Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 6 de Novembro de 2016
A LIÇÃO

A eleição de António Guterres para Secretário-Geral da ONU constituiu, para todos os efeitos, uma inestimável lição. E nem sequer se trata apenas da pessoa em causa, embora sejam notórios os méritos do personagem – que a generalidade das opiniões e a sucessão de votações praticamente consensuais atestaram de forma inquestionável – depois de dez anos exemplares como Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados. Trata-se sobretudo dos mecanismos que este procedimento eleitoral desencadeou e dos processos político-diplomáticos que revelou.

Antes de mais, o inédito processo plebiscitário adotado para a escolha do responsável pela ONU, a mais importante organização planetária, que já passou os 70 anos de existência. Saúda-se a possibilidade, agora encetada, de escrutínio público dos candidatos à nomeação, com audições perante a Assembleia-Geral. E a este impulso democrático, acresce a circunstância da candidatura de António Guterres, que não foi promovida por nenhuma das potências mundiais, acabar por recolher a unanimidade dos seus votos no Conselho de Segurança, o que significa uma indiscutível opção pelo mérito em detrimento do habitual tráfico de influências e dos mais ou menos obscuros jogos de poder. Talvez porque Guterres, ao recusar superioridades civilizacionais – mas nunca pondo em causa valores universais imprescindíveis –, tenha pautado a sua atuação à frente da ACNUR olhando para o mundo a partir da perspetiva dos “outros” (exemplo disso é a colaboração de duas grandes universidades egípcias na definição de conceitos para lidar com a ingente questão dos refugiados).

Depois, a extraordinária atuação dos responsáveis de uma União Europeia que – fica agora amplamente demonstrado – acaba por não ser nem uma coisa, nem outra. O “valor da transparência”, como se lhe referiu Manuela Ferreira Leite em artigo no Expresso (8/10/2016), permitiu que o talento se sobrepusesse, pelo menos por esta vez, à conveniência dos poderosos e dos interesses instalados. E estes foram revelados desde cedo: os dois requisitos artificial – e explicitamente – considerados indispensáveis eram ser uma personalidade oriunda da Europa de Leste e ser uma mulher. Se a segunda condição equivalia a um feminismo de pacotilha – tão machista como o dos homens – que põe o sexo à frente da competência (curiosamente, a ACNUR sob a gestão de Guterres era a única agência da ONU onde existia paridade entre homens e mulheres), a primeira tem a marca indelével da ação germânica que, desde a sua reunificação, transformou a parte leste da Europa na sua coutada de caça (basta ver o papel intempestivo e profundamente desestabilizador que teve, desde logo, no desmoronar da Jugoslávia e no eclodir da guerra dos Balcãs, nos finais do século passado, até ao seu recente envolvimento na questão ucraniana, bem como no seu apoio aos regimes “musculados” da Polónia e da Hungria).

A vice-presidente da Comissão Europeia, a búlgara Kristalina Georgieva, cumpria os dois desideratos invocados e servia às mil maravilhas a estratégia manipuladora da chanceler Angela Merkel, que contava com o apoio da Comissão Europeia (cujo chefe de gabinete do próprio presidente Jean-Claude Juncker, o alemão Martin Selmayr, se apressou a confirmar publicamente, ao escrever no twitter que a escolha de Georgieva seria um “orgulho para os europeus”), bem como do Partido Popular Europeu. Mesmo quando a Alemanha tinha prometido neutralidade a Portugal relativamente aos candidatos à liderança da ONU. Não importava que fosse uma candidatura de última hora, eivada de oportunismo político e que se havia furtado a todo o exigente processo de escrutínio a que tinham sido sujeitos os restantes candidatos. Importava, para a Alemanha, assegurar a cumplicidade fiel de uma agente oriunda de um velho país aliado (desde a I Guerra Mundial, recorde-se), a Bulgária, que pudesse facilitar a sua maior aspiração política desde a II Guerra Mundial: ser membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas e ter capacidade de voto – e de veto – sobre as grandes questões internacionais, passando a poder influenciar diretamente os destinos do mundo.

Do que se sabe, e conforme noticiou o Expresso do passado dia 8 de outubro, Bruxelas fez lóbi a favor de Georgieva, tendo instruído nesse sentido os seus representantes nas capitais dos 15 países membros do Conselho de Segurança. A humilhação da candidatura de Georgieva, numa derradeira votação em que foi das menos sufragadas (conseguindo apenas atingir o 8º lugar em 10 candidatos sujeitos à votação) e a enorme derrota da estratégia alemã (não por excesso de amadorismo, mas por evidente arrogância de uma ambição imperial desmedida), obrigaram a Comissão Europeia à mais descarada mentira, tendo o seu porta-voz, o grego Margaritis Schinas afirmado ao Expresso que a “Comissão não desempenhou nenhum papel no processo de seleção e não tinha nenhuma preferência relativamente aos candidatos”. Elementos da equipa diplomática de Guterres não deixaram de sublinhar, sob anonimato, que a atitude alemã constituiu “um ato deliberado de uma potência que pôs os seus interesses à frente dos demais e quis fazê-lo segundo as suas próprias regras”, lembrando que “a União Europeia mostrou que não tem peso no mundo e a Alemanha viu recordado que a ONU nasceu da sua derrota” (Expresso, 8/10/2016). Nem mais!

O resultado deste processo foi excelente para as Nações Unidas e péssimo para a coesão europeia. Como justamente assinalou a jornalista Teresa de Sousa, “Se a Europa não se consegue entender sobre o candidato a liderar a ONU, também não se conseguirá entender sobre o seu papel e o seu lugar no mundo.” – para concluir – “A Europa consegue dar tiros no pé, mesmo quando nem sequer seria necessário sacar da pistola.” (Público, 7/10/2016). Cada vez mais remetida para a condição de “Velho Continente”, na desencantada opinião de Viriato Soromenho-Marques, “A Europa está à deriva. É um corpo sem cérebro, possuído pela pulsão da fragmentação. Constitui um fantástico potencial de desordem política e económica internacional.”

 

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 21:56
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds