Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sexta-feira, 4 de Janeiro de 2008
RELIGIÃO S. A.

Tenho para mim que os “negócios da fé” sempre tiveram muito mais a ver com os ditos negócios do que propriamente com a fé. A ligação da religião com os aspectos mais mundanos da vida não é, de resto, coisa nova. O caso mais emblemático talvez seja, no século XVI, o das “boas obras” e generosas doações à Igreja que estiveram na origem da rebelião protestante, quando o Papa Leão X (1513-1521) – curiosamente, ele próprio filho do poderoso mercador e magnata da época, Lourenço de Médicis – vendeu as chamadas indulgências, isto é, o perdão dos pecados, para financiar a construção da Basílica de S. Pedro e sustentar o luxo da sua corte. Diz-se mesmo que, aquando da sua eleição para o papado, teria confidenciado a seu primo (que ele próprio promoveu ao cardinalato e que viria a ser o Papa Clemente VII), “uma vez que Deus nos conferiu o pontificado, vamos aproveitá-lo!”. O que é facto é que, para celebrar a ocasião, organizou festividades que tinham tudo de terrenas: uma parada triunfal em Roma, que incluiu bobos, músicos e animais selvagens, rematado por um jantar monumental para centenas de convidados com 65 pratos na ementa. Esbanjador, amante de jóias e caçadas, era conhecida a sua extravagância e a sua vida de luxo espampanante. Como comentou o poeta Ludovico Ariosto, a sua ascensão ao pontificado representou o início da “Idade do Ouro”.


Mas já antes, nos deparamos com cerca de quinhentos livros de contabilidade e livros-razão, de um mercador do século XIV, Francesco Datini, de Prato, perto de Florença, onde fez questão de incluir a inscrição “em nome de Deus e do lucro”. Da mesma forma, mais tarde, na sua obra Thoughts and Details on Scarcity publicada em 1795, o conhecido filósofo e político irlandês Edmund Burke fazia a defesa das “leis do comércio, que são as leis da natureza e consequentemente as Leis de Deus”. Não é por acaso, aliás, que o conhecido sociólogo alemão Max Weber (1864-1920) estabeleceu uma forte conexão do desenvolvimento do capitalismo com a ética protestante. Os exemplos podiam multiplicar-se aos milhares.


Nos nossos dias a tendência é semelhante. A elite católica que uma organização como a Opus Dei sempre quis representar, advoga abertamente que os negócios e o sucesso empresarial são não só compatíveis com a procura da santidade, como constituem excelentes caminhos em direcção a Deus. Não admira, por isso, que algumas das suas mais destacadas figuras, sejam donos de empresas e de instituições financeiras. Mas se os homens santos são negociantes, dificilmente podemos pretender santificar os negócios. Numa economia globalizada de cariz neoliberal os negócios são o que são: competição feroz, busca do lucro a todo o custo (e que lucros estas empresas apresentam!), oportunismo, defesa dos interesses por cima de quaisquer preocupações éticas e mesmo, quando tal for necessário e conveniente, desrespeito pelas normas legais em vigor. Tudo a bem, claro está, do Deo capitalismus. Demagogia? Basta ler as páginas dos jornais.


Talvez assim se possa perceber a espantosa afirmação do cardeal patriarca de Lisboa, na homilia do Natal, para quem “Todas as formas de ateísmo, todas as formas existenciais de negação ou esquecimento de Deus, continuam a ser o maior drama da humanidade”. O ateísmo é que é o maior problema da humanidade!? Então e “A guerra, a fome, as doenças, a miséria, a ignorância, o fanatismo, a violência, as catástrofes ambientais, a indiferença pelo sofrimento dos outros?”, como lembra e muito bem Rui Tavares no Público (27/12/2007). Nada disto conta? Aparentemente não e percebe-se porquê. É que o ateísmo é mau para o negócio. Ita missa est, amen! Viva a religião S. A.!


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 20:08
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds