Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 31 de Agosto de 2010
UM COMENTÁRIO
Na sua habitual crónica na revista Pública (15/8/10), Daniel Sampaio fala-nos sobre os “chumbos”. Diz-nos, a dado passo, que “Reprovar um aluno é simples, mas não garante nenhuma eficácia ao sistema”. Tem razão. Mas esquece dois aspectos fundamentais. Por um lado, estamos em crer que nenhum professor consciente chumba um aluno de forma leviana e sem pesar convenientemente as consequências de tal acto. Por outro lado, sabemos que é em grande medida a inexistência da dita “eficácia do sistema” que faz com que as escolas não se possam dotar dos indispensáveis meios (humanos, materiais e financeiros) de apoio àqueles alunos que demonstram dificuldades na sua aprendizagem e que não conseguem adquirir as competências e atingir os objectivos propostos. O tal “esforço [que] deve ser centrado na detecção precoce dos alunos com dificuldades de aprendizagem, bem como na formação especializada de professores”, que Daniel Sampaio advoga, não existe. A tutela não o autoriza. Na maior parte dos casos é antes o profissionalismo e a abnegação – gratuita, refira-se! – dos docentes que permitem colmatar as situações mais gravosas. Basta ver as draconianas restrições em termos de contratação de professores e dos apoios aos alunos com necessidades educativas especiais impostas pelos governos PS-Sócrates.
Daniel Sampaio constata que “muitos dos que ficam para trás não recuperam” e que “repetir a estratégia de mais aulas com as mesmas matérias, a política do «mais do mesmo», não se tem mostrado promissora”. Tem razão. Mas esquece que esta é também uma das consequências das turmas superlotadas – exigidas pela tutela – que impossibilitam qualquer esforço sério de diferenciação pedagógica. Esquece que esta é a consequência inevitável de uma política sistemática de desinvestimento no ensino e de destruição da escola pública, seguida pelos governos PS-Sócrates. Que recursos existem? Que apoios podem ser mobilizados? Por exemplo, que “turmas de nível” podem ser implementadas, não num sentido estigmatizante (desculpa recorrente de um certo pedagogismo nivelador que tem muito mais de demagógico do que de pedagógico), mas com o intuito sério da recuperação daqueles que necessitam de ajuda?
Daniel Sampaio insurge-se contra o “princípio de que os alunos aprendem desde que se esforcem”, acrescentando que “O insucesso de alguns é explicado por esse difuso conceito a que se chama preguiça, ou atribuída à falta de meios da escola ou à «disfunção» familiar.” Parece-me que os dois últimos factores invocados constituem constrangimentos por demais evidentes. Inserida na sociedade, a escola dificilmente poderá manter-se imune às suas idiossincrasias, sendo pouco plausível a não influência de circunstâncias disruptivas no seu funcionamento. Acresce que a minha experiência de mais de vinte anos de docência ensinou-me que nem sempre as dificuldades de aprendizagem resultam da citada “preguiça”, é certo, mas que o desinvestimento dos discentes na aprendizagem dificilmente poderá levar ao seu sucesso escolar. Mais do que isso. Muitas das dificuldades sentidas pelos nossos alunos acabam por ser ultrapassadas com um esforço acrescido destes, devidamente apoiados por uma orientação avisada dos seus docentes.
Por outro lado, será lícito que os que se esforçam e os que não se esforçam atinjam os mesmos resultados? É que a avaliação serve (caso não se tenha reparado nisso) para avaliar, isto é, ajuizar da capacidade ou incapacidade daqueles que são sujeitos a um determinado processo de aprendizagem. Ou será que é mais politicamente correcto escamotear as diferenças existentes e proclamar uma igualdade de aptidões que, para além de enganadora, alimenta falsas expectativas de sucesso pessoal? Só para sustentar as estatísticas e satisfazer as instâncias internacionais? Não nos parece ser esse o caminho a seguir. A prazo este embuste terá consequências sociais devastadoras. Até porque convenientemente se esquece que os modelos estrangeiros que tanto gostamos de glosar correspondem a décadas (quando não a séculos) de investimentos reais no sistema de ensino – muitos dos quais no sentido que aqui preconizamos – o que está longe de ser o caso no nosso país.
Daniel Sampaio sabe certamente o que diz, mas não diz tudo o que sabe. Só assim se compreende que inicie a sua crónica com a insensata afirmação, “Fez bem a ministra da Educação em questionar os «chumbos» como método eficaz para melhorar o ensino e a aprendizagem.” Mas quem é que defende isso?


Hugo Fernandez


publicado por albardeiro às 19:56
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds