Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 23 de Julho de 2007
Um dia lamechas…mas sentido!

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles. A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objecto dela se divida em outros afectos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade. E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto a minha vida depende das suas existências .... A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. Mas, porque não os procuro com assiduidade, não lhes posso dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar. Muitos deles estão a ler esta crónica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos. Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida. Por isso é que, sem que eles saibam, eu me manifesto pela vida deles. E me envergonho, porque essa minha rogativa é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo. Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles. Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer ... Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos! A gente não faz amigos, reconhece-os.


A culpa, talvez transgressão, disto que acima fica transcrito, é do Vinícius de Moraes



publicado por albardeiro às 13:28
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 13 de Julho de 2007
Sobre o RJIES (regime jurídico do ensino superior)

Intervenção na audição pública da Comissão de Ciência, Educação e Cultura (Assembleia da República em 09/07/2007)


Reconhecendo que as Universidades ocupam um papel central no desenvolvimento cultural, económico e social de um país, será necessário reforçar a sua capacidade de liderança e dotar as suas estruturas de uma maior flexibilidade para enfrentar estratégias diferenciadas no quadro de uma sociedade em mudança. Esta capacidade deve permitir-lhes desenvolver a cada uma delas planos específicos de acordo com as suas características próprias, com a composição do seu corpo docente, com a sua oferta de estudos e com os seus processos de gestão e inovação. Só assim poderão responder ao dinamismo de uma sociedade em constantes desafios. E só assim, a sociedade poderá exigir das suas Universidades a mais valiosa das heranças para o seu futuro uma docência de qualidade, uma investigação de excelência.


Tendo em conta esta perspectiva, foi proposto pelo actual governo, seguindo os conselhos dos “juízes de fora”, uma nova arquitectura normativa que o sistema de ensino superior, em particular o universitário, já reclamava tendo em vista a melhoria da sua qualidade docente, investigadora e de gestão, ao mesmo tempo que era necessário fomentar a mobilidade dos estudantes e professores, aprofundar a criação e transmissão do conhecimento como eixo da actividade académica, responder aos desafios derivados tanto do ensino superior não presencial através das novas tecnologias da informação e da comunicação como da formação ao longo da vida, e integrar-se competitivamente junto dos melhores centros de ensino superior no novo espaço universitário europeu que nos últimos se começou a configurar.


Todos temos consciência de que as mudanças sociais que se colocam à nossa sociedade estão estreitamente relacionadas com os que têm lugar noutros âmbitos de actividade. Assim, a modernização dos sistemas societários, quer o económico quer o social, impõem exigências cada vez mais imperativas aos sectores que estimulam este contínuo impulso e não podemos esquecer que a Universidade ocupa um lugar de privilégio nesse processo de contínua renovação, concretamente nos sectores mais ligados ao desenvolvimento cultural, científico e técnico. É por tudo isto que as nossas Universidades precisam urgentemente de incrementar com melhor eficácia, eficiência e responsabilidade, princípios todos eles centrais à própria autonomia universitária.


Face à proposta do governo, temos concordâncias e objecções. De uma maneira geral são mais as concordâncias. Concordamos, em geral, com a proposta de Lei que estabelece (ver artº77) uma nítida distinção entre as funções de governo, representação, controlo e assessoria, correspondendo cada uma destas a um órgão diferente na estrutura da Universidade. Mas já não estamos de acordo quanto à descriminação (excessiva) dos processos executivos de tomada de decisões por parte do Reitor e do Conselho Geral (órgãos efectivos de Governo da Universidade), ou quando não é claro o estabelecimento de esquemas de comparticipação e corresponsabilidade entre sociedade e Universidade (para isso, respeitando a autonomia das Universidades). Em nossa opinião bastava dizer que era ao Conselho Geral que compete aprovar as linhas estratégicas e programáticas nos âmbitos da oferta de ensinos, investigação, recursos humanos e económicos, isto é, se o Conselho Geral se configura como o órgão de relação da Universidade com a sociedade - a este órgão corresponde-lhe a supervisão da actividade económica da Universidade e as boas práticas na gestão dos serviços, bem como a aprovação dos orçamentos.


É proposto, como órgão máximo de governo universitário, o Conselho Geral que, quanto a nós, deve ser presidido pelo Reitor (tal como é actualmente a Assembleia e o Senado, com voto de qualidade, portanto não concordamos com o ponto 10 do artº 81 nem com a alínea a) do ponto 1, do art. 82º e praticamente todo o art. 86). Neste delineamento o Reitor, que exercerá a direcção, governo e gestão da Universidade, deve ser eleito directamente pela comunidade universitária mediante sufrágio universal, livre e secreto. Um outro aspecto que devia ser consignado neste marco normativo era a criação de um Conselho de Direcção (que substituiria o papel do actual Senado), que assistiria o Reitor na sua actividade à frente da Universidade, formado, para além da equipa reitoral, pelos directores das unidades orgânicas e por um número de membros (nunca superior a 3) do maior prestígio dentro da comunidade universitária.


Por último, somos da opinião que a eleição dos representantes dos diferentes sectores da comunidade universitária nos órgãos de governo, conselhos científicos e pedagógicos, e nos Conselhos de Departamentos, deve ser realizada mediante sufrágio universal, livre, igual, directo e secreto. Os Estatutos estabelecerão as normas eleitorais aplicáveis. E isto devia estar consignado sem margem para qualquer equívoco. Este texto corresponde à minha opinião pessoal e não vincula outras quaisquer opiniões.


Ver também: http://jvcosta.planetaclix.pt/artigos/dcaeiro.html 



publicado por albardeiro às 12:26
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds