Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 16 de Novembro de 2010
VIVA NÓS!

A insuportável ladainha que nos últimos tempos tem sido inculcada nas mentes dos portugueses baseia-se em duas falácias igualmente execráveis: por um lado, a de que vivemos acima das nossas possibilidades e, por outro, a de que todos temos responsabilidade no actual estado de coisas. Esta construção ideológica, misto de culpabilização colectiva e de desresponsabilização individual, serve para sustentar a crença de que todos temos de contribuir para a resolução da presente crise através do sacrifício partilhado das nossas existências. Serve até para definir o padrão de comportamento e de consumo socialmente aceitável, censurando sem o mínimo pudor desejos, apetências ou necessidades dos outros… normalmente dos mais pobres.


            Esquece-se convenientemente que não somos nós que auferimos ordenados chorudos, que não somos nós que recebemos todo o tipo de prebendas e usufruímos dos mais escandalosos privilégios, que não somos nós que multiplicamos pensões e ordenados, que não somos nós que saltitamos de conselho de administração em conselho de administração, à pala de fidelidades partidárias ou de compromissos venais (e – é bom lembrá-lo! – da mansa complacência da maioria dos cidadãos), que não somos nós que especulamos na Bolsa, que não somos nós que nos subtraímos, a uma escala inimaginável, ao pagamento das obrigações fiscais, que não somos nós que promovemos a fuga de capitais em offshores por esse mundo fora… mas apenas alguns, poucos, de nós.


Delapidado o património nacional a este ponto, a crise é fácil de entender. Não fomos nós que a provocamos. Mas seremos certamente nós a pagá-la, na íntegra e com juros. Com juros, para continuar a alimentar os numerosos boys das clientelas políticas e dos nababos da máquina neoliberal, que passam pela crise sem serem verdadeiramente afectados – pese embora declarações piedosas e compungidas em contrário – e que, ao invés, ambicionam (se nós os deixarmos!) reforçar a sua riqueza e o seu poder. A comprová-lo está o aumento imparável das desigualdades sociais no nosso país – recordista na União Europeia que tanto gostamos de invocar para outros índices mais abonatórios – em que os mais ricos são cada vez mais ricos e os mais pobres cada vez mais pobres, numa escalada de nítido matiz sul-americano. Basta atentarmos nos números fornecidos por Boaventura de Sousa Santos (Visão, 21/10/2010), segundo os quais, já em 2008, o pequeno número de cidadãos ricos (4.051 agregados fiscais) usufruía de um rendimento semelhante ao de um vastíssimo número de cidadãos pobres (634.836 agregados fiscais).


A culpabilização colectiva engendrada pela presente crise, indutora da conformação a todo o tipo de ditames e da aceitação de todo o género de renúncias, aparenta apresentar, para além do mais, uma singular inversão do próprio sentido individualista – “individualismo possessivo”, na consagrada expressão do politólogo canadiano Crawford Macpherson – que caracteriza o sistema capitalista. Imersos na massa, dir-se-ia que se subalternizam os sujeitos e se desprezam as individualidades. Nada, porém, é mais falso. A colectivização dos encargos da crise apenas serve para camuflar as efectivas responsabilidades individuais (para além do gozo bem exclusivo dos respectivos benefícios) daqueles de entre nós que presidiram aos destinos do país – seja ao nível político, seja ao nível económico – que definiram as políticas, que assumiram os compromissos e que tomaram as opções desastrosas pelas quais todos nós estamos agora a pagar. Se as responsabilidades são assacadas a essa entidade misteriosa, vagamente irracional e, sobretudo, anónima, denominada mercado, os agentes concretos que o controlam e manipulam, passam despercebidos e esfumam-se na espuma dos dias. Mas ninguém tenha dúvidas que existem e que devem ser responsabilizados pelo que fizeram… pelo que fizeram a todos nós.


A austeridade exigida para reduzir o défice orçamental e a dívida pública, situação recorrente de há muitos anos a esta parte, conta com uma terceira componente de que ninguém fala: a que só por esta via se assegura a manutenção da desregulação dos mercados de capitais e dos lucros fabulosos da especulação financeira, de que beneficiam outros tantos capitalistas que, no sector produtivo, ainda sonham com os índices máximos de exploração dos trabalhadores, próprios dos primórdios da revolução industrial, num período justamente apelidado de “capitalismo selvagem”. Recordemos que Boaventura de Sousa Santos (Visão, 21/10/2010) calcula em 38,5%, o aumento do número de trabalhadores por conta de outrem abrangidos pelo salário mínimo (450 euros), entre 2006 e 2009. Por isso, esta não poderá deixar de ser o que já se designa por “austeridade assimétrica”.


Fica, pois, a interrogação certeira de José Gil (Visão, 28/10/2010): “Estamos então condenados a viver pobremente, para oferecer credibilidade aos mercados capitalistas para que continuem a emprestar-nos para que possamos continuar a viver pobremente para…?” É possível que nós continuemos a aguentar isto?


 


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 22:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds