Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 19 de Fevereiro de 2005
Embrulhar a questão...!

No momento presente faz todo o sentido a firmação de Aurélio Nogueira, ou seja, “como forma de olhar a política, as pesquisas eleitorais dizem muito, mas falam pouco”. Os números que “alardeiam” o PS na dianteira, com mais de 15 pontos à frente do segundo partido, onde se emolam Santana & Cª, mostram à evidência que o principal responsável do PS até não é preciso “tirar” trunfos preciosos: a sua longa exposição aos média, o seu temperamento político e, sobretudo, a oportunidade de capturar o difuso espírito oposicionista que parece ter tomado conta da população, pelo menos neste momento. A questão é como administrará este património daqui para a frente? Os números são tão expressivos que acabam por estimular diferentes fantasias e visões conspiratórias. Há alguns analistas que neles se respaldam para prever a abertura, pelo sistema, de uma inescrupulosa caixa de maldades contra o “próximo primeiro-ministro deste país contaminado”: quanto mais crescerem os números, dizem, ao mesmo tempo que aumenta a sua responsabilidade, maior será o seu trambolhão. Outros analistas apressam-se em recordar que, nas últimas três eleições, as previsões das sondagens se desfizeram por completo à medida que as urnas se foram abrindo. Em função disto, dizem, é melhor não haver muita excitação antes da hora.


A política é móvel e dinâmica, além de pouco previsível. Apesar de sabermos disto, vivemos enfeitiçados pelas ilusões das estatísticas e tendemos a confundi-las com os nossos desejos e receios. Passamos a atribuir aos números o poder quase mágico de anunciar o futuro, e vamos permitindo que eles fiquem poderosos demais. Esquecemos que bastaria um facto forte para apagar as estrelas ou pôr no céu quem estava no inferno. Sondagens eleitorais são sempre bem-vindas. Elas fornecem-nos um importante recurso de análise. Como sabemos (existe muita “escrita” sobre o assunto), no actual panorama político/eleitoral português, se algum problema existe, ele não vem das pesquisas, mas dos políticos e do sistema com que se disputam as eleições. Os políticos mais uma vez recuaram e entregaram a direcção do espectáculo aos especialistas em marketing, o que chegou aos eleitores? Produtos-padrão, vendidos como um outro qualquer. As estratégias foram dedicadas primordialmente a burilar imagens, efeitos e “conceitos”, no fundo, embalagens. Os conteúdos importaram menos. Os números iam complementando isto e passaram a ser cortejados sofregamente.


Perante esta realidade, uma campanha eleitoral não passa de uma encenação “Bufa”. Uma falha de comunicação, uma frase aparvalhada, uma foto inoportuna, um escorregão inesperado, um inocente aperto de mão, um detalhe esquecido (ou acrescentado) na biografia, qualquer baboseira é susceptível de deitar tudo ladeira abaixo. No fundo, todos tendem a não se afastar muito de um ponto “óptimo” de campanha, reforçando as estratégias mercadológicas, as frases estudadas, os sorrisos de rotina. Uma boa imagem torna-se fundamental. Um fait-divers bem assestado vale ouro. A escolha correcta do “inimigo” passa a ser decisiva. Ao mesmo tempo, como os espaços de manobra vão ficando apertados, todos procuram, como podem, atamancar os seus discursos, recheando-os com obstinadas acusações aos adversários. É a anticampanha oprimindo a campanha, o ataque aos outros combinando-se com o disfarce de si próprio, as escaramuças pseudo-moralistas e “imagéticas” ganhando mais peso que o debate democrático.


O pior é que isto aconteceu e tomou conta do processo eleitoral. Mais uma vez perdeu-se uma bela oportunidade de injectar qualidade à política nacional e de permitir a plena explicitação das posições dos partidos e respectivos programas eleitorais. Disseram pouco à sociedade. Mais uma vez perderam a oportunidade de protagonizarem um grande debate político. Se o marketing, o pseudo-moralismo, as caixas de maldades, a imagem em si, se superpuseram à luta de opiniões e ao diálogo com a sociedade, nada mais foi do que a vitória da forma sobre o conteúdo. Reafirmou-se um padrão de política, cinzento, e não se construiu nenhuma ponte para projectar o país no futuro.


“Quando o luto não vem inscrever no real a perda de um laço afectivo (de uma força), o morto e a morte virão assombrar os vivos sem descanso.Num outro aspecto ainda, a não-inscrição parece mais grave por não se ter liquidado a si própria, já que a herdámos também do salazarismo. Se, num certo sentido, se disse até há pouco (hoje diz-se menos) que «nada mudou» apesar das liberdades conquistadas, é porque muito se herdou e se mantém das antigas inércias e mentalidades da época da ditadura: desde o medo, que sobrevive com outras formas, à «irresponsabilidade» que predomina ainda nos comportamentos dos portugueses. Com efeito, no tempo de Salazar «nada acontecia» por excelência. Atolada num mal difuso e omnipresente, a existência individual não chegava sequer a vir à tona da vida. E o que era uma vida, nesse tempo? Aquilo que ditava o ideal moral do salazarismo: uma sucessão de actos obscuros, com tanto mais valor quanto se faziam modestos, humildes, despercebidos… Onde inscrevê-los, se não havia espaço público e tempo colectivo visíveis; onde, senão na eternidade muda das almas, segundo a visão católica própria de Salazar?” José Gil, “O país da não-inscrição”, in Portugal, hoje. O medo de existir, Lisboa: Relógio d’Água, 2004, pp. 15-23


O DESASSOMBRAMENTO CONTINUARÁ ... Milton Lahuerta, Marco Aurélio Nogueira, Fernando de La Cuadra, Alessia Ansaloni, Leandro Konder, Guido Liguori, etc.



publicado por albardeiro às 03:11
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Menina_marota a 19 de Fevereiro de 2005 às 11:45
Pois... eu sou mais prática e, sem muito palavreado, sempre disse, que "com papas (ou números)e bolos, se enganam os tolos"... Abraço :-)


Comentar post

pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds