Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 6 de Junho de 2005
DECLARAÇÕES (2ªPARTE)

CONTINUAÇÃO do “post” anterior


Também os neo-conservadores norte-americanos proclamam o século XXI como “O Século Americano”. Para assegurar esse domínio, a “Nova Estratégia de Segurança Nacional dos E.U.A”, tornada pública em Setembro de 2002, defende a necessidade do que se denomina “vantagens assimétricas” dos E.U.A no mundo, com o propósito de impedir o aparecimento de qualquer potência regional que possa pôr em perigo a supremacia absoluta – em termos militares e económicos – de Washington. “As nossas forças serão suficientemente sólidas para dissuadir os nossos potenciais adversários de prosseguir um projecto de constituição de uma força militar que possa superar, ou mesmo igualar, a potência dos E.U.A”, refere-se no documento. Este unilateralismo feroz configura um propósito evidente de hegemonia mundial e de ameaça declarada a todos os outros países. O poderio atómico americano aí está para o atestar. Não é por acaso que os E.U.A se recusam a assinar qualquer tratado de limitação de armas nucleares. Mais do que nunca é reafirmada a supremacia militar norte-americana, que ninguém deve ter o atrevimento de contestar. Tudo em nome do poder absoluto dos E.U.A.


Esta estratégia não é nova. Em 1992, Paul Wolfowitz, já então um dos dirigentes mais influentes dos neo-conservadores norte-americanos, num documento destinado a um planeamento futuro da defesa dos Estados Unidos no tempo do governo de Bush sénior, o Defense Planning Guidance,– publicados à revelia no New York Times e no Washington Post – são estabelecidos os princípios fundamentais da actual doutrina imperial norte-americana. Em primeiro lugar, impedir explicitamente o surgimento de uma superpotência rival, mesmo que seja oriunda dos países que são considerados aliados dos americanos. Para isso é fundamental subordinar, sem contemplações, os ditos “aliados” à liderança americana e esmagar os adversários. Em segundo lugar, não ter quaisquer escrúpulos no desencadear de acções unilaterais, incluindo as militares, sem esperar qualquer consenso a nível diplomático, entendimentos que, de resto nunca poderá passar, na opinião de Wolfowitz, do estatuto de “agrupamentos ad hoc”. Finalmente e por todos os meios disponíveis, a promoção dos “valores americanos”. O objectivo é claro: “exige que impeçamos qualquer poder hostil de dominar uma região cujos recursos poderiam, sob controle consolidado, ser suficientes para gerar poder global”, especificando mais adiante que estas regiões incluem a Europa Ocidental (note-se!), a Ásia Oriental, o território da antiga URSS, a Ásia do Sudoeste”.


William Kristol e Robert Kagan, num artigo da revista Foreign Affairs de 1996, intitularam eufemisticamente esta dominação militarista e totalitária de “hegemonia global benevolente”. Talvez por isso, na capital georgiana Tbilissi, Bush tenha elogiado a denominada “revolução das rosas” de Novembro de 2003 associando-as aos outros sucessos do domínio americano do mundo: “Vivemos uma época histórica em que a liberdade avança, do mar Negro ao mar Cáspio, no Golfo e para lá dele.” Aproveitou, aliás o ensejo, para agradecer o apoio dado pela Geórgia à invasão americana do Iraque.


Tal como a Alemanha nazi pretendia o domínio total da Europa, de que a estratégia fulminante da blitzkrieg foi o principal instrumento numa lógica de guerra total, os E.U.A têm como objectivo o domínio dos recursos energéticos mundiais que alimentem e viabilizem a sua economia predadora e o seu estilo de vida de excesso e desperdício. É que os E.U.A, com 2% das reservas mundiais, consomem um quarto do petróleo produzido a nível mundial, bem como cerca de metade da energia eléctrica. Para isso e sob o pretexto da luta contra o terrorismo, trataram de disseminar bases militares em zonas tão estratégicas como o Médio Oriente, a Península Arábica, a Ásia Central, a Crimeia e o Cáucaso e em países tão relevantes como a Turquia, Israel, a Arábia Saudita, o Iraque, a Geórgia, a Ucrânia, o Uzbequistão, o Afeganistão ou o Paquistão.


Hitler também desejava ardentemente a guerra. Só assim podia ter acesso aos recursos que lhe permitiriam a construção dessa Grande Alemanha. Para isso, não hesitou em ocupar e explorar as riquezas de grande parte do continente europeu. Só nessa lógica agressiva e hegemónica se compreende quer a invasão da URSS, quer a declaração de guerra aos E.U.A quando, já derrotado na Rússia, deu ao governo de Roosevelt o pretexto de entrar na guerra ao lado da Grã-Bretanha. Também Hitler, perante as dificuldades do avanço militar para Moscovo, acaba por deslocar as suas forças mais poderosas para Sul, a fim de ocupar os campos petrolíferos da Crimeia e do Cáucaso. No caminho destes deparou, no entanto, com a resistência inusitada de Estalinegrado. Embora seja grande a diferença dos meios envolvidos e diferentes as situações históricas em causa, os objectivos são idênticos e os métodos semelhantes. Tal como agora, a agressividade militar e a lógica totalitária estão presentes.


A “guerra preventiva” é o eufemismo para a pura agressão – uma vez que não se podem punir crimes que não ocorreram – visando um estado de “guerra permanente”. E, como Ignacio Ramonet lembra, já em Junho de 1941, rompendo o Pacto Germano-Soviético e atacando a União Soviética, os exércitos nazis procederem a uma autêntica “guerra preventiva”. Na época, tal realidade era claramente assumida. Logo em 1935, o Chefe de Estado-Maior alemão, o marechal Ludendorff, defendia sem rodeios de que para a “guerra total” é necessária a concentração total do poder de fogo, implacável em relação às populações civis e às infraestruturas económicas, afastando, desde logo, qualquer consideração ética ou moral. Essa mesma realidade é hoje cinicamente camuflada e, como escreve o think tank neo-conservador Robert Kagan no seu livro Warrior Politics, é preciso “levar a prosperidade às zonas atrasadas do mundo graças à doce [sic] influência imperial da América”. Londres, Estalinegrado, Hiroshima, Hanoi, Bagdad ou Falluja são apenas alguns exemplos desta mesma lógica totalitária, presente ao longo da história recente da humanidade.


Depois dos estados bálticos, Bush seguiu para a Holanda para participar numa cerimónia de homenagem aos 8300 soldados americanos mortos na batalha de Margraten. Quando chegou a Maastricht, uma manifestação não deixava de lembrar ao presidente norte-americano que quem invadiu um país soberano como o Iraque não tinha moral para prestar homenagem aos que morreram na II Guerra Mundial. Sinais dos tempos!



publicado por albardeiro às 11:37
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds