Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sexta-feira, 14 de Outubro de 2005
PAI TIRANO

Uma análise do Hugo Fernandez sobre os grandes factores estruturantes da sociedade portuguesa – o caciquismo, clientelismo e paternalismo -, essas permanências de “mando” discricionário e sem contraste que persiste desde os antigos chefes políticos, senhores do eleitorado e do “voto de cabresto” através de foguetório, cunha e mediocridade predicado do Portugal Liberal do séc. XIX. O texto pela sua extensão será dividido em duas partes.


PARTE I


No questionamento que fazemos da nossa vida quotidiana contentamo-nos, muitas vezes, com a enumeração de preceitos e razões que não ultrapassam a dimensão do senso comum. Não é mau que isso aconteça, se tivermos em consideração que, pelo menos, exercemos dessa forma a nossa capacidade crítica e a nossa competência racional. Este âmbito de análise conduz-nos, no entanto, a dois enviesamentos importantes na compreensão do que se passa em nosso redor. Por um lado, não conseguimos ultrapassar o nível da aparência dos fenómenos, perdendo com isso informação indispensável para uma reflexão mais fundamentada. Por outro lado et pour cause, falhamos na detecção das determinantes causais essenciais e na escala e implicações das consequências que advêm das situações com que nos confrontamos. Resultado? Desfocamos a realidade e falhamos o alvo das denúncias.


Vem isto a propósito das passadas eleições autárquicas. A previsível vitória das candidaturas populistas e trauliteiras de Fátima Felgueiras, Isaltino Morais e Valentim Loureiro (Avelino Ferreira Torres era demasiado troglodita para ganhar Amarante), pareceu confirmar aquilo que muitos já anunciavam em finais de Setembro; a glorificação daqueles que se encontram a braços com a justiça, ou mesmo dos mais rematados “fora-da-lei”, por parte de eleitores ignorantes e idiotas. Como dizia Nicolau Santos no Expresso (24/9/05), “Dentro de 15 dias saberemos de que massa somos feitos. Saberemos se somos um povo com valores, que não premeia fugitivos à lei, pessoas que enriqueceram sem explicação válida ou que influenciaram decisões. Ou se somos um grupo de indigentes, que não merece existir como nação.”. No mesmo registo, desta feita no Jornal de Notícias (24/9/05), David Pontes afirmava, “Nas próximas eleições o que vai estar em escrutínio é a qualidade de um povo, perante o acto mais nobre que pode existir em sociedade, que é o de escolher os seus representantes pelo voto.”


Compreendo o sentido de tais afirmações e a indignação que lhes está subjacente. Duvido, no entanto, que a perspectiva adoptada seja a mais pertinente. Cabe, então, interrogar-nos do porquê das sucessivas eleições de tais personagens e da passiva aceitação de um domínio político tão controverso. Isto partindo do princípio, que parece consensual, de que vivemos num regime democrático, onde a liberdade de expressão e a possibilidade de crítica são uma realidade.


É evidente que não é à ignorância ou mesmo a uma alegada estupidez das populações em causa, que podemos assacar as responsabilidades por tal atitude. Até porque se esquece que a “qualidade de um povo” tem sobretudo a ver com o modelo de sociedade que se adopta e o seu grau de desenvolvimento humano. E estes são, em grande parte, induzidos pelas suas elites e por aqueles que detêm o poder. E é talvez nestes últimos, mais do que naqueles, que temos de procurar as explicações para um conjunto de fenómenos que atravessam a sociedade portuguesa. Porque o que nos parecem ser as opções mais discutíveis e as escolhas mais disparatadas têm razões sociais, políticas e ideológicas profundas, a malha da nossa análise terá que ser bem mais fina.


Enfatizemos apenas um aspecto que nos parece verdadeiramente decisivo; o papel do paternalismo enquanto fenómeno estruturante da nossa sociedade. Este papel é, de resto, concomitante com a lógica da pretensa desideologização dos nossos tempos e o alegado apoliticismo da ordem neoliberal.


A tradição do poder estatal no nosso país é uma tradição eminentemente centralizadora, dando escassa margem de manobra a todos aqueles que não se encontram no Terreiro do Paço, ou que, de alguma forma, não têm capacidade para influenciar as decisões que aí são tomadas. Esta macrocefalia da capital tem, como reverso da medalha, a proliferação de miríades de redes de influência e compadrio locais e da manutenção das inúmeras prebendas e sinecuras dos “pequenos poderes”. A relatividade e fluidez dos mais elementares princípios éticos, a que assistimos nos dias de hoje, acaba por justificar o injustificável. Como disse no início da década de setenta do século passado o professor norte-americano John Rawls, na sua obra clássica de filosofia política Uma Teoria da Justiça, “È fácil, para aqueles que possuem posições sociais mais poderosas, promover os seus interesses de forma injusta sem que se consiga demonstrar que ultrapassaram claramente os limites toleráveis.” O óbvio desta constatação radica numa multiplicidade de elementos coadjuvantes dos quais não é despiciente a capacidade de controle sentimental das populações, numa dupla perspectiva ideológica e psicológica (de que, aliás, não podemos arredar o papel desempenhado por uma comunicação social subserviente quando não abertamente cúmplice). Tal como não se pode negar o poder económico e social de que estes tiranetes fazem uso para subjugar as populações.


O líder local é o mediador entre as populações que domina e o poder central. Essa posição acaba por granjear-lhe um estatuto muito particular junto de uns e de outros e a possibilidade de aceder a um conjunto de privilégios que, quando convenientemente usados, propiciam o feed back de todo o sistema e a perpetuação do seu poder. O paternalismo tem, nestas circunstâncias, um espaço de eleição.


CONTINUA



publicado por albardeiro às 13:05
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De andarilho a 15 de Outubro de 2005 às 22:47
Ainda perdura soberanamente no "povo" a ideia de que tudo se deve esperar do poder/governo e seus agentes, particularmente favores, e, na relação Estado/sociedade, ainda permeiam os critérios do paternalismo e clientelismo. Dificilmente ultrapassaremos os nossos atrasos se não formos capazes de vencer o clientelismo.


Comentar post

pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds