Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 21 de Junho de 2009
TOMAR POSIÇÃO

E o povo falou! No escrutínio para o Parlamento Europeu de 7 de Junho quebraram-se dois mitos fundamentais. Em primeiro lugar o da invencibilidade de Sócrates e o da eternidade do seu poder. Com efeito, o PS sofreu uma das suas mais humilhantes derrotas eleitorais. É fácil descortinar as razões para tal desfecho. As pessoas estavam fartas do quero, posso e mando de um poder absoluto, assente na autosuficiência pacóvia e numa espécie de providencialismo sebastiânico de polichinelo, encarnado na insuportável arrogância e obsessão de pessoas medíocres, travestidos de líderes políticos e de homens de Estado respeitáveis. Nas premonitórias palavras de Manuel Alegre, “Disse várias vezes para se ouvir a rua. Agora a rua foi às urnas!” (i, 9/6/09).


Com efeito, as pessoas estavam fartas do profundo desprezo com que eram tratadas, das alterações constantes e abruptas das suas situações profissionais, do agravamento inexorável das suas condições de vida, da discricionaridade do mando e do autismo do poder, da censura e do medo. Nada disto poderá alguma vez fazer parte de um regime democrático. Até uma das personalidades socialistas mais respeitadas, Medeiros Ferreira, faz o seguinte diagnóstico: “A filosofia da governação tem de se reger pelo serviço ao cidadão e não por um registo impositivo e imperioso que já dura há demasiado tempo. Basta do estilo temos razão e não se discute.” (Visão, 11/6/09).


A tão propalada “esquerda moderna”, nada tem de uma nem de outra. Apologista dos mais cegos princípios do neoliberalismo, Sócrates chegou ao desplante de confundir direitos com privilégios, lançando na mais completa precarização da existência centenas de milhares de pessoas, transformadas numa espécie de novos escravos da era global. A suposta modernidade desta ofensiva, queda-se afinal pelas velhas soluções oitocentistas do “capitalismo selvagem”, próprias dos primórdios da Revolução Industrial. Sócrates conseguiu, aliás, duas proezas notáveis: Portugal é o país com os maiores índices de desigualdade social da União Europeia e os números do desemprego atingiram níveis nunca vistos no nosso país. Em consequência das políticas empreendidas, mais de um quarto dos portugueses vive actualmente na pobreza. Nada mau para quem alardeia querer pertencer ao “pelotão da frente” da Europa. A crise internacional só veio agravar uma situação já existente.


Por outro lado, ficou definitivamente afastado o mito que só com maiorias absolutas é possível garantir a estabilidade política e a governabilidade, pretendendo-se erigir essa condição a pilar fundamental de funcionamento do próprio sistema democrático. Como sublinhou Vasco Pulido Valente, “De garantia da estabilidade, o PS passou numa noite a primeira causa de instabilidade num parlamento presumivelmente dividido. Isolado por sua própria culpa, Sócrates não tem destino.” (Público, 13/6/09).


Mas ao mesmo tempo que desapareciam estes dois mitos, emergiu outro bem mais perigoso e de consequências bem mais perenes; o da ameaça da ingovernabilidade do país. Não é por acaso que alguns contestaram, desde logo, a utilidade da ida a sufrágio de uma pluralidade de forças políticas, considerando mesmo que tal facto representava uma “fragmentação do sistema eleitoral”. Os que assim pensam, reclamam insistentemente a alteração da lei eleitoral, que permita assegurar o pântano de um rotativismo castrador PS/PSD. É sintomático que Vital Moreira, na declaração de derrota, tenha afirmado “Realço como dado não positivo, a redução dos resultados cumulativos do PS e do PSD, fazendo recear pela governabilidade do País, no futuro”. Parece abrir-se, novamente, o caminho do centrão. Tal posição coloca, aliás, de forma inequívoca o PS/Sócrates na direita do espectro político português. Será esse o lugar desejado pelos “socialistas”? Não é certamente por acaso que, na noite eleitoral, tanto Alberto João Jardim como Vital Moreira tenham considerado o somatório da votação do BE e da CDU como um sintoma de “doença democrática”! No comentário certeiro de António Vilarigues, “Jardim e Vital compartilham a concepção antidemocrática de que a esquerda pode existir desde que não governe nem constitua uma força capaz de influenciar a governação.” (Público, 12/6/09).


Só que, com a dinâmica de vitória agora potenciada, dificilmente o PSD assumirá qualquer compromisso nesse sentido. É, aliás, provável que a crispação crescente que estes últimos meses de governação de Sócrates vão provocar no relacionamento entre estes dois partidos, sobreponha às evidentes afinidades políticas e ideológicas entre eles, as profundas incompatibilidades pessoais dos seus líderes e principais responsáveis, bem como dos interesses que uns e outros representam. Afastado qualquer cenário de maioria absoluta é imperiosa a clarificação das opções a tomar, já que o cenário político português sofreu uma significativa alteração. Mesmo dando de barato que pode não haver um reflexo imediato dos actuais resultados nas eleições legislativas – desde logo por força de uma previsível diminuição da abstenção – perspectivam-se, desde já, dois grandes blocos político-partidários de sinais opostos: um bloco à direita, formado pelo PSD e pelo CDS-PP e um bloco à esquerda reunindo o BE e a CDU. A pretensão enunciada pelo PS de governar sozinho não passa, dado o cenário traçado, de mera fanfarronice. Ninguém o poderá fazer.


O PS encontra-se, assim, no limiar de uma escolha política fundamental. A posição que vier a assumir vai ter, em qualquer caso, repercussões decisivas no futuro do país e do próprio partido. É que, dependendo da sua opção, pode escolher ser parte da solução ou parte do problema.


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 15:28
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds