Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quinta-feira, 5 de Janeiro de 2006
DESAFIOS: Política e Intelectuais!

A questão dos intelectuais é daquelas que costumam ser chamadas de "tradicionais e intemporais". Sai ano, entra ano, mudam hábitos, passam as modas, e o tema persiste. Perniciosos profetas! Já houve quem pregasse o "fim das ideologias", quem se rendesse ao embaciar das utopias, quem falasse em fenecimento dos intelectuais (ou de um certo tipo de intelectual), mas não houve ninguém que deixasse de se interrogar sobre este personagem.


Plasmados, dizemos isto não porque temos um intelectual (ou serão mais?!!!) como candidato à Presidência da República, bem como respeitáveis intelectuais na sua “candidatura”. Mas é evidente, dizemos nós (outros dirão: - “Olha, este ainda acredita no Pai Natal”!) que muitos se surpreendam, e com razão, ao constatar que um "mero" escritor/poeta pode chegar ao principal cargo político do país e o exerça, digamos assim, sem pruridos e pondo de lado a maioria dos traços que tipificam o intelectual. Em linhas gerais, estes são traços que o senso comum associa ao amor pelas ideias, ao linguarejar prolixo, a uma certa dificuldade de viver o quotidiano (o que não é o caso), e que o pensamento teórico associa à disposição crítica, à capacidade de elaboração, à dedicação pública, e por que não a um certo “engajamento” político. O senso comum vê o intelectual pelo que ele tem de mais caricato, e rejeita-o por isto, ainda que o assimile e quase sempre o respeite. O pensamento teórico vê-o antes de tudo pelo ângulo das suas funções “substanciais”, e valoriza-o por isto. São tantas as imagens possíveis dos intelectuais que qualquer pretensão de tratá-los como se compusessem um agregado homogéneo, distinto dos demais, estará sempre fadada ao mais rotundo insucesso.


Façamos História! Na mesma linha de Marco Nogueira, Elide Rugai Bastos e Walquiria Leão Rego [em Intelectuais e política: a moralidade do compromisso (Campinas/São Paulo), Ed. Olho d'Água, 1999], não é por outro motivo que a literatura está repleta de tentativas de entender os intelectuais, de decifrar os seus papéis e as suas relações com as classes, o Estado e a política. Alguns, como o francês Julien Benda – autor de um livro famoso, La trahison des clercs, de 1927 – querem (queriam) o intelectual como guardião da cultura superior, dos valores universais (a justiça, a verdade, a razão), condenando todo aquele que trair este ideal e não se deixando "rebaixar" ao plano da política viva ou da contestação. Outros, como o marxista italiano Antonio Gramsci, viam (vêem) o intelectual como um protagonista estratégico na produção da auto consciência crítica de uma comunidade: um organizador, um dirigente, um "especialista" na elaboração conceptual e filosófica, intimamente colado à aventura histórica de um Povo-Nação e, portanto, “embebido” de política. Mais ou menos estremados por estas posições polares, outros e diversos grandes pensadores deixaram a sua marca no debate: Fichte, Ortega y Gasset, Weber, Mannheim, Croce, Sartre, Bobbio, para evocar os mais “estafados”.


Dito isto, trata-se, porém, de um debate que não prolifera apenas no terreno teórico mais abstracto. Para o bem ou para o mal, está sempre invadido pela vida, que o enriquece com novas determinações e o acossa com novas inquietações. Todavia, no que é que ficamos? Com as dúvidas mais pessimistas da razão crítica ou com as certezas mais optimistas da vontade política, ou ainda, com a ética da convicção ou com a ética da responsabilidade? O que se pode esperar do intelectual que chega ao poder ou dele se aproxima? Um maior distanciamento em relação às exigências da política ou o abandono da condição mesma do intelectual? Quais os compromissos que tem o intelectual diante das mudanças e dos dilemas do seu tempo?


Estamos perante desafios aliciantes e perturbadores: a reflexão sobre os papéis e a natureza do intelectual só pode crescer em importância. Isto é ainda mais assim porque política e cultura tornaram-se dimensões unidas demais e, sobretudo, porque o mundo da cultura digital, das tecnologias da inteligência, está alucinantemente a assacar maiores desafios a todos os que desejam fazer algo com as ideias. E é assim, acima de tudo, porque vivemos num momento no qual, tendo por fundo uma globalização ainda mal compreendida, verte sem empecilhos a ideia de que se acabaram os contrastes, de que temos de nos “adaptar” ao que está aí, de que “existe” apenas “uma” explicação e de que, portanto, já não necessitamos tanto de inquietação crítica. O desafio continua – pensar o intelectual é deixar a porta aberta para um futuro que se anuncia na contramão do sistema – uma empreitada revigorante para os tempos de hoje.



publicado por albardeiro às 18:14
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De Curioso a 17 de Janeiro de 2006 às 18:38
http://ruidoeleitoral.blogs.sapo.pt/


De Moura Viva a 17 de Janeiro de 2006 às 18:34
Está On Line um novo espaço interactico onde pode apresentar as suas sugestões, críticas, etc.
Aqui fica o convite para conhecer o Moura Viva http://mouraviva.blogs.sapo.pt Este espaço é a sua voz na cidade.Divulgue-o pelos seus amigos e participe.


De Freire a 17 de Janeiro de 2006 às 18:27
Visite: http://jsdalvito.blogs.sapo.pt/, veja o que nós penssamos


De andarilho a 6 de Janeiro de 2006 às 11:55
Como se sabe e é ponto assente (aliás, bem expresso no texto), nas complexas democracias contemporâneas, os intelectuais, como aponta Bobbio, desempenham duas funções de natureza política:

Proporcionam aos que detêm o poder actual ou potencial a mensagem axiológica dos princípios directivos;

e oferecem os conhecimentos-meio adequados para alcançar um determinado fim. Por outro lado, a Internet mudou, também, os modos de produção e gestão política do conhecimento, descentralizando estes processos. Graças a ela, já não dependemos apenas da boa vontade do mercado, da burocracia, dos grandes meios de comunicação de massa, da indústria editorial, do marketing, das “modas” impostas pelos supostos “centros” de produção académica - Europa e EUA - e dos grupos de poder intelectual para produzir e divulgar ideias, nem, mais do que isto, discuti-las e reelaborá-las juntamente a um grande número de pessoas em todo o mundo. Esta mudança tem consequências não apenas nos modos como se realiza o trabalho intelectual, como também no lugar ocupado pelos intelectuais na sociedade


Comentar post

pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds