Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quarta-feira, 30 de Março de 2011
O Jogo da Lerpa!

 

Este grupo de políticos tem em comum o entusiasmo que não consegue inspirar nos eleitores dos seus países respectivos. Não parecem acreditar com grande firmeza em qualquer conjunto coerente de princípios ou políticas. (…)
Beneficiários dos Estados-providência que põem em causa, eles são todos filhos de Thatcher: políticos que superintenderam ao recuo nas ambições dos seus antecessores (…)
Convencidos de que pouco podem fazer, pouco fazem. Deles o melhor que pode ser dito, como tantas vezes sucede com a geração baby boom, é que não defendem nada em particular: políticos light.
Já sem confiança em pessoas assim, perdemos a fé não só nos deputados e congressistas, mas no próprio parlamento e no congresso. Nessas alturas o instinto popular ou é "mandar os malandros para a rua" ou então deixar que façam o pior. Nenhuma das reacções é promissora: não sabemos como mandá-los para a rua, e já não nos podemos dar ao luxo de deixá-los fazer o seu pior. Uma terceira reacção – "derrubar o sistema" – é desacreditada pela sua inanidade intrínseca: que partes de que sistema, e a favor de que sistema substituto? De qualquer maneira, quem é que o vai derrubar?
(Tony Judt, Um tratado sobre os nossos actuais descontentamentos, Edições 70; p.133-4).
DAQUI

 

 

 



publicado por albardeiro às 20:43
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 13 de Março de 2011
O ALMOCREVE disse:

"Chamais-me, Cidadão? Eu aqui estou:
Alas à Liberdade!
Nunca mais pura cauda se arrastou
Nas lages da cidade!
" [Alexandre O’Neill]

Dia curioso e surpreendente. Inchado de liberdade, sonoridades vocais, de movimentos progressivos. Eis Lacan e o grito do recém-nascido, em pura metonímica. Da escuridão destes dias saíram ladrilhos de memorandos, mui ataviados de panfletos em letras redondas. Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Volumosa, autorizada. Cor unum et anima una. E dessas almas, naturalmente lúcidas, brotou uma nova itinerância para todos nós - os condenados às galés da fazenda. É preciso uma grande orgia. Porque foi bonita a festa, pá!

PS:Ah! os cultores corporativos do bloco central já capricharam pequenas maldades. Vieram espumar as suas mazelas, enriquecendo a lexicologia política. O sr. Sócrates justificou o grito da "canalha" com a sua contumaz imaginação cénica. O sr. Augusto SS, resignado, truncou o seu dia de trabalho precário. E o merceeiro Teixeira dos Santos, ao que parece, faz exercícios venatórios ao colo do governo colonial da fuhrer Merkl (nós, atualmente, devemos ser os judeus do novo império dos mil anos!... vai acabar mal, vai!!) . Há ironia e malícia no ar. O dr. Coelhoatrevido no ímpeto e bisonho na praxis - ameaça fulminar qualquer acareação com o regente-engenheiro. Santo Assis ainda não rabujou, vindo do asilo parlamentar. Na verdade, não há vida além do mofo de S. Bento e do facebook do dr. Cavaco. Pelos colunistas, há advertências, sermões & tripas viradas. Há motins literários. A casta & reaccionária Helena Matos (Oh! Labii reatum! Oh! Geração do 69) arrufou, vaidosamente máscula, sumariamente caluniante. Rosariada de náusea (ou sexo de escrita) contra a vida e o seu linguarejar. O dr. Pacheco Pereira, leninista e sem lucidez, choraminga abruptamente contra os profissionais da TV. Não leu o discurso último do dr. Cavaco, um dos subscritores do PREC d’hoje. Valha-nos, ao menos, isso! No resto "enquanto os filósofos etiquetam, os relógios tiquetaqueiam". O’Neill … na porta!

Com a devida vénia! O almocreve foi claro.



publicado por albardeiro às 01:13
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 8 de Março de 2011
REVOLUÇÃO

Como disse Montesquieu no seu L’Esprit des Lois, “La corruption de chaque gouvernement commence presque toujours par celle des principes”. Ora neste, como em muitos outros aspectos, os nossos governantes não param de nos surpreender. Numa entrevista recente do Ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, ao Diário de Notícias (27/2/2011) foram sobretudo estes – os princípios – que foram, mais uma vez, desbaratados. Seguindo uma lógica estrita de realpolitik, Amado não hesita em defender que “É absolutamente ridículo pretender desenvolver uma relação na base de uma avaliação das condições democráticas de cada país”, concluindo lapidarmente que “Uma política externa não se funda apenas em princípios mas também em interesses.” Considera, por isso, que a atual agitação no mundo árabe constitui “a situação mais grave com que nos confrontamos em termos internacionais após o fim da II Guerra Mundial.” Para além da significativa desvalorização de fenómenos como a derrocada do império soviético, no final dos anos oitenta do século passado, e de tudo o que isso implicou em termos de reorganização geoestratégica, o MNE português acaba por revelar a verdadeira raison d’être da sua particular preocupação: é que países como a Tunísia ou o Egipto, para além de serem considerados aliados do Ocidente na luta contra o terrorismo, eram sobretudo “aliados estratégicos na contenção relativamente às fontes de abastecimento energético, vitais para a economia ocidental.”, temendo-se a possibilidade de “perder regimes que, apesar de tudo, eram favoráveis estrategicamente aos nossos interesses.” Rematando com um expressivo “E não sabemos o que aí vem!”, Luís Amado acaba por desabafar, “Estão ali dois terços das reservas de energia com que vivemos!” Ficamos esclarecidos.

Esta posição do nosso MNE é, a vários títulos, exemplificativa do paradigma de relacionamento internacional imperante e de uma visão do mundo egoísta, predatória e absolutamente centrada nos grandes interesses económicos e financeiros daqueles que o dominam. Apesar de uma declaração formal de aceitação da “carta democrática” nesses países, a falta de entusiasmocom que a diplomacia europeia reagiu às revoluções que eclodiram no Norte de África e no Médio Oriente é suficientemente elucidativa dos receios e perplexidades levantadas, contrastando com a preocupação imediata relativamente à quebra dos equilíbrios de poder existentes e à contenção do fundamentalismo islâmico. Seguindo a lógica de que só regimes despóticos podem constituir barreira eficaz contra o extremismo religioso – num círculo vicioso maniqueísta e simplificador que Serge Halimi descreve nos seguintes termos: “o ditador proclama-se como a única barreira contra os islamitas; os islamitas como os únicos inimigos do ditador.” (Le Monde Diplomatique, edição portuguesa, fevereiro de 2011)o que os países ocidentais verdadeiramente induziram nessa parte do mundo foi o acentuar da exploração e do desvalimento, o desespero da humilhação extrema durante décadas, a desesperança na possibilidade de alteração dum quadro muito negro de existência, que governos corruptos e autocráticos de confiança trataram de perpetuar. Não é por acaso que o secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, declarou “A alma árabe está esmagada pela pobreza e pelo desemprego”.

São estes fatores de opressão reiterada que estão na origem da revolta do mundo árabe. E foi esta situação que os países ocidentais falharam em perceber, obnubilados que estavam pelos ditames de uma cega razão instrumental e pela defesa intransigente de conveniências próprias e exclusivas. Aliás, se alguma lição podemos tirar dos acontecimentos de Tunes ou do Cairo é que o relacionamento internacional terá que passar doravante muito mais pelos princípios do que pelos interesses. Não é esta posição que é ingénua – como prontamente acusaram alguns – mas é a contrária que perdeu toda a credibilidade e se revelou, como se viu, profundamente desajustada da realidade.

Da mesma forma, assistimos ao desmoronar estrondoso da visão estereotipada da identidade árabe assente num inevitável e redutor discurso moral e religioso – linguagem que os regimes autocráticos da região se habituaram a controlar e que os países ocidentais se habituaram a reconhecer como a única existente nessa parte do mundo – contrastando claramente com os pressupostos eminentemente sociais e políticos do protesto, por exemplo, do movimento kefaia (“basta”), surgido no Egito em 2005 na sequência da divulgação pelos media oficiais da futura sucessão do ditador egípcio, Hosni Mubarak, pelo seu filho Gamal. Este movimento juntou um número crescente de contestatários provenientes de meios instruídos, urbanos, de quadros técnicos ou de profissões liberais, preocupados sobretudo com a injustiça e discricionariedade do regime despótico, com a falta de oportunidades de trabalho, com a corrupção generalizada e com a necessidade imperiosa de estabelecer um novo poder e uma sociedade mais justa. Durante dias a fio, foram jovens manifestantes seculares que ocuparam a praça Tahrir. Como disse Shahira, uma estudante de Economia egípcia, “Do que eu tenho a certeza é de que os jovens não vão tolerar mais nenhuma espécie de autoritarismo. Nem dos líderes religiosos.”(Pública, 20/2/2011), rejeitando assim quaisquer tendências extremistas de afirmação islâmica. Ou, como referiu outro dos líderes daquilo que já denominaram “ciber-revolução”, Ramy Raoof, “Se as pessoas querem fazer orações, vão à mesquita. Mas não queremos que ninguém nos diga o que devemos fazer na nossa vida. E também não aceitamos que nos peçam para sofrer nesta vida, porque seremos felizes na outra, depois da morte. Nós queremos aproveitar a vida agora.” (Público, 13/2/2011). Significativo!

É de desenvolvimento democrático que falamos, sendo que ambos os termos têm que corresponder a realidades percetíveis pela generalidade da população árabe como, em tempos, o foram pelos povos do chamado mundo ocidental. Não com a preocupação de seguir modelos idênticos – mimetismos sempre desaconselháveis, como a história da humanidade tem largamente demonstrado – mas alcançando resultados similares, que garantam direitos e liberdades básicas e que se traduzam em igual dignidade de vida para todos. Porque, como refere Ana Santos Pinto, investigadora do IPRI-UNL, “O processo político no Egito tem, agora, a oportunidade de contrariar a perceção de incapacidade democrática no genoma árabe-muçulmano.” (Público, 13/2/2011). Terá que ser possível ser muçulmano, árabe e egípcio, homem ou mulher e, simultaneamente, cidadão livre. Com uma nova geração escolarizada, universitária, altamente qualificada, familiarizada com as tecnologias mais avançadas e com elevadas expetativas de realização profissional e pessoal, o futuro pode ser outro. É que, como sublinha o jornalista Paulo Moura na revista Pública (20/2/2011), “Cento e oitenta mil jovens árabes nasceram depois da Guerra Fria, depois do «fim da História» e do «choque das civilizações». Não se lembram do 11 de Setembro (…) nasceram com a Internet.” Esta enorme pressão demográfica – na Tunísia, por exemplo, 40% da população tem menos de 25 anos – aspira apenas a uma vida normal. Nas palavras da jovem egípcia Shahira, “Gostava de criar uma empresa, de viajar, de ser independente. Gostava de viver num país normal, onde as pessoas pudessem aplicar a sua energia, investir e obter resultados.” Para Bassem Samir, diretor da Egyptian Democratic Academy e do site CyberACT, “Nos países árabes, porque falamos a mesma língua, estamos todos ligados. Pode dizer-se que o movimento é só um. O objetivo é o mesmo. É tão simples: ser livre.”

No dia em que Mubarak caiu, o jovem médico Khaled Kassam, festejando com milhares de compatriotas nas ruas do Cairo, afirmou: “Egito, bem-vindo ao século XXI” (Público, 12/2/2011). É esta sensação de modernidade que a revolução egípcia, tal como outras congéneres, desde já permitiu. Como referiu certeiramente o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Joschka Fischer, “O Médio Oriente despertou e começou a entrar no mundo globalizado do século XXI.”, prognosticando, com grande lucidez, que “a era em que esta vasta região dormia enquanto outros se modernizavam chegou ao fim.” (Público, 27/2/2011).

Por isso, chegou a hora da sobranceria neocolonialista ocidental dar azo a uma atitude responsável e colaborante, com base em relações de igual para igual, enquanto parceiros francos e fiáveis, atitude que permita ultrapassar definitivamente a estreiteza de meros cálculos utilitaristas e construir um relacionamento internacional baseado primordialmente na defesa da dignidade humana e dos valores universais da cidadania. Uma solução verdadeiramente justa e duradoura do conflito israelo-palestiniano, começando por cumprir as inúmeras resoluções das Nações Unidas sobre o assunto, significaria uma abertura altamente auspiciosa. É que, como se pode ler no editorial do The Economist, publicado no jornal Expresso (26/2/2011), “À medida que o mundo árabe desperta, perspetiva-se um futuro melhor.”

 

 

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 23:40
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

RESCALDO

ESTADO DA QUESTÃO

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds