Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 1 de Janeiro de 2007
Iraque: TUDO MENOS UM MÁRTIR!

O que é que o mundo podia esperar de um regime resultante de uma Guerra imposta por outro regime e que se deu ao luxo de baptizar essa operação de “choque e pavor”!! Lembram-se? O que esperar de governantes deste calibre? A guerra que Bush desencadeou contra o Iraque tem sido um episódio que cobriu de vergonha e maus prenúncios todo o início do século XXI. Já foram consumidos rios de tinta para analisar as “razões de Estado” que teriam levado a maior nação do planeta, incontestável no seu poderio bélico e na sua pujança económica, a lançar-se “numa escala nunca antes vista” sobre um povo miserável em nome do mal que um regime político estaria a causar à humanidade e à segurança do mundo. Por incrível que pareça, ainda não se conseguiu entender tudo com clareza, tamanha tem sido a insensatez. Como sabemos, houve “gente” que se pôs a falar em “guerra justa” (a troco de quê?) ou a justificar os actos militares como fazendo parte de alguma “necessidade estratégica” ou das responsabilidades de um país-império obrigado a agir como senhor do universo. Como sabemos, ainda, houve/há muito pouco de justo, justificável ou compreensível em tudo isto.


A guerra que Bush e os seus apaniguados despoletaram foi um monumental erro político. Antes de tudo porque desapossou os EUA de uma política externa coerente e os levou ao isolamento e à desmoralização (apesar de tudo, as últimas eleições já foram um sinal para emendar o erro!). Bush, obrigou a América a romper com os seus aliados, a agredir a opinião pública mundial e a arrogar com o ónus de ter sabotado e humilhado a ONU, agudizando uma crise que a coloca numa situação irreversível. Depois de tudo o que tem acontecido, nomeadamente os últimos acontecimentos no Iraque, como ficará a diplomacia americana de agora em diante? Para além das causas de toda esta situação, a doutrina Bush não se tem mostrado à altura das exigências históricas do período actual. Tem sido provinciana, enfatuada e arrogante, num contexto, como sabemos, mais cosmopolita e desejoso de entendimento. Claro que tudo isto, está longe de converter os EUA em factor de paz e construção; pelo contrário, tem sido um actor unilateral, que só se afirma à base da intimidação e destruição, parecendo almejar um mundo onde não existam diálogos e interacções, mas apenas hierarquias e submissões, onde a lógica implacável do mercado se combine com a lógica perversa do império, onde “a guerra leva mercados à euforia”, como “gostam” de afirmar os média.


As manifestações de repúdio contra o “assassinato” (ordenado por um tribunal!!!) de Sadam que encheram ruas e praças do mundo árabe, foram um eloquente sinal de que a guerra que Bush foi/é responsável, parece destinada a ampliar o fosso que separa os norte-americanos de aliados preciosos, um fosso que só já não é maior porque a cultura americana, felizmente, mau grado a demência dos actuais actores políticos, é rica demais e está presente demais na vida dos povos, mediante ícones e valores que se tornaram uma espécie de “segunda natureza” em todos os continentes.


Por mais acções, reacções, “globalizações alternativas”, uma coisa é já incontornável: o mundo assumiu a forma de um império e não pode viver sem o protagonismo norte-americano, que é a sua principal potência. Mas atenção, também é insuportável conviver com protagonismos asnáticos e obstinados. Aqui há uns tempos não muito distantes, não era fácil imaginar em que mundo se viveria se depois do Iraque os EUA passassem a determinar que regimes políticos eram/são bons ou convenientes/vantajosos, que governos mereciam “sobreviver”, que líderes podiam ser acolhidos ou consentidos, quais deles seriam legítimos, a quem precisariam de dar sumiço, num absoluto desprezo pelas instituições e tradições de uma sociedade, pelas suas escolhas políticas e maneiras de ver a vida.


Estaremos perante um mundo regressivo, no qual só se pode respirar um único ar, se falará uma só língua e se terá apenas um código de conduta. Claro que um cenário assim, só tem um nome: totalitarismo. Totalitarismo radicalizado, onde não haverá apenas disciplina e obediência, mas acima de tudo uma engrenagem sofisticada de controlos biopolíticos e ideológicos. No fundo, um mundo movido a choque e pavor. Este seria um mundo tão absurdo e paradoxal que não é razoável imaginar que venha a produzir-se. A história dos impérios não é feita apenas de louros, glórias e vitórias, mas também de decadência, fracasso e degradação. Por trás dos mortos de Bagdad não há como antever, ainda, nenhum oásis. Mas a história navega por rotas irregulares e de ventos instáveis. O atoleiro do Iraque talvez tenha contribuído para arrepiar caminho!


... com a ajuda das leituras da ponte Atlântica, entre outros, de Milton Lahuerta, Marco Aurélio Nogueira, Fernando de La Cuadra, Alessia Ansaloni, Leandro Konder, Guido Liguori, etc



publicado por albardeiro às 19:57
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds