Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 28 de Abril de 2008
NOTÁVEIS

Há coincidências assim. A 25 de Abril de 1983 nascia o Governo do Bloco Central, resultado do entendimento entre o PS de Mário Soares e o PPD de Mota Pinto. Foi este Governo, lembremos, que preparou a adesão de Portugal à CEE, mas sobretudo que iniciou a implementação de uma brutal política de austeridade, à custa dos direitos sociais, para equilibrar a situação orçamental – aquilo que, em tempos mais recentes, veio a ser designado por “obsessão do deficit” – e que abriu as portas à privatização do sector estatal. Estávamos, então, perante objectivos estratégicos para Portugal que eram comuns aos dois partidos que, no entanto, se afirmavam diferentes. Não foi caso único. A coincidência de posições entre PS e PSD tem sido, com raras excepções, uma constante da nossa realidade política. A suposta alternativa de poder que ambos reivindicam, não passa, afinal, de uma convergência substantiva – nas ideias e nos propósitos – a que se deu, apropriadamente, o nome de “centrão”. Mesmo a tradicional divisão sociológica de um eleitorado PS mais urbanizado face a um eleitorado PSD de proveniência mais rural, se fez algum sentido nos inícios da nossa democracia, deixou hoje de ter qualquer relevância.


Mais de 20 anos depois, a cena política portuguesa continua a ser dominada pelos mesmos protagonistas e a colocar estes “irmãos gémeos” numa estrita dependência recíproca. Desta feita, e talvez de forma mais evidente do que em qualquer outra altura, o espaço político preenchido pelo PSD vê-se reduzido à insignificância, a favor de um PS que, por seu lado, mimetiza o primeiro, pelagiando despudoradamente a sua visão do mundo e os seus projectos societais. Enquanto o PS, como partido do poder, capitaliza esta circunstância, o PSD, et pour cause, atravessa uma profunda crise de identidade e de liderança.


Não quero com isto dizer que não haja diferenças entre as duas formações políticas, nem que, sem mais, esteja aberto o caminho da fusão, como sugeriu há poucos dias José Miguel Judice. Até porque à sobreposição de projectos políticos obsta uma efectiva diferenciação de clientelas – mais do que de interesses gerais – a sustentar. Mas que os pontos comuns são muito mais significativos que as divergências, parece-me uma evidência histórica. A começar pelo desfocagem ideológica que ambos os partidos, desde sempre, apresentaram: um partido que se diz socialista e que sempre foi social-democrata e um partido dito social-democrata que é, na verdade, liberal. Tudo se torna ainda mais nebuloso quando, no presente, os dois advogam, em perfeita sintonia, políticas claramente neo-liberais.


Penso que só à luz destas considerações se pode interpretar a afirmação de Pedro Lomba de que “O PSD é um partido negativo composto por pessoas radicalmente diferentes que têm apenas uma convicção em comum: não são do PS.” (Diário Económico 23/4/08). Com efeito, esta afirmação permite evidenciar o carácter clubístico – e não, como era suposto, ideológico-político – na definição do respectivo espaço partidário.


Aliás, os jogos de poder despoletados pela actual crise de liderança no PSD demonstram-no em todo o seu esplendor. A luta entre os “barões” e seus “sindicatos de votos” – os notáveis e os interesses (ou deveria antes dizer os notáveis interesses!) – reflectem o grau zero daquilo que se podia esperar de um combate partidário. Discutem-se pessoas e não ideias, lugares e não projectos. O insuperável Luís Afonso (Público, 25/4/08) retrata fielmente a situação no seu Bartoon; quando uma cliente lê no jornal que “Alberto João Jardim diz que está próximo ideologicamente de Santana Lopes” e se questiona “Santana Lopes está ideologicamente onde?” o barman hesita, mas acaba por responder “Já sei! Próximo de Jardim”. Por isso, também não podia estar mais de acordo com Vasco Pulido Valente, quando diz “O que divide o PSD não é o programa ou a ideologia, em sentido estrito, mesmo porque o programa e a ideologia contam pouco num movimento populista. O que divide o PSD é uma questão política, a questão nua e crua do poder: quem manda ou não manda no partido.” (Público 25/4/08). Será diferente no PS? Não creio.


Uma coisa é certa. Quando José Sócrates perder a maioria absoluta em 2009, todos sabemos com quem se irá aliar.


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 11:02
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 21 de Abril de 2008
Uma Choldra Torpe

Portugal, nas palavras de um atrevido português – em honra ao seu criador e como espelho do que somos!!


– Como é que o senhor definiria Portugal, em quatro palavras?


– Isto é uma choldra.


– Mas não está a melhorar? A política do país não mostra progresso?


– A política! Isso tornou-se moralmente e fisicamente nojento. Os políticos hoje são homens de engonço que fazem gestos e tomam atitudes porque dois ou três financeiros por trás lhes puxam os cordéis... Ainda assim podiam ser bonecos bem recortados, bem envernizados! Mas qual! Aí é que está o horror. Não têm feitio, não têm maneiras, não se lavam, não limpam as unhas... Os três ou quatro salões que em Lisboa recebem todo o mundo, seja quem for, largamente, excluem a maioria dos políticos. E por quê? Porque as senhoras têm nojo.


Quem está com a palavra é João da Ega, português cujo nome soa a escândalo, adepto do "massacre das classes médias", do amor livre e da repartição das terras, tão peculiar pelas ideias como pela figura esgrouviada e seca, os pêlos do bigode arrebitados sob o nariz adunco, um monóculo entalhado no olho direito. Continuemos a entrevista.


– E, no entanto, na imprensa, lêem-se com frequência elogios aos políticos, descritos como homens de grande talento...


– É extraordinário! Neste abençoado país todos os políticos têm "imenso talento". A oposição confessa sempre que os ministros, que ela cobre de injúrias, têm, à parte os disparates que fazem, um "talento de primeira ordem". Por outro lado a maioria admite que a oposição, a quem ela constantemente recrimina pelos disparates que fez, está cheia de "robustíssimos talentos". De resto todo o mundo concorda que o país é uma choldra. E resulta portanto este fato supracómico: um país governado com imenso talento, que é de todos na Europa, segundo consenso unânime, o mais estupidamente governado!


– O que se deve fazer diante disso?


– Eu proponho isto, a ver: que, como os talentos sempre falham, se experimentem uma vez os imbecis!


João da Ega, se o leitor não sabe, é personagem do romance Os Maias, de Eça de Queiroz. As perguntas desta entrevista são inventadas. As respostas são todas extraídas do livro.


– O senhor censura muito a falta de soluções próprias em Portugal...


– Aqui importa-se tudo. Leis, ideias, filosofias, teorias, assuntos, estéticas, ciências, estilo, indústrias, modas, maneiras, pilhérias, tudo nos vem em caixotes pelo paquete. A civilização custa-nos caríssima com os direitos de alfândega: e é em segunda mão, não foi feita para nós, fica-nos curta nas mangas.


 – O senhor seria capaz de dar exemplos do que está a dizer? De como as importações chegam deformadas a Portugal?


– O figurino da bota que veio de fora era levemente estreito na ponta; imediatamente o janota estica-o e aguça-o até ao bico de alfinete. Por seu lado, o escritor lê uma página de Goncourt ou de Verlaine em estilo precioso e cinzelado; imediatamente retorce, emaranha, desengonça a sua pobre frase até descambar no delirante e no burlesco. Por sua vez o legislador ouve dizer que lá fora se levanta o nível da instrução; imediatamente põe no programa dos exames de primeiras letras a metafísica, a astronomia, a filologia, e egiptologia, a cresmática, a crítica das religiões comparadas e outros infinitos terrores.


– O senhor uma vez viu um certo Sousa Neto perguntar se na Inglaterra também havia literatura, como em Portugal. Que faz esse Sousa Neto?


– Oficial superior duma grande repartição do Estado!


– Qual?


– Ora, de qual! De qual há-de ser?... Da instrução pública!


– Uma última pergunta: como é que o senhor definiria Portugal, em cinco palavras?


– Isto é uma choldra torpe. Portugal não precisa de reformas, mas é da invasão espanhola.



publicado por albardeiro às 11:29
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

RESCALDO

ESTADO DA QUESTÃO

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds