Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 9 de Agosto de 2014
INSTANTÂNEOS

No passado dia 24 de julho, a agência norte-americana Moody’s anunciou que iria rever em alta a notação de Portugal de “Ba2” para “Ba1”, colocando a dívida portuguesa a um grau apenas de deixar a categoria “lixo” (ou seja, aquela que é considerada como “investimento especulativo”), premiando o que os financeiros norte-americanos consideram ser o compromisso do Governo português com os objetivos da consolidação orçamental, eufemismo usado para caracterizar as condições draconianas impostas ao país pelas instituições internacionais. Compreende-se a distinção. A política da coligação PSD/CDS não tem sido outra senão a de empobrecer os portugueses para garantir lucros acrescidos aos especuladores financeiros nacionais e sobretudo internacionais.

O extremar das desigualdades sociais está, aliás, bem atestado pelos dados apresentados em junho, no jornal Público (9/6/2014), a partir da informação prestada pelas próprias empresas à CMVM no ano passado, que mostra que a diferença de salários entre trabalhadores e gestores das empresas cotadas no PSI20 é abissal e verdadeiramente escandalosa (note-se que não só estes são os rendimentos base, como aqueles que foram declarados!). Por exemplo, para ganharem o salário médio anual de um funcionário, presidentes executivos só precisam de trabalhar 10 dias e sete horas. O pódio das diferenças salariais é ocupado, em primeiro lugar pela Jerónimo Martins, seguido da Sonae e, em terceiro lugar, a PT. Pedro Soares dos Santos, administrador delegado e presidente do conselho de administração do grupo que é dono dos supermercados Pingo Doce, ganhou a módica quantia de 951.750 euros em 2013, ou seja, quase 108 vezes mais que o ordenado médio dos trabalhadores da empresa (apesar disso, este é apenas o quinto gestor mais bem pago do índice nacional). Segue-se Paulo de Azevedo, administrador da Sonae, cujo salário é 91,5 vezes superior ao ordenado médio dos seus 39.951 trabalhadores. No caso da PT, Zeinal Bava, ganhou 44 vezes mais do que a média dos seus mais de 12 mil empregados, recebendo 1,013 milhões de euros. No topo da lista está o líder e dono da Semapa, Pedro Queiroz Pereira, como o mais bem pago: ganhou 1,7 milhões de euros no ano passado.

Um dia depois da agência de notação financeira Moody’s ter anunciado a sua intenção, a ONU alertava para a possibilidade da regressão de Portugal no Índice de Desenvolvimento Humano (41º lugar em 187 países), muito por culpa, precisamente, dos sistemáticos cortes no investimento público, em particular ao nível da educação e da saúde, bem como da elevada taxa de desemprego. No relatório agora publicado e referente ao ano de 2013, intitulado Sustaining Human Progress: Reducing Vulnerabilities and Building Resilience, os técnicos da ONU não têm dúvidas em considerar que “A austeridade cria um ciclo vicioso”, que aumentando a pobreza e a dependência económica, potencia as iniquidades sociais, que constituem “um obstáculo ao crescimento sustentável e aumentam o risco de crises económicas e financeiras” (Público, 25/7/2014). Conclusões que, de resto, estão em consonância com as críticas que organizações insuspeitas fizeram recentemente às políticas públicas para o combate à pobreza (que atinge duramente 20% dos nossos compatriotas), como a Cáritas Portuguesa ou a Rede Europeia Anti-Pobreza.

Há um outro estudo internacional que merece atenção. Trata-se do trabalho intitulado A Surplus of Ambition: Can Europe Rely on Larger Primary Surpluses to Solve its Debt Problem?, do economista norte-americano Barry Eichengreen e do italiano Ugo Panizza, que analisa a estratégia da Europa para resolver o problema da dívida pública na zona euro, concluindo que o excedente orçamental primário (excluindo os juros) necessário para Portugal resolver o seu problema financeiro só seria possível atingir se se verificasse uma média de 5,9% do PIB durante os dez anos que decorrerão entre 2020 e 2030, sendo que só neste último ano se alcançaria a sustentabilidade da dívida pública portuguesa. A partir dos dados de 54 países desenvolvidos ou emergentes entre 1974 e 2013, os autores concluem que só três países conseguiram circunstancialmente atingir PIB’s desta ordem de grandeza: a Bélgica em 1995, antes da existência do euro, a Noruega em 1999, sobretudo devido às receitas da exploração do petróleo do Mar do Norte, e Singapura em 1990, cidade-Estado asiática que, por razões óbvias, não será certamente um modelo de governação para os países europeus. Ora se o que é exigido a Portugal é uma meta de 5,9% durante uma década, parece evidente que essa meta é, pura e simplesmente, impossível de alcançar. Ainda para mais quando algumas das condições essenciais para atingir tal desiderato são, segundo estes autores, um crescimento económico forte e um saldo positivo com o exterior (com taxas de poupança elevadas), o que está fora de qualquer horizonte minimamente credível de evolução da economia portuguesa. Por isso, em entrevista ao Público (27/7/14), o professor da Universidade da Califórnia, em Berkeley, Barry Eichengreen, só vê dois cenários possíveis para Portugal: ou uma subida da taxa de inflação determinada pelo Banco Central Europeu e um maior apoio orçamental ao crescimento por parte da Alemanha (o que representaria uma total inversão das atuais políticas económicas europeias), ou a reestruturação da dívida.

A questão da dívida nacional é sintomática do que está em causa. O Governo e os partidos que o apoiam apostam numa estratégia que não passa de um embuste. Fingem cumprir os compromissos internacionais com a promessa do pagamento de uma dívida que se sabe que é impagável, pelo menos nas condições e montantes que a transformam em pura e simples extorsão. Degradando as condições de vida das pessoas, mas assegurando a prosperidade dos negócios, os “mercados” têm, no entanto, a garantia de que tudo acabará bem!



Hugo Fernandez





publicado por albardeiro às 21:21
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

RESCALDO

ESTADO DA QUESTÃO

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds