do rápido assentamento da política espectáculo. Os senhores do BE têm que abandonar essa soberba e perceber que coligar-se, entre nós, é uma condição natural da política.


Mas existem alianças e alianças. Há aquelas que são feitas apenas para contabilizar votos e arregimentar recursos de campanha. Há as que visam tão somente conseguir calaceirar para chegar ao posto almejado. Invariavelmente, estão despojadas de maior grandeza ou densidade, mas infelizmente conseguem... Para os verdadeiramente democratas e para a esquerda, porém, uma aliança precisa de fazer sentido substantivo, e assim tem que ser, não pode ser mera expressão de uma aritmética eleitoral, como invariavelmente tem acontecido na política portuguesa, veja-se os que estão demissionários. Não pode ser apenas a união circunstancial dos que são contra, mas deve assentar sobre uma proposta positiva de futuro. Tem de demonstrar um eixo programático de larga respiração. Ser uma alternativa para chegar ao poder, mas também um instrumento para governar. Em suma, ser tanto um recurso para ganhar eficácia política quanto um elemento de civilidade e pedagogia política. Justamente por isso, alianças, para a esquerda (já chega de limianos), é algo que tem que ser construído por parceiros dotados de personalidade política e programática bem clara e capazes de se respeitar nas suas especificidades. É uma unidade de coisas diversas que exige a mais completa transparência e que se equilibra numa delicada dialéctica de tolerância e firmeza. Incontestavelmente tem que ser uma operação para gente com sentido de responsabilidade, já convencida da sua identidade e já tratada pelos outros como tal. Uma operação para partidos que já saíram do “útero”, que se põem diante do Estado como um outro todo, ou seja, como um protagonista capaz de afirmar um programa para toda a sociedade, e não apenas para os seus nichos de eleitores. Um protagonista responsável, disposto a algum "sacrifício" em nome de um objectivo maior.


E é precisamente neste ponto que o BE deverá demonstrar que a sua disposição de mudar é mesmo concludente. Não basta apelidar-se de esquerda para estar à esquerda. Ser de esquerda não é ser contra o governo do Santana ou de outro incompetente qualquer, até mesmo porque há muitos sectores de direita que também o são. Ser de esquerda é bem mais do que isso: é atestar e difundir uma opinião sobre o futuro, uma utopia, um desenho de sociedade mais justa, uma proposta de governo diferenciado, uma nova forma de pensar e gerir a economia, uma nova escala de valores e ideais. É ir além da gestão dos interesses do capitalismo. É responder aos desafios interpostos à sociedade pela "grande transformação" que vem adjacente com a globalização económica, a sociedade informacional e a revolução tecnológica. Ser de esquerda, em suma, é definir de modo crítico, realista e criterioso (ou seja, não doutrinário) um "modelo" de socialismo e um caminho para viabilizá-lo. Coisa que o BE, proclamando-se de esquerda, tem ainda medo, receio ou relutância em fazer e que, como sabemos, esteve sempre longe de ter sido feito pelos demais postulantes da "frente de esquerda" que corporizam o BE.


Sem uma melhor circunscrição do que é ser de esquerda hoje, nesta sociedade contaminada, onde algumas forças partidárias, por força dos seus actuais agentes, teimam em prosseguir na maior “rasquice” até hoje nunca vista numa campanha eleitoral, o futuro continuará tão cinzento e imperscrutável quanto antes. Pior: à custa desta mediocridade, deste abaixamento e degradação discursiva, a sociedade continuará sem saber o que as forças de esquerda pretendem fazer com ela amanhã.


“Nisso, como em tantos outros aspectos, o Portugal de hoje prolonga o antigo regime. A não-inscrição não data de agora, é um velho hábito que vem sobretudo da recusa imposta ao indivíduo de se inscrever. Porque inscrever implica acção, afirmação, decisão com as quais o indivíduo conquista autonomia e sentido para a sua existência. Foi o salazarismo que nos ensinou a irresponsabilidade – reduzindo-nos a crianças, crianças grandes, adultos infantilizados. O 25 de Abril abriu um processo complexo de luta intensa contra a não-inscrição, pelo menos num plano restrito, com os governos provisórios a tomarem medidas «definitivas», a criarem «factos (leis, instituições) irreversíveis» antes de caírem, na ânsia desesperada de deixarem obra feita, indestrutível, com a qual contribuiriam para a construção da nova sociedade. Simplesmente, o substrato da não-inscrição continuava vivo, e toda essa actividade frenética e delirante para inscrever a Revolução – escrevendo a História – não fazia mais do que alimentar a impossibilidade de inscrever, essa sim, inscrita no mais profundo (ou à superfície inteira) dos inconscientes dos portugueses.” José Gil, “O país da não-inscrição” in Portugal, hoje. O medo de existir, Lisboa: Relógio d’Água, 2004, pp. 15-23


O DESASSOMBRAMENTO CONTINUARÁ com a ajuda das leituras da ponte Atlântica, entre outros, de Milton Lahuerta, Marco Aurélio Nogueira, Fernando de La Cuadra, Alessia Ansaloni, Leandro Konder, Guido Liguori, etc.



publicado por albardeiro às 18:12
link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De Anedotrio a 15 de Fevereiro de 2005 às 01:23
Apenas para acrescentar uma “condição” que pode servir como uma chamada de atenção, porque no essencial concordo com o que você divulgou, que é isto: qualquer que seja o governo (PS, ou PS e outro) tem que ter a memória do que aconteceu no guterrismo e, em alguma medida, no cavaquismo, isto é, ao verificar-se portanto que o crescimento acelerado não leva necessariamente à maior equidade e justiça social, tornar-se-ia mister o exame da viabilidade de caminhos e instrumentos alternativos para a consecução do objectivo último – uma sociedade justa, equilibrada e democrática. Nesta perspectiva, a concentração do principal esforço governativo não deve recair no aperfeiçoamento e na sofisticação dos instrumentos do crescimento económico – o planeamento e os respectivos indicadores – mas sim, na análise crítica do próprio processo e dos modelos a ele subjacentes e, sobretudo, nas pessoas.


De JVC a 13 de Fevereiro de 2005 às 10:20
"Ser de esquerda, em suma, é definir de modo crítico, realista e criterioso (ou seja, não doutrinário) um "modelo" de socialismo e um caminho para viabilizá-lo. Coisa que o BE, proclamando-se de esquerda, tem ainda medo, receio ou relutância em fazer e que, como sabemos, esteve sempre longe de ter sido feito pelos demais postulantes da "frente de esquerda" que corporizam o BE."

O tempo ensina. Veja-se o caso dos Verdes alemães, em coligação com o SPD.


De raiodevida a 13 de Fevereiro de 2005 às 00:12
Não podia estar mais de acordo com esta ideia. A natureza pluralista e até já multicultural da nossa formação política, económica, social e o forte "bloco" dos interesses corporativos parecem indicar que as coligações têm que consubstanciar algo que vá para além do pragmatismo eleitoral e governamental imediatista - definir projectos societários duradouros e estruturantes.


Comentar post

pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

ESTADO DA QUESTÃO

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds