Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 12 de Novembro de 2013
O BLOQUEIO

 

Depressa o poder político as procurou esquecer. Mas as eleições autárquicas de setembro último constituíram um acontecimento decisivo de que é impossível não tirar consequências. Toda a retórica desvalorizadora – a bem dizer, em desespero de causa – dos membros do Governo e da coligação que o apoia, não consegue esconder a “lufada de ar fresco” (palavras de Pacheco Pereira, em entrevista ao Público) que estas significaram. Com efeito, para o historiador, “Ao fim de dois anos de inevitabilidade que põe em causa a política em geral e, desse ponto de vista, põe em causa a democracia, irromperam eleições que representam uma lufada de ar fresco e o retorno da liberdade e da democracia.”, concluindo que “estas eleições autárquicas foram das mais interessantes desde o 25 de Abril.” (Público, 6/10/2013). Assim, sem hesitações!

            De facto, para além da enorme penalização dos partidos no poder (e que se estendeu a partidos do “sistema”, como o PS, com a perda de largas centenas de milhares de votos) as últimas eleições foram o ajuste de contas dos portugueses com o que há de pior na política nacional: a lógica aparelhista e os seus apparatchik (vide Luís Filipe Menezes, Fernando Seara, Abreu Amorim, Pedro Pinto ou Moita Flores), e toda a proliferação despudorada de sinecuras, as teias de compadrios clientelares, as quebras reiteradas de compromissos eleitorais, a banalização da imoralidade e, talvez mais importante que tudo, a tentativa de estupidificação das populações através da mentira grosseira. Esta é uma forma suprema de hipocrisia que José Gil denuncia como uma verdadeira “patologia do país”: “Ao negar-nos a possibilidade de pensar, a demência deste poder está aos poucos – cêntimo a cêntimo – a fazer desaparecer uma comunidade.” (Visão, 24/10/2013).

Por outro lado, significou a tomada de consciência cívica perante os pântanos autoritários e o desplante populista, como foi principalmente o caso da Madeira e aquilo que parece ser o começo do fim do consulado de Alberto João Jardim e, principalmente, do fenómeno sociológico e político do jardinismo. Acresce que o significativo aumento dos votos em branco e votos nulos (as abstenções nunca poderão ser consideradas, já que, não expressando uma opinião, são antes uma desistência da cidadania) representam uma clara atitude crítica face ao sistema político-partidário existente, que tem sido largamente dominado pelo PS e pelo PSD, atitude comprovada igualmente pelo êxito das candidaturas independentes, de que a cidade do Porto constituiu exemplo paradigmático. Com efeito, se somarmos os votos brancos, nulos ou em candidaturas independentes, essa percentagem ultrapassa, em muitos municípios, os votos obtidos pela generalidade dos partidos com assento parlamentar. Isto não significa uma crise de representação política, nem uma demissão cívica dos cidadãos. Pelo contrário. Significa uma vontade de participação que ultrapassa largamente o espetro partidário existente e assume formas inovadoras e, porventura, mais genuínas de “fazer política”. Porque, convenhamos, a alternativa entre Passos Coelho e António José Seguro nas eleições de 2015 (se não for antes!), é uma perspetiva profundamente confrangedora e um cenário de verdadeiro pesadelo.

            As eleições autárquicas foram também um ajuste de contas com uma ditadura financeira que pretendeu relegar a política e a democracia para segundo plano. Não faz pois sentido a afirmação de Passos Coelho, “Se eu falhar, é o país que falha”. Não, não é. É ele e a sua cruzada neoliberal que falham… e para o bem de todos! Como certeiramente alegou José Pacheco Pereira na sua habitual crónica no Público (12/10/2013), o prometido “sucesso” não significará mais do que “o congelamento de um país empobrecido até aos limites aceitáveis pela União Europeia – que são muito mais elásticos do que se pensa – destinado a fornecer um mercado para o sol de verão e mão de obra barata, com enormes diferenças sociais, e governado pela burocracia de Bruxelas e pela nossa elite colaboracionista.” São, aliás, sabidos os resultados dramáticos a que nos conduziram, ao longo da nossa história, putativos salvadores da pátria e iluminados que, julgando carregar o destino coletivo, tolhem o país com o manto da sua mediocridade e mesquinhez. Todos eles, de resto, demonstraram uma indisfarçável vocação totalitária baseada em supostas “inevitabilidades”, no “caminho único” e nas “verdades inquestionáveis”, esquecendo que em democracia a pluralidade de pontos de vista exige o permanente debate das soluções, que não existem tabus, que há sempre alternativas.

            A pronta menorização do significado destes resultados eleitorais e a recusa em daí tirar as devidas ilações, se pode ser reconfortante para o poder (através da conhecida – e apenas dilatória – estratégia de meter a cabeça na areia), pode igualmente ter um efeito potenciador da revolta contra o governo, se a população constatar que não há qualquer mudança das políticas seguidas e que o seu voto poderá ter sido em vão. Ninguém gosta de não ser levado a sério. A menorização das pessoas e o desprezo pela sua opinião traz sempre maus resultados. E não é a tecnocracia troikista ou os sacrossantos “mercados” que conseguirão transformar a democracia em “democratura” – conceito que, muito a propósito, o politólogo José Adelino Maltez usou para designar “uma democracia sem povo” (Diário de Notícias, 16/10/2013). É, por isso, fundamental atentar nas lúcidas palavras de José Pacheco Pereira, quando este afirma que “O bloqueio político é o maior problema de Portugal, maior do que o défice e do que a dívida” (Público, 27/10/2013).

Hugo Fernandez

 



publicado por albardeiro às 18:16
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds