Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quinta-feira, 8 de Junho de 2017
A MENTIRA

Em finais de abril, passaram os primeiros 100 dias da governação Trump. E se a ação da atual Administração americana é um tema recorrente de análise e preocupação globais, esta espécie de obsessão indicia uma compreensão precisa do que o trumpismo representa em termos americanos e das suas consequências a nível mundial. Longe de ser um epifenómeno, “Tudo é interessante no «momento» Trump. Quase tudo é perigoso em Trump. Nada vai ficar igual com ele e nada vai ficar igual depois dele. Quase tudo muda com ele.”, como refere o historiador José Pacheco Pereira (Público, 25/3/2017). Ora, um dos traços característicos do poder instalado na Casa Branca é o da manipulação e uso constante da mentira ao serviço da prepotência e do nepotismo.

Caracterizando-o como “o Presidente da «nova ignorância» […], um misto de troll, de figurante de um reality show especialmente bully, um artista de variedades e um con man, um vigarista.”, Pacheco Pereira refere que a mentira a que constantemente recorre é nele sistémica e não uma qualquer disfunção patológica. Trump e os “seus” põem a verdade ao serviço da convicção e de um poder que se quer incontestável e absoluto, “uma revolução autocrática, feita à volta de um homem sem qualidades”, concluindo, “Todos os dias há uma ameaça, todos os dias há uma decisão associada a uma ameaça. E é essa exibição de motivos e de explicações que é autocrática, porque sem grandes subtilezas revelam um homem disposto a tudo para impor a sua vontade, a começar pelas regras escritas e não escritas da democracia.” (Público, 13/5/2017).

Ao 99º dia da sua presidência, Trump confessou numa entrevista à Reuters, “Pensava que isto ia ser mais fácil. Aqui tenho muito mais trabalho do que tinha antes”, queixando-se que nunca antes um Presidente dos EUA tinha sido tão maltratado quanto ele. Mas o seu estilo de governo por decreto executivo (em 100 dias, assinou mais de 30), sem a busca de qualquer negociação ou consenso legislativo junto do Congresso ou do Senado, são bem elucidativos do despotismo desta governação. Tal como a comunicação direta que estabelece com o seu país e o mundo através do Twitter, prescindindo dos meios de comunicação tradicionais, que acusa de serem mentirosos e incorretos – “o inimigo”, como os classificou o seu conselheiro Steve Bannon. A corte de adoradores e de oportunistas que aproveitam o desvario desta personalidade medíocre e doentia, aplaude.

Como justamente refere o jornalista Alexandre Martins, “Trump não tem apoiantes: tem adeptos. E dos ferrenhos – que não viam a sua equipa ganhar desde que nasceram (e já nasceram há muitos anos). Para muitos, a eleição de Trump não foi uma vitória – foi uma vingança.” (Público, 29/4/2017). Uma vingança de cariz populista, nacionalista, segregacionista, xenófoba e racista. A promessa de Trump é que a sua administração terá “sucessos tremendos”. É aqui que entra a manipulação comunicacional. A começar pela gigantesca falácia com que se apresentou ao eleitorado, como o paladino dos mais fracos e desprotegidos contra os ditames da finança e da globalização, contestando o sistema instalado e os interesses obscuros do poder de Washington. Ora se há alguém que sempre simbolizou os proveitos multimilionários da mais extremada exploração capitalista, que sempre pautou a sua ação pela total falta de escrúpulos e de consideração para com os outros (e, em primeiro lugar, para com os mais desfavorecidos), que na sua arrogância egocêntrica quebrou todas as regras e engendrou os esquemas mais extraordinários para uma afirmação pessoal exacerbada, essa personagem é, sem dúvida, Donald Trump. Assessorado pelos familiares, são os seus negócios particulares que continuam a ser administrados a partir da Casa Branca, com óbvias e acrescidas vantagens. Em termos de interesses obscuros do poder, estamos conversados. E, em jeito hamletiano, podemos seguramente dizer que “há mais coisas entre o céu e a terra do que sabemos”.

O Nobel da Economia em 2008, Paul Krugman, atribui o sugestivo título “Os factos são inimigos do povo” ao seu artigo de opinião publicado na Visão (16/3/2017), dando um exemplo suficientemente esclarecedor desta paranoia no uso da mentira enquanto instrumento privilegiado de inculcação doutrinária e de poder discricionário do trumpismo. Durante o segundo mandato de Obama, a taxa oficial de desemprego situou-se abaixo dos 5%, com a economia americana a conseguir criar 10,3 milhões de empregos, ou seja, 214 mil por mês. Apesar desta evolução positiva, comprovada por todos os indicadores, Trump considerava que estas notícias eram “treta”, insistindo na tese do desemprego em massa e num cenário de catástrofe social – argumentos, de resto, amplamente divulgados e com os quais conseguiu convencer largas camadas da população e acabar por vencer a corrida à Casa Branca. Quando recentemente foi conhecido o primeiro relatório da Administração Trump referente ao emprego, a mesma tendência mantinha-se. Perante tais resultados, não só Trump chamou a si os louros dos números existentes, como o seu diligente secretário de imprensa, Sean Spicer, se apressou a declarar “podem ter sido treta no passado, mas são muito reais hoje”. Esta é a mesma desfaçatez e desonestidade intelectual das inúmeras declarações falsas de Trump, como a da sua tomada de posse ter tido a maior assistência de sempre ou que houve milhões de votos contabilizados ilegalmente a favor de Hillary Clinton. Krugman conclui: “Os repórteres riram-se – e deviam ter vergonha de se terem rido. Porque não foi uma piada. Os EUA são hoje governados por um Presidente e um partido que no fundamental não aceitam a ideia de que há factos objetivos. Em vez disso, querem que toda a gente aceite que a realidade é o que eles disserem que é.” Ou seja, o princípio do poder ditatorial em todo o seu esplendor!

Outro exemplo particularmente elucidativo são as imputações de espionagem que faz ao seu antecessor. No início de março, Donald Trump twittou mensagens a acusar Barack Obama de lhe ter instalado escutas nos últimos dias da campanha eleitoral: “Terrível! Acabo de descobrir que Obama me pôs sob escuta na Trump Tower mesmo antes da vitória.” Estas alegações extremamente graves foram prontamente desmentidas por Jason Chaffetz, o congressista republicano que lidera a Comissão de Supervisão da Câmara de Representantes, o mais importante órgão de investigação do Congresso norte-americano, que revelou não ter quaisquer provas de que tal tenha acontecido. No mesmo sentido, o então diretor do FBI, James Comey, solicitou ao Departamento de Justiça para rejeitar, de forma oficial, as acusações feitas por Donald Trump, pois eram comprovadamente falsas e deveriam ser retiradas. Pelo contrário, o que os serviços secretos norte-americanos têm reiteradamente vindo a constatar são informações que apontam para ligações entre membros da equipa de Trump e o regime de Vladimir Putin, suspeito, desde o início, de ter interferido nas eleições que levaram o magnata americano ao poder. Foi certamente pelo avolumar destes indícios que Trump despediu James Comey da direção do FBI, tal como já tinha afastado liminarmente a procuradora geral interina Sally Yates quando esta avisou a Casa Branca das ligações de Michael Flynn – o indigitado conselheiro nacional de segurança de Trump, recorde-se – aos interesses russos (que acabou por ser afastado sob pretexto pueril de ter omitido essas ligações a Mike Pence, o vice-presidente americano).

Alimentando-se dos “factos alternativos”, expressão que a solicita conselheira para a imprensa da Administração Trump, Kellyanne Conway, inventou para encobrir a mais descarada mentira acerca do delirante massacre de Bowling Green – supostamente perpetrado por dois iraquianos e que, de facto, nunca aconteceu –, exacerba-se a retórica maniqueia do amigo-inimigo, aquela mesma que o jurista germânico de simpatias nazis, Carl Schmitt, teorizou nos finais dos anos 20 do século passado. Rejeitada qualquer informação vinda dos que são considerados “inimigos”, isto é, de todos aqueles que não estão de acordo com as suas ideias – incluindo a maior parte dos órgãos de comunicação social norte-americanos –, Trump e os seus apoiantes alimentam-se em exclusividade das informações em que acreditam e que apenas servem para confirmar crenças adquiridas, independentemente da sua veracidade, numa permanente – e militante – manipulação da realidade que configura um universo ideológico autocentrado, próprio das lógicas totalitárias.

O comportamento do Presidente e da sua Administração perante os meios informativos, é, de resto, esclarecedor. Desde as conferências de imprensa em que Trump decide quem pode e quem não pode falar (proibição que inclui a incontornável CNN), até aos briefings de imprensa na Casa Branca, em que os principais órgãos noticiosos, como a prestigiada agência Associated Press, costumavam ter a primazia nas intervenções e que agora são propositadamente relegados para segundo plano (e para uma altura em que já não há tempo para as respostas solicitadas), preteridos em favor de obscuros tabloides pró-Trump como o New York Post, Washington Examiner, National Review ou LifeZette, , sítios web como o Breitbart News, Townhall, Gateway Pundit, Infowars ou The Daily Caller, ou canais televisivos como a Fox News ou a One America News (cf. Le Courrier International, ed. port., maio de 2017).

Com Trump, passamos, com efeito, a outro patamar de manipulação; é que, segundo Paul Krugman, “Nenhum erro é admitido. E não há nunca nada de que pedir desculpas.” (Visão, 6/4/2017). O economista norte-americano explica que “Esta Administração opera com base na doutrina da infalibilidade de Trump: nada que o Presidente diga está errado, quer seja a sua falsa alegação de que ganhou o voto popular ou a sua asserção de que a taxa de homicídios, historicamente baixa, é uma taxa recorde.” Sublinhando “a incapacidade patológica de Trump para aceitar responsabilidades”, Krugman refere, em relação ao Presidente e ao seu círculo próximo, que “Admitir um erro marcá-los-ia como vencidos e fá-los-ia parecer pequeninos. Na realidade, a incapacidade para refletir e fazer autocrítica é a marca de uma alma pequena – mas eles não são suficientemente grandes para ter noção disso.”

A este propósito, não podemos deixar de nos lembrar das palavras do ministro da propaganda nazi Joseph Goebbels sobre a sistemática utilização da mentira pelo regime nacional-socialista, num discurso proferido a 10 de setembro de 1936: “a mentira desconcerta os homens honestos e amigos da verdade, de forma a incapacitá-los para a resistência interior… O mentiroso especula com o facto de o homem amante da verdade não poder sequer imaginar que se possa mentir assim, com a ousada e insolente naturalidade com que ele o faz” (cit. em Vicente Romano, A Intoxicação Linguística, Porto, Deriva, 2008, p. 58). Sabe-se também que a técnica de distorção da verdade mais utilizada pelo regime nazi enquadrava-se no que se pode designar por “mentira afirmativa”, de que são exemplos declarações como “Nós dizemos a verdade”, “Nós temos o verdadeiro socialismo”, “Salvámos a Alemanha do bolchevismo”, “Nós queremos a paz autêntica” ou “Libertámos os operários alemães” (op. cit., p. 58), justificando a invasão da Polónia em 1939 – que deu início à II Guerra Mundial – com a alegada defesa contra uma agressão externa inexistente. A analogia assusta, não é?

Na sua perplexidade, o humorista Ricardo Araújo Pereira confessa, “Acredito que os americanos tenham ido à Lua. Ainda tenho dúvidas que tenham eleito Donald Trump.” (Visão, 4/5/2017). Nós também!

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 23:48
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds