Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 13 de Junho de 2011
O meu Avô tinha ideias mais "arejadas"!

Contrapondo ao discurso do Cavaco, aqui vai um texto do JUMENTO... com albarda!

 

O ruralismo como proposta económica de procura da auto-suficiência alimentar não é uma novidade em Portugal, foi um traço dominante do Estado Novo entre 1926 e 1950. Hoje não faria sentido e a sua transposição para um mercado único conduz à necessidade de especialização e de promoção das exportações.
«A principal potencialidade do interior está, no entanto, no espírito que caracteriza as suas populações, as gentes desta terra. A garra indomável e a força de vontade dos Portugueses do interior devem servir de exemplo inspirador para todos nós. A sua frugalidade e o seu espírito de sacrifício são modelos que devemos seguir num tempo em que a fibra e a determinação dos Portugueses estão a ser postas à prova. Não podemos falhar. Os custos seriam incalculáveis. Assumimos compromissos perante o exterior e honramo-nos de não faltar à palavra dada.

É dessa fibra que é feito o nosso orgulho.» [Cavaco Silva, discurso do 10 de Junho]
Também não é novidade o elogio do homem do campo e a absorção por algumas ideologias da admiração pelo homem do campo por comparação com o homem da cidade, todos os que cresceram no antigo regime aprenderam isso com a fábula do rato do campo e do rato da cidade. Esta mistura de ruralismo com ideologias também não é um exclusivo nacional, Mao usou-a quando precisou de aprofundar a ditadura comunista e Pol Pot e os Kmers Vermelhos levaram-na ao extremo no Cambodja. Quando Passos Coelho, em Vila Real, apontou o campo como solução para o desemprego dos jovens imaginei hordas de jovens à rasca das cidades a caminho do campo de enxada às costas, entoando canções revolucionárias tendo à sua frente jovens esclarecidos e de vanguarda da JSD devidamente formados na universidade de Castelo de Vide.
Se bem me recordo os projectos agrícolas do tempo do cavaquismo governamental que melhor simbolizam os governos de Cavaco Silva foram as famosas estufas de Thierry Roussel, o quarto marido da falecida Cristina Onassis, em Odemira e a fábrica de açúcar de beterraba da DAE, em Coruche, ambos próximos do fim do último governo. Como se sabe as estufas receberam os subsídios, intoxicaram os terrenos e depois faliram, pouco mais restou do que os jantares de uma conhecida secretária de Estado de então no veleiro do ricaço, quando este acostava no Cais do Sodré. A DAE recebeu subsídios para ser construída, mal chegou a produzir e voltou a receber subsídios pra deixar de processar beterraba, agora é excedentária, vive de retirar contingentes de ramas às concorrentes e a última vez que deu nas vistas foi quando encheu os hipers de Belmiro de Azevedo com açúcar com cheiro a merda devido a erros no processo de produção e embalagem.
Dizer que se resolve o problema dos jovens desempregados com Trás-os-Montes e uma enxada é ignorar que os jovens dos meios rurais continuam a ir para as cidades. Fazer crer que é fácil aumentar a exportação de produtos agrícolas como resultado de uma aposta nas Beiras é iludir os portugueses.
A agricultura do século XXI já não é a dos anos setenta que Cavaco Silva ajudou a destruir em passo acelerado e desde então nada se apostou nas infra-estuturas, nas redes de comercialização, na investigação. O agricultor da enxada já não existe ou apenas sobrevive na agricultura de subsistência. O agricultor que poderá concorrer com as explorações, espanholas, holandesas ou francesas trabalha com computadores, estufas de alta tecnologia, laboratórios de biologia. As explorações de hoje já não são de mão de obra intensiva e as que carecem dessa força de trabalho, como sucede em Espanha, sobrevivem graças aos emigrantes, as explorações agrícolas de hoje são de alta tecnologia e de capital intensivo, não são estufas de plástico, mão de obra barata e muitos adubos e insecticidas como as do Thierry Roussel.
Sejamos honestos, a crise financeira não se resolve com a venda da RTP a amigo e pelo preço da uva mijona, nem a crise do sector agrícola se resolve com outra campanha do trigo, nem a desmotivação colectiva é resolvida com ruralismos e o elogio das virtudes do rural.
O país está mais moderno do que Cavaco Silva o deixou quando foi derrotado por Jorge Sampaio e é um problema demasiado sério para se pensar que se resolve com tiradas ideológicas confusas e fora do tempo.
 e ainda:
Cavar batatas (http://blasfemias.net/2011/06/13/cavar-batatas/)

Num momento em que Portugal atravessa uma situação particularmente difícil, estabeleceu-se entre os responsáveis políticos um estranho consenso: temos que apostar na agricultura. São os mesmos que disseram que tinhamos que apostar nas auto-estradas, na Expo 98, na construção de estádios, na tecnologia, na educação e no TGV, mas nunca cuidaram de garantir que as apostas seriam sustentáveis. É mais uma de uma longa lista de “apostas”, “prioridades nacionais” e “opções estratégicas”. Desta vez mandam-nos cavar para o campo. A sugestão revela uma grande ignorância sobre as condições de Portugal para a agricultura, sobre o papel da agricultura num país desenvolvido (sempre menos de 3% do PIB) e sobre o princípio das vantagens comparativas. Tenho 2 sugestões, primeiro, não tentem dizer-nos o que fazer, segundo, façam bem o que vos compete.



publicado por albardeiro às 19:40
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 6 de Junho de 2011
O “Reizinho” MORREU

Viva o rei! Vamos continuar subordinados aos ditames da cartilha neoliberal, numa “evolução na continuidade” em que a única esperança que nos resta é a de que a próxima governação não seja tão desavergonhada, irresponsável e medíocre como a anterior. Podemos aliás traçar um impressionante paralelismo histórico com a situação que se vivia em Portugal no final do século XIX e com a acusação que Teófilo Braga fazia ao rotativismo monárquico: “A nação estava morta para toda a resistência; os partidos monárquicos, regenerador e histórico [podíamos perfeitamente substitui-los pelo PS e PSD], alternaram-se periodicamente no poder, em conluio de interesses, e devastaram este país na mais absoluta impunidade, criando essa pasmosa dívida pública, pela qual a nação é responsável até ao ponto de ver em almoeda o seu território. Os partidos estavam conformes em adormecer a opinião pública com um zumbido de frases feitas, com que simulavam o exercício do sistema representativo.” (História das Ideias Republicanas em Portugal, Lisboa, Vega, 2010, p. 87). É, não é!

            De resto, a analogia com o slogan da sucessão dinástica com que intitulamos esta crónica ficará por aqui, já que, verdadeiramente, este rei não reina nem governa. Transformado em mero regente – regente da quinta, a bem dizer! – o futuro primeiro-ministro português apenas irá… a despacho. Será essa a sua função e sobretudo, será essa a sua obrigação. Abdicando da sua legitimidade política e até – o que é bem mais grave – da sua responsabilidade como cidadão nacional e figura cimeira do Estado português, estará inteiramente ao serviço de interesses estrangeiros e do cumprimento das obrigações impostas pela agiotagem internacional. Quanto mais satisfeitos estes estiverem, mais miserável estará o nosso país, pior viverão os portugueses, menos possibilidades teremos de um dia voltarmos a ser soberanos. Mais uma vez, a palavra a Teófilo Braga na denúncia dos responsáveis políticos de então – e de agora!: “Não satisfeitos ainda com a ruína política de Portugal, preparam a derrocada económica, consignando os rendimentos da nação a desvairados empréstimos, assinalando assim o fim do crédito de um país e abrindo as portas à intervenção estrangeira, que não longe virá tomar conta das nossas alfandegas e vias férreas, pondo-nos em tutela como um Egito, para os credores se pagarem por suas mãos e nos espoliarem sob a égide dos seus governos.” (Discursos sobre a Constituição Política da República Portuguesa, Lisboa, SeteCaminhos, 2006, p. 100).

E para mostrar que isto não é simples retórica ou pura demagogia, atente-se na espantosa circunstância assinalada por José Gomes Canotilho numa recente conferência proferida na Universidade Lusíada com o sugestivo título “Crise e Constituição”. Diz o constitucionalista que, para cumprir as exigências da troika económico-financeira do FMI, BCE e CE (e não havendo tempo para uma revisão constitucional), o próximo Governo terá que avançar com um conjunto de medidas legislativas que violam claramente a Constituição da República Portuguesa (e estamos a falar de questões tão fundamentais como o conceito de “despedimento por justa causa”). Invocando a ideia de “salvação pública” ir-se-á governar por meio de decretos ditatoriais, na mais completa impunidade e discricionariedade. Põe-se assim a legalidade entre parêntesis e a democracia… segue dentro de momentos.

Um governo pirata, portanto, a fazer lembrar – e é Gomes Canotilho quem o afirma – os períodos de guerra civil com que Portugal se confrontou ao longo do século XIX.

 

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 13:08
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 1 de Junho de 2011
...ele tem que ser corrido!

O gajo do diploma dominical tem a derrota estampada no rosto e raiva nos olhos. o gajo não não merece só perder, inexoravelmente ele tem que ser corrido,  ele ganhou esse direito, ele conquistou-o. O gajo do diploma dominical não pede desculpas aos portugueses pela huimilhção que vivemos e pelo sofrimento que vamos ter.

Mas ainda não estamos sequestrados!



publicado por albardeiro às 19:44
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds