Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 12 de Março de 2005
Os Nós que nos atam...!

Parece um paradoxo... não, não é! Estas derradeiras eleições confirmaram o acesso da democracia portuguesa à sua idade madura, fortalecendo as suas instituições, principalmente a Constituição (como se sabe, a culpada de todas as insuficiências da inteligência política para governar) que, não por acaso, não foi objecto de controvérsia nos programas dos partidos e nem na boca dos candidatos ao cargo/função de primeiro-ministro. Singularidades institucionais, como o processo de judicialização da política, e as primeiras tentativas de simulacro na utilização da urna electrónica, não só se “conchavaram” entre nós como já ameaçam ganhar o seu espaço. Resta agora fazer passar a democracia política pelo duro teste da democracia social. A nossa experiência democrática, que se iniciou distante do social, apesar de pressionada por ele (embora certos sectores políticos digam o contrário), ampliou-se somente aos poucos, e de modo sempre controlado. Já desde os idos anos da nossa “transição democrática”, que o controlo do social tem sido a pedra de toque para a “preservação” da democracia representativa e para as tentativas na recuperação do nosso atraso. Tanto assim é, embora não o pareça, nos últimos 15 anos, o sindicalismo foi perdendo fulgor e mantido com rédeas curtas, sobretudo, à custa de não se querer ou não se saber renovar. Daí se ter, ao lado de uma intrincada economia e de um estágio estagnado de industrialização, os actuais níveis de desigualdade social que assolam o país e que, se a situação não se inverter, já se traduzem em obstáculos à marcha do processo “civilizacional” europeu.


Os dois últimos governos, como se sabe, tudo fizeram para imobilizar politicamente a sociedade (nunca antes tinha havido tanta manobra de diversão), enquanto deflagrava uma vigorosa ofensiva aos direitos sociais - ao mercado forma-lhe dadas as condições para exercer várias das funções de controlo social antes confiadas à política. Para que isto acontecesse, isto é, para este mau resultado, é bom frisar, não foi indiferente a política dos “testas de ferro” dos principais grupos económicos (ao longo da nossa história sempre foram uns rentistas) em lugares primordiais nos últimos governos, que se tiveram nas tintas para a valorização das instituições e boa gestão da “coisa pública”.


Decerto que essa dissociação entre democracia política e democracia social encontrou um bom álibi na luta contra o défice, cujos efeitos mais perversos vitimavam as camadas sociais mais pobres da população. Nesse sentido, as políticas orientadas para a preservação da estabilidade orçamental, embora tenham servido os fins de quem, em nome da modernização (a panaceia serviu apenas para desregulamentar, depois logo se vê...!), desejava emancipar o mercado da influência da política e das pressões que vinham da questão social, expressaram também critérios de desigualdade, ou seja, o social foi absorvido como elemento passivo pela dimensão sistémica. Mas, como se viu, o tão propalado mercado, isto é, a nossa mercearia, entregue à sua própria lógica, longe de nos trazer mais um surto de expansão económica, mais uma vez apertou os nós das redes de constrangimentos sistémicos que atam o país e lhe têm bloqueado as tentativas de retomar políticas de desenvolvimento.


Desatar esses nós foi a opção dos eleitores. A opção foi pelo concerto da política e não pela mediocridade política de uns retardados fedelhos pseudoprofetas perversamente iluminados. Foi pelo cálculo de uma razão democrática e não pelo carisma de uma contaminada liderança providencial. E desatá-los implica dar um fim a essa relação desigual entre as dimensões política, social e económica, em que a segunda ficou sem comunicação com a primeira e reduzida a uma mera expressão passiva da terceira. A equação, portanto, entre elas tem que encontrar outra forma: as escolhas pela democracia social devem traduzir-se na linguagem da democracia política, observadas as regras das amplas alianças, e, a partir daí, por meio das instituições, escoradas na sociedade civil organizada e na força da opinião pública, inclusive a internacional, iniciar um movimento, diríamos, de assédio, crescentemente reforçado com a chegada de novos e credenciados protagonistas, que saibam qual o melhor antídoto para debelar os “constrangimentos sistémicos” até que se descortine a oportunidade para que se assente uma firme recuperação do desenvolvimento económico. Nessa bandeira, em que o social não se deixa capturar pela intervenção messiânica, e em que a política foge do canto de sereia do decisionismo providencialista, quando os nós que nos atam ainda se fizerem sentir, as artes, os saberes e os recursos da comunicação democrática são o instrumento idóneo com que um país ainda periférico conta para retomar nas suas mãos, por meio de um generoso pacto social, o leme do seu destino, ajudando, assim, a reconfigurar para melhor o mundo em que vivemos.


“Mas se a Europa entrou em nós, nós ainda não entrámos na Europa. Às transformações económicas e tecnológicas que a Comunidade Europeia impõe ao nosso país, nós respondemos com uma resistência (sobretudo passiva) que se apoia em velhas estratégias de `inteligência de sobrevivência´, que tem décadas, talvez séculos. Moldadas em estratos inconscientes, elas condicionam os principais reflexos de defesa, constituindo uma verdadeira barreira ao desenvolvimento. (...) O «lá fora» continua longe de nós.” José Gil, “Da economia dos afectos”, in Portugal, hoje. O medo de existir, Lisboa: Relógio d’Água, 2004, pp. 71 e 72


... com a ajuda das leituras da ponte Atlântica, entre outros, de Milton Lahuerta, Marco Aurélio Nogueira, Fernando de La Cuadra, Alessia Ansaloni, Leandro Konder, Guido Liguori, etc.



publicado por albardeiro às 01:15
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De tupirando a 12 de Março de 2005 às 15:46
Economicamente, o neoliberalismo fracassou, não conseguindo nenhuma revitalização básica do capitalismo avançado. Socialmente, ao contrário, o neoliberalismo conseguiu muitos dos seus objetivos, criando sociedades marcadamente mais desiguais, embora não tão desestatizadas como queria. Política e ideologicamente, todavia, o neoliberalismo alcançou êxito num grau com o qual seus fundadores provavelmente jamais sonharam, disseminando a simples idéia de que não há alternativas para os seus princípios, que todos, seja confessando ou negando, têm de adaptar-se a suas normas. Provavelmente nenhuma sabedoria convencional conseguiu um predomínio tão abrangente desde o início do século como o neoliberal hoje. Este fenômeno chama-se hegemonia, ainda que, naturalmente, milhões de pessoas não acreditem em suas receitas e resistam a seus regimes.


Comentar post

pesquisar
 
Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

DE QUE FALAMOS?

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds