Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quinta-feira, 21 de Abril de 2005
ATLÂNTICO

Interrompemos o nosso percurso da TERCEIRA VIA, um percurso mais terreno, e navegaremos metaforicamente, no texto que se segue, da autoria do HUGO FERNANDEZ (um albardeiro menos assíduo) por águas demasiado salgadas, por que a ausência das outras... são também parte da seca que nos flagela. Oceanos, mares salgados, navegadores, homens do leme... se na sociedade portuguesa a metáfora das águas está associada à formação de uma “identidade mestra”, é no seu leito que se dá a derrocada. Que peso enorme tiveram/têm as palavras proféticas do velho do Restelo. Paradoxalmente, outros NÓS QUE NOS ATAM! A História mostrou-nos que o brilho das águas das navegações se adensaram na medida em que as utopias daquele presente cederam espaço ao esfacelamento da identidade nacional a partir de fins do século XVI. O advento do sebastianismo foi um dos últimos bastiões de uma glória que aos poucos se iria indefinir e desconcertar, mas que manteve a promessa do retorno da última nau “a esperança do renascimento da glória de um império encantado, intocado pelo tempo” (ver: FERREIRA, Margarida Alves. In: MEIKY, José Carlos e ARAGÃO, Maria Lúcia (org): América:Ficção e utopias, São Paulo, EDUSP/ Expressão Cultural, 1994, pp. 27-43). A mitologia das águas expressou, hegemonicamente, o turvamento bachelardiano do mar português expresso pela dicotomia claro e escuro, passado e presente e a busca do “belo” ancestral naufragado em águas profundas e distópicas. Há sempre este traço identitário nacional, há sempre qualquer coisa sob o signo da predestinação remanescente... porquê? Porquê...? Chega de blasfémia...! O Hugo “falarᔠcom mais propriedade sobre esta “coisa” que presentemente deu à costa...


ATLÂNTICO


Para além de nome de oceano, Atlântico passou agora também a ser nome de revista. Esta novidade editorial portuguesa, cuja responsável é Helena Matos, apresenta-se neste primeiro número de Abril de 2005 com posições firmes e propósitos determinados. Assume-se como “projecto inconfundível”, de forte identidade e carácter. E, de facto, basta atentarmos no elenco dos seus colaboradores, para não haver dúvidas quanto à sua identidade. De Vasco Rato a Manuel de Lucena, de Joaquim Aguiar a Luciano Amaral ou de Rui Ramos a Fátima Bonifácio, encontramos aqui uma parte significativa da intelligentsia portuguesa conservadora. É, portanto, uma revista que se situa claramente à direita.


Se sobre isso houvesse alguma dúvida, bastava cotejar a prévia “Declaração Editorial” em jeito de acróstico, onde se diz que o  significa “Aliança Atlântica”, acrescentando-se que “A aliança entre europeus e norte-americanos foi e é o garante da nossa liberdade e segurança.” e de que o O diz respeito a “Ocidente” uma vez que “a civilização ocidental é aquela que maior prosperidade, direitos e liberdades conseguiu assegurar a um maior número de cidadãos. Porque o Ocidente é o nosso mundo.” Dificilmente conseguiríamos um bilhete de identidade mais claro. Não só o seu alinhamento com a filosofia política da actual administração Bush nos parece evidente, como implicitamente são repisadas as teclas do “choque das civilizações” e a “cruzada contra o Mal” dos neoconservadores americanos.


Custa-nos mais a entender porque também se diz que a Atlântico é “única”. De facto, no panorama nacional, não faz mais que potenciar opções ideológicas disseminadas pela generalidade dos órgãos de comunicação social, desde a televisão à imprensa. Talvez a sua única virtude seja a da sistematização desse particular entendimento do mundo e da assunção, como linha editorial própria, desse seu carácter marcadamente doutrinário. O que, apesar de tudo, não é pouco e é perfeitamente legítimo. Segue, aliás, exemplos internacionais no mesmo sentido. Lembremo-nos do papel desempenhado pela seminal revista norte-americana The Public Interest, fundada em 1965 por Irving Kristol, que tem sido, ao longo dos anos, uma autêntica Bíblia do pensamento neoconservador e que conta, como um dos seus mais proeminentes colaboradores, com o inefável Francis Fukuyama. Não será certamente por coincidência que, na rubrica “Gostos” da revista Atlântico, seja o último livro deste autêntico corifeu intelectual do neoconservadorismo, publicado no ano passado com o título State Building: Governance and World Order in the 21st Century, um dos livros recenseados.


O que causa verdadeira perplexidade nos propósitos da revista é o significado atribuído ao I da palavra Atlântico: “Inconformismo”, rematando-se, logo de seguida, “Contra a cultura dominante e o politicamente correcto.” O seu principal objectivo? “Fazer uma revista que rompa com o unanimismo reinante.” Mas, afinal, de que estamos a falar? Porque se há unanimismo no mundo de hoje, esse resulta precisamente da disseminação generalizada do pensamento neoconservador americano, da lógica predadora da globalização neo-liberal e da dominação planetária dos E.U.A. Assim se pensa nos corredores do poder da quase totalidade dos países. Por essa mesma bitola afinam governos, organizações e partidos políticos em todo o mundo. É dessa forma que os opinion makers dos mais influentes meios de comunicação social, formatam a opinião pública mundial.


Parece-nos que a linha de pensamento que a revista Atlântico segue é, pelo contrário, o da doxa instalada. O do conformismo perante a “ordem das coisas”. O da aceitação dócil do domínio imperial americano – da deriva securitária, da injustiça e da desigualdade – com todas as consequências que daí advém para a vida no nosso planeta. Qual é, então, a novidade? Que inconformismo é este? O do poder e da cultura dominantes? O do “pensamento único” made in Washington? Sabemos da particular capacidade que o sistema capitalista tem de incorporar no seu seio as forças da sua própria subversão e, dessa forma, neutralizá-las. Mas querer passar uma postura politicamente conservadora – em qualquer caso dominante – por uma atitude contestatária e subversiva, parece-nos algo de verdadeiramente incrível. Mais do que uma mistificação é uma fraude.


Atribui-se ao presidente norte-americano Abraham Lincoln o conhecido aforismo segundo o qual “se pode enganar toda a gente algum tempo; pode-se mesmo enganar algumas pessoas todo o tempo; mas não se pode enganar toda a gente todo o tempo”. É que, de facto, as coisas são o que são.



publicado por albardeiro às 13:35
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De marinheiro a 21 de Abril de 2005 às 15:51
"Ó mar salgado, quanto do teu sal/São lágrimas de Portugal"
E o esplendor dos mapas, caminho abstrato para

a imaginação concreta,

Letras e riscos irregulares abrindo para a maravilha.

Tudo quanto sugere, ou exprime o que não exprime,

Tudo o que diz o que não diz,

E a alma sonha, diferente e distraída.

Ó enigma visível do tempo, o nada vivo em que estamos!

(Álvaro de Campos)

Em vez de navegadores somos náufragos sem cartografia que nos valha.


Comentar post

pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

RESCALDO

ESTADO DA QUESTÃO

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds