Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 25 de Outubro de 2011
O almocrevedaspetas tem notícias

 O MONSTRO

 

 

"Princeps legibus solutus

Nesta insultuosa contenda sobre a "crise", onde o malabarismo verbal convida muitos gênios e tudólogos da felicidade económica - quase todos ex e actuais funcionários públicos (como o inefável Eduardo Catroga ou o funcionário público VPV) -, a perorar o amanhã que pronunciará a eficiência económica indígena (com Musgrave, claramente, alheio a essa douta actividade de afectação e estabilização de recursos) e a pensar os bens públicos e o nível da sua despesa (e como mediram o seu output? Oh! respeitáveis sábios) com atrevidos óculos "libarais", a nossa putativa remissão será sempre essa comédia ingénua (ou esse cavar de vida) de a tudo isso complacentemente assistirmos, provincianos que somos.

O túmulo que nos espera, fruto desse fervor neoliberal talhado por um curioso grupelho provocatório & de ambição desmedida, cerra (de vez) a nossa incontornável falta de assombro cívico, de vigor para com o progresso e a evolução social e ornamenta a nossa frontaria duma colossal falta de liberdade e exercício cívico, liberdade essa que, aliás, nunca soubemos (ou quisemos) exercer. O cortejo fúnebre do rebanho dos eleitores da governação será (é, já!) colossal.

O enxertado governo (ou agremiação de suicidas) que preside à paróquia age numa vaidade escouceante e total impunidade. Na sua singular agonia, a gerência da fazenda é, em modéstia e por piedosa falha de verve intelectual, administrada por duas figuras aventureiras e obscuras, ambas curveteadas a essa "grande arte de viver" (Cícero) da ortodoxa troika.

Um tacteia a intimidade doméstica do país em sucessivas mentiras programadas (batendo copiosamente o eng. Sócrates) e, em messiânicos discursos (decerto, por modéstia profissional), julga-se o salvador da pátria, numa assombrosa e dissimulada impostura; o outro, o "idiota útil" – aquele que uma vez sublimou o espírito com a leitura de Marx –, enturvado no seu ódio ao Estado e ao funcionalismo público, representa o poder dos burocratas e do grupo de interesse neoliberais. Sem mácula, o belo "idiota útil" assume que a eficiência nos custos da austeridade são os que transportam menores "custos de peso-morto" no mercado político (e que levaria - sem rebuço - ao óptimo de Pareto), pelo que a eficiência e equidade das medidas tomadas contra a canalha do funcionalismo (essa corja!) estariam explicadas, mesmo se a lacrimosa advertência do economista Cavaco Silva (o monstro) o acosse. O belo "idiota útil", na sua mecânica racional e estouvada utilidade métrica da austeridade, poderá destruir o Estado, anestesiar os indígenas, sangrar o país e o que mais lhe aprouver na sua monomania ideológica, mas nunca vergará a liberdade individual de participar na res publica e de assim sermos, com dignidade, homens livres - patiens quia aeternus".

 

 



publicado por albardeiro às 22:43
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 9 de Outubro de 2011
“SUBITAMENTE, NO VERÃO PASSADO”

Suddenly, last summer… a Inglaterra pegou fogo: centenas de lojas saqueadas, dezenas de edifícios a arder, vandalização de equipamentos públicos, confrontos com a polícia, mortos e feridos, enfim, um cenário de guerra pouco comum nestas paragens, numa espécie de remake pós-moderno da blitzkrieg hitleriana. A estupefação foi enorme e produziram-se milhares de comentários sobre um fenómeno aparentemente tão inusitado.

Para uns, tudo não teria passado de uma explosão niilista que juntou o profundo ressentimento social de grupos desapossados de bens e de ética a uma raiva incontida, manifestação acabada, afinal, de um exacerbado “individualismo possessivo” (na consagrada expressão do sociólogo canadiano Crawford Macpherson). Para outros, os acontecimentos ingleses seriam o reflexo, ainda que espontâneo e desorganizado, da revolta social contra o sistema neoliberal instalado no país desde há décadas. Houve também quem não visse nos atos praticados mais do que puro e simples banditismo, um caso de polícia a exigir mais prevenção e, sobretudo, repressão. E, o que é mais curioso, é que todas estas opiniões, por contraditórias que sejam, têm razão de ser, explicando uma parte substancial da realidade.

Numa rápida revista da imprensa portuguesa desse período é possível encontrar exemplos pertinentes e ilustrativos de cada uma das posições enunciadas. Assim, para Viriato Soromenho Marques, os violentos acontecimentos de Londres e de outras cidades inglesas são sintomáticas do estado de desagregação e anomia a que chegaram as nossas sociedades. Baseadas no consumismo desenfreado e no culto da posse como único princípio ético e moral, abandonaram-se as mais elementares noções cívicas de cidadania e, ainda mais, de solidariedade. A satisfação material imediata e a todo o custo, provocou o desaparecimento de qualquer preocupação com o bem comum e com a justiça social na governação colectiva. Para este autor, o que os jovens britânicos mostraram é que “A sua violência egoísta, a sua avidez por tecnologia de ponta, e o seu desrespeito pela propriedade e pela integridade física dos próprios vizinhos, tratados como se fossem alvos a abater num jogo de vídeo, só poderá ser compreendida se percebermos que eles são a caricatura da nossa sociedade consumista (…) que há muito cometeu o pecado mortal de pensar que seria possível fazer da felicidade material a essência e o objectivo da política.” (Visão, 18/8/11). Por isso, uma das principais conclusões a retirar de toda esta situação é que “A captura da política pela felicidade cumpriu-se através do eclipse do cidadão pela figura do consumidor.” Doravante são os desígnios deste último que comandam os destinos da sociedade, que condicionam as opções políticas – elas próprias progressivamente mercantilizadas e vendidas ao melhor preço – que ditam leis sem sentido de justiça mas com sentido de negócio.

Outros enfatizaram a dimensão social dos tumultos, chegando o jornal do PCP Avante! – exemplo particularmente significativo –a intitular “Pobreza incendeia Londres” (Avante!, 11/8/11) numa das primeiras notícias sobre os acontecimentos. Nesta perspetiva, criticava-se sobretudo os efeitos da crise económica e do desemprego galopante, bem como do aniquilamento das políticas de proteção social por parte do governo conservador, levando ao desespero camadas particularmente desfavorecidas da sociedade inglesa que, numa explosão de ira invulgar, teriam atuado com a violência e ódio a que se assistiu. Nesta espécie de jacquerie dos nossos dias, era fundamentalmente o sistema neoliberal dominante que estava a ser contestado, demonstrando de forma cabal o profundo mal-estar de largos setores da população inglesa face à despudorada concentração de cada vez mais riqueza e poder nas mãos de cada vez menos gente.

Uma terceira corrente de pensamento, ainda que de cariz mais controverso, remetia o sucedido para a categoria do mero hooliganismo. As manifestações de saque e vandalismo não passariam disso mesmo, isto é, de ações criminosas. Rejeitava-se mesmo qualquer hipótese de explicação sociológica para o sucedido, alijando-se culpas atribuíveis ao modelo de sociedade estabelecido. Nas palavras de José Manuel Fernandes, “Quando se começa a desculpar «sociologicamente» o crime, deixa-se de perceber o essencial: que numa sociedade civilizada e aberta praticar um crime é sempre praticar um crime, ponto final.” (Público, 12/8/11). Recuperava, aliás, as afirmações do primeiro-ministro inglês, David Cameron, segundo o qual “este não é um problema de pobreza, mas de cultura, uma cultura de violência e de falta de respeito pela autoridade”, retomando a conhecida litania conservadora do excesso de direitos e da falta de responsabilidade.

É certo que os acontecimentos de Inglaterra tiveram um pouco de tudo isto, o que, desde logo, comprova bem a complexidade do ocorrido. Mas o que talvez seja mais chocante no que se passou é a completa desfocagem dos objetivos e procedimentos dos revoltosos, o caráter espasmódico e inconsequente dos seus atos, a completa inconsistência política da revolta. Percebem-se as causas que estiveram na origem dos acontecimentos. Compreende-se o nível de insatisfação atingido. Até pode haver empatia pelas razões invocadas para o efeito. Mas dificilmente se pode aceitar a pilhagem de roupa desportiva e sapatilhas de marca (para impressionar namoradas ou desfilar em alguma festa? Para fazer jogging?), o roubo de ecrãs de plasma (para quê? Para ver as imagens televisivas dos motins em HD?), a vandalização de equipamentos públicos (isto é, para todos!), a destruição de lojas de bairro, o assassinato de vizinhos tão ou mais infortunados que os revoltosos, a insegurança generalizada nos bairros pobres (com efeito, as zonas ricas não foram minimamente afetadas). Não houve um ministério atingido, um membro do governo importunado, uma instituição financeira molestada. Não houve uma ideia, uma reivindicação, um propósito. Nada. Faltou esquerda.

Faltou esquerda na discussão dos problemas, na denúncia das injustiças, na contestação às políticas públicas seguidas, na consciencialização e mobilização das populações, na resistência ao modelo de sociedade imposto, na apresentação de alternativas, em suma, na capacidade de transformar simples motins, em ações revolucionárias. Faltou uma esquerda consequente, responsável e ativa, capaz de ultrapassar a deserção ideológica e perversidade política do New Labour de Tony Blair e Gordon Brown, cuja principal feito consistiu tão só (e com que consequências em toda a Europa!) em amalgamar a social-democracia e o neoliberalismo, como justamente sublinhou o sociólogo britânico Stuart Hall. Faltou uma esquerda que proponha novos caminhos, novas formas de vivência coletiva mais justas e igualitárias, um novo projeto de sociedade. Quando isso acontecer, os interesses e poderes instalados terão razão para se sentir ameaçados. Nessa altura deverão ter medo. Muito medo.

 

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 22:35
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

RESCALDO

ESTADO DA QUESTÃO

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds