Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quarta-feira, 1 de Novembro de 2017
RESCALDO

Quando Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS, para justificar a moção de censura ao Governo por causa dos incêndios florestais, afirmou “Cabe ao PCP, PS e BE avaliarem se houve ou não falhas e se a morte de cem pessoas é grave.”, está tudo dito sobre o oportunismo político da iniciativa e a suprema hipocrisia daqueles que, mesmo tendo tido responsabilidades diretas no setor, nunca quiseram saber dos males que afetavam a floresta e de que resultaram – a par de uma inenarrável incompetência e falta de meios no seu combate (pese embora uma situação de extrema atipicidade climática) – as tragédias invocadas. Recorde-se, a título de exemplo, a extinção, pela então Ministra da Agricultura e atual dirigente do CDS, Assunção Cristas, precisamente da Secretaria de Estado das Florestas e da Autoridade Florestal Nacional, organismos que tutelavam a gestão e defesa da floresta e que procuravam garantir condições tão essenciais como a limpeza dos matos, o ordenamento florestal, a vigilância contra incêndios, etc. Bem como a redução, pela mão de Cristas, de dois terços dos funcionários do ministério da Agricultura, precisamente daqueles que estavam no terreno, junto das populações (como aconteceu, de resto, com a extinção dos guardas florestais). Ou, para o efeito, da liberalização da plantação de eucaliptos, apadrinhada pelo seu ministério.

A impostura é tanto maior quanto os partidos que agora censuram o Governo, CDS e PSD, têm sido defensores e promotores estrénuos precisamente das políticas de “litoralização inexorável” de que falava Miguel Portas (E o resto é paisagem, Lisboa, Dom Quixote, 2002, p. 21), oscilando entre a voragem urbanizadora, o deslumbramento terciário ou a simples rapina de um território transformado em autêntica coutada de caça. Referimo-nos ao desaparecimento, induzido em larga escala, de todo o tipo de atividades económicas e oportunidades de emprego, nomeadamente pelo encerramento sistemático dos serviços públicos (escolas, centros de saúde, estações de correio, bancos, transportes, até serviços de finanças) que, não permitindo a fixação das populações nas suas localidades, fomentaram uma alarmante desertificação humana das regiões do interior e o subsequente abandono das terras, doravante pasto fácil da fúria incendiária. Não sejamos ingénuos; foi este deslaçar das comunidades rurais, subsumidas aos propósitos predadores da indústria extrativa – por exemplo, com a expansão incontrolada de monoculturas tão lesivas para o ordenamento do território e para o ambiente quanto sumamente rentáveis para os interesses privados de uns poucos – e da especulação imobiliária desenfreada – pela venda de enormes parcelas do território a interesses exógenos, quantas vezes estrangeiros – que fez a fortuna de muita da clientela desses mesmos partidos que agora choram “lágrimas de crocodilo”.

O diagnóstico certeiro de José Pacheco Pereira, não deixa dúvidas: “um dos aspetos que mais aceleraram a devastação do interior foi o processo de privatizações conduzido pelo Governo Passos-Portas que implicava um conjunto de obrigações de caráter nacional, em que umas ficaram no papel e outras não, apenas entregues à boa vontade das novas empresas privadas.” (Público, 28/10/2017). Trata-se, para além da deterioração generalizada dos serviços contratados, das pequenas – afinal, grandes! – necessidades de manutenção dos espaços, da limpeza dos locais de passagem das linhas de energia, do contacto diário com as populações, da possibilidade de ajuda próxima, do conhecimento do terreno que grandes empresas como os CTT, a EDP ou a REN, pura e simplesmente, deixaram de prestar, ajuramentadas que estão ao sacrossanto lema do “lucro máximo com o custo mínimo”.

Inverter estas políticas é uma necessidade. Entre a miserável e folclórica ruralidade salazarista e a obsessão urbanocrata da modernidade neoliberal, há de haver, com certeza, outros caminhos. Como disse o economista José Reis, “Estes fogos apenas descarnaram o país esquelético que fomos criando. Mataram os mais indefesos.” (Público, 20/10/2017). Para o professor catedrático coimbrão, temos que “Esquadrinhar o território onde crescem árvores e arbustos com a mesma força com que se esquadrinhou o campo para os loteamentos urbanos. (…) Mas é preciso querer. Querer mudar o país todo, do qual temos andado distraídos.” Criar condições para que as populações (nomeadamente as mais jovens) possam permanecer nos seus locais de origem, rejeitar as monoculturas (por exemplo de eucalipto e pinheiro), incentivar uma agricultura sustentável (ambiental e economicamente), promover um verdadeiro ordenamento do território, transferir recursos (humanos e materiais), conhecimentos, tecnologia para esse “outro lado” do país, são urgências nacionais.

Porque, como bem explicou Eduardo Lourenço, “Portugal é um tecido histórico-social de malha cerrada, uma aldeia de todos, uma parentela com oito ou mais séculos de coabitação, uma árvore genealógica comum” (Eduardo Lourenço, Nós e a Europa, ou as duas razões, Lisboa, INCM, 1988, p. 13). Este país escreve-se no singular; é pequeno demais para ser assimétrico. Não faz sentido falar de um litoral e de um interior. Se os responsáveis políticos compreenderem esta urgência, serão muito mais estadistas do que tem revelado o deplorável espetáculo da beijoquice pública.

 

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 23:52
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Fevereiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


posts recentes

UM OUTRO MUNDO

COMEMORAÇÕES

PODE ALGUÉM SER QUEM NÃO ...

RESCALDO

ESTADO DA QUESTÃO

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

arquivos

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds