Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 12 de Julho de 2008
DESCOBREM-SE AS VERDADES

“Contrafactos e os seus argumentos” é um artigo assinado por Paulo Moura no Público do passado dia 5 de Julho, a propósito do seminário sobre “História Virtual de Portugal”, realizada no Instituto de Ciências Sociais, em Lisboa.


E se as coisas não tivessem acontecido como aconteceram? É deste pressuposto que partem sempre as investigações – será melhor dizer, especulações – da chamada História Virtual ou Contrafactual, corrente lançada pelo historiador britânico Niall Fergusson em 1997, sobre as consequências de uma vitória nazi na II Guerra Mundial ou (para o efeito, tanto faz!) a hipótese de Hitler não ter conseguido chegar ao poder se a Alemanha tivesse triunfado em 1918. Pretendendo explorar possibilidades verosímeis (e com isso ganhar um estatuto de cientificidade que, de facto, não tem), o contrafactualismo baseia-se em duas falsidades epistemológicas essenciais. Visa contrariar um pretenso determinismo de uma visão marxista da História (sempre ela!) e desvalorizar causalidades estruturais, enfatizando o papel do indivíduo. Acontece que nem a primeira asserção é verdadeira, nem a segundo tem muito cabimento. Com efeito, esquece-se de uma penada, a monumental produção teórica e historiográfica de centenas de autores marxistas – a começar pelo próprio Marx – que, de há muito, vêm denunciando esquemas mecanicistas e determinismos simplistas (reivindicando-se do marxismo ou de outra coisa qualquer), demonstrando nos seus estudos, pelo contrário, a complexidade das relações sociais existentes e a diversidade dos modos de funcionamento das sociedades ao longo da história. Trata-se, aliás, da conhecida técnica de caricaturizar as ideias que se quer rebater e, de seguida, criticar a caricatura feita. Esquece-se também toda uma numerosa e influente corrente historiográfica, largamente influenciada pelo pensamento marxista, que vai dos Annales à Nova História ou à actual escola da Sociologia Histórica, que perspectiva esta mesma complexidade na compreensão do papel dos indivíduos na História, mostrando não só as possibilidades e virtudes do seu protagonismo, como os constrangimentos e limites da sua acção, desta forma ultrapassando meros propósitos laudatórios e sobrevalorizações mistificadoras, que se revelam estéreis em termos explicativos.


Acresce que a História Contrafactual demonstra uma assinalável ignorância metodológica. Considera que o estudo das razões invocadas, das hipóteses contraditórias levantadas, dos vários cenários tomados em consideração pelos actores históricos, antes das decisões tomadas ou prévios aos acontecimentos ocorridos, são a melhor prova de que, na história, há sempre várias possibilidades e alternativas de caminhos a seguir, havendo que contar com fortes factores de imprevisibilidade e de arbítrio no desfecho das situações. Só que, ao contrário do que supunham, não descobriram a pólvora! Aquilo que passa por ser a grande novidade desta corrente historiográfica, não é mais do que démarche obrigatória para todos aqueles que investigam o funcionamento das sociedades. Só compreendendo as causas dos fenómenos, analisando as dinâmicas das sociedades em questão, conhecendo as evoluções e constrangimentos existentes e auscultando as motivações e pensamento dos agentes envolvidos – a tal complexidade de factores a que nos referíamos anteriormente – é possível “fazer história”. Até aqui, nada de novo.


O que foi verdadeiramente surpreendente e elucidativo neste seminário do ICS, sobre o que poderia ter acontecido se Jorge Sampaio não tivesse convidado Santana Lopes para formar Governo em Julho de 2004, foi a revelação, por quem a viveu de perto, das razões desta indigitação. Carlos Gaspar, à época conselheiro do Presidente, conta-nos o dilema colocado: se Sampaio tivesse decidido dissolver o Parlamento e convocar eleições, seguindo, aliás, o que fez com António Guterres em 2001 e o que Mário Soares tinha feito com Cavaco Silva em 1987, isso corresponderia a uma desvalorização do papel presidencial e configuraria uma espécie de “presidencialismo” do primeiro-ministro que passaria a poder, quando assim o entendesse, demitir-se a fim de provocar a convocação de eleições antecipadas. Tomando a decisão que tomou, Sampaio salvou, portanto, o regime presidencialista e preservou a sua própria margem de manobra. Que primor de calculismo político! Que fino recorte maquiavélico! Mas, sobretudo, que enorme inconsciência quanto ao futuro do país. Que enorme falta de respeito pelos portugueses. Que leviandade e ligeireza na distorção do princípio básico da representação política e no dever de dar, sempre que tal é necessário, a voz aos cidadãos. É que a democracia é precisamente isto! Ou já se esqueceram?


A serem verdadeiras as declarações de Carlos Gaspar, Jorge Sampaio sai muito pior do retrato do que já estava. Admitindo, ainda que com ironia, o seu desconforto em falar do assunto, o conselheiro do Presidente profere, a propósito deste cenário contrafactual, uma frase assassina: “É como pedir a um criminoso que fale do seu próprio crime. Pior ainda: pedir-lhe que imagine o que aconteceria se não o tivesse cometido.” Pois é!


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 15:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds