Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 1 de Abril de 2007
VALE TUDO

Não, este comentário não é sobre o concurso “Os Grandes Portugueses”, promovido pela RTP. Não vale a pena perder muito tempo com esse assunto. Porque de uma ideia imbecil só podia resultar o disparate. Por isso, fazemos nossas as palavras do filósofo e escritor francês Paul Valéry, quando disse que “Não há nada pior do que as pretensas lições da História, quando esta é mal conhecida e mal interpretada.” Daí a impossibilidade de submeter as figuras históricas a falsos plebiscitos e concursos de popularidade idiotas (a não ser que se pretenda analisar a “memória histórica” daqueles que agora foram investidos na função de julgadores do passado). É evidente que o papel destas personalidades pode ser alvo de discussão e análise. Mas sempre na condição de as integrarmos no seu espaço e tempo próprios (o eu e a circunstância de que falava Ortega y Gasset). Só assim a sua acção é inteligível. Só assim a História faz sentido.


Preocupa-me muito mais, porém, a sensação do anything goes, da absurda mistura das situações, da diluição dos limites, do esvaziamento da complexidade, da ligeireza na abordagem das realidades – de qualquer realidade! Tudo fica reduzido ao estatuto de mero fait-divers, pronto a figurar nas revistas de escândalos ou a ser exibido num qualquer reality show, para entreter a populaça. Daqui necessariamente resultam todas as distorções possíveis e imaginárias da História, tendo como corolário lógico o mais descarado revisionismo e o branqueamento dos seus protagonistas. Entramos em pleno reino do faz-de-conta. Isto é que é verdadeiramente preocupante e constitui um inexorável sinal dos tempos.


De resto, não são só as televisões que detêm o exclusivo desta tendência. Veja-se, como exemplo verdadeiramente paradigmático, o caso da revista TV Guia que, em edição do passado dia 25 de Março, se permite publicar um inacreditável “retrato” sobre as três personalidades mais votadas no concurso atrás referido, respectivamente António de Oliveira Salazar, Álvaro Cunhal e D. Afonso Henriques. Para além de banalidades como a data de nascimento e morte, o local de sepultura, o estado civil ou mesmo o cognome, este alegado “retrato” inclui uma secção de fases célebres das personagens em causa, de escolha já mais duvidosa. É assim que de “Eu, rex” atribuído ao primeiro rei de Portugal, se passa para “Sou filho adoptivo do proletariado” de Álvaro Cunhal, lugar-comum que pouco nos elucida sobre o pensamento e obra vasta (política, literária e artística) do dirigente histórico do PCP mas que, pelo contrário, constitui uma espécie de frase-fétiche sobre a sua origem burguesa, procurando explorar o que essa circunstância permite adivinhar de desejos reprimidos, de frustrações, angústias e de traições de classe, mitos e especulações de que gosta de se alimentar a petite histoire.


Por fim temos um Salazar assertivo com o “Sei muito bem o que quero e para onde vou”, imagem firme – e, nesse sentido, percepcionada como positiva – da ordem no meio do caos, encarnação do pater familias complacente mas determinado, severo mas justo. Esquecem-se convenientemente outras afirmações célebres da personagem como “Para Angola, rapidamente e em força” de tão má memória (e que conduziria o país a uma sangrenta guerra colonial de treze anos), ou expressões emblemáticas como “Uns safanões a tempo”, eufemismo com que descreveu a repressão brutal e as práticas de tortura da polícia política, ou ainda o “Viver habitualmente”, verdadeiro slogan do regime e que representou, como se sabe, um estado de marasmo provinciano e de analfabetismo atávico durante quase meio século, colocando o nosso país nos últimos lugares de todos os indicadores de bem-estar e desenvolvimento das sociedades.


A irrelevância da rubrica “maior adversário” (porque pessoaliza escolhas que têm necessariamente que se colocar noutra dimensão) e o delírio pueril e adivinhatório das rubricas “hobbies” ou “sonhos”, transportam-nos para uma fase em que os critérios são já altamente duvidosos e discutíveis. Mas o que é verdadeiramente escandaloso é, no caso de Salazar, a escolha feita na rubrica do “acto mais condenável”; tão-só a circunstância de “Provocar um agravamento grande dos impostos que ninguém gostou”! Será possível que não se divise nada mais grave na governação de Oliveira Salazar do que um “agravamento grande de impostos”? A ser assim, Sócrates que se cuide. Onde estão o autoritarismo da governação, a perseguição política dos adversários, a prisão, tortura e eliminação de muitos dos opositores ao regime, a pobreza e o analfabetismo enaltecidos, o atraso cultural, a manipulação das consciências e a intolerância inquisitorial? Branqueiam-se as realidades, reescreve-se a História. Por isso, até o insuspeito historiador Rui Ramos salienta que “a propósito de Salazar, não se discutiu uma personagem histórica, mas uma figura de retórica – um cabide imaginário onde o facciosismo de uns e a ignorância de outros penduraram arbitrariamente males e virtudes.” (Público, 28/3/07).


O absurdo da situação leva Luís Afonso a escrever no seu “Bartoon” este delicioso diálogo: “Salazar sentir-se-ia hoje bastante desconfortável”, diz o barman; quando o cliente pergunta porquê, aquele acrescenta: “Esteve metido numa votação e agora anda a promover um debate.” (Público, 28/3/07). Só assim se explica, aliás, que no mesmo inquérito, o maior feito atribuído a D. Afonso Henriques tenha sido “A invenção de um país”. Pois.


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 14:16
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds