Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 21 de Janeiro de 2006
Campanha Alegre II (DESASSOMBRAMENTO)

Como sempre as leituras da PONTE ATLÂNTICA recordam-nos, de modo inevitável, não só as controvérsias que subjazem numa campanha eleitoral como os delineamentos políticos e institucionais de um regime que se quer democrático. Como sabemos, em política, a ameaça é um recurso de poder tão antigo quanto a própria política. Tem sido empregue de forma declarada, seguida do anúncio de castigos, ou com luvas de pelica, acompanhada da promessa de recompensas. Mas pretende sempre gerar o receio de que haverá algo de funesto se vier a faltar o líder virtuoso (providencial) ou não for seguida a palavra verdadeira.


O processo eleitoral prestes a concluir-se foi vivido sob o signo da ameaça. Quase todos previram desgraças para depois das eleições. O governo, timidamente, não se cansou de recordar o “desastre” que se seguiria a uma vitória do candidato do (seu) “centrão” à sua direita . Muitos “situacionistas” (leia-se do “centrão” e adeptos do “rotativismo”), ao contrário, trabalharam com a ideia de que o day after será tenebroso precisamente se os candidatos dos “interesses” (com alguma distinção e pouca convicção) não for(em) eleito(s). Nesses últimos dias de campanha, ao passo que o governo, atabalhoadamente, se anunciava como fiador da tranquilidade nacional, parte da oposição mais à esquerda falava em «punhalada pelas costas» para qualificar a estratégia desastrada do partido de governo, de facto, com alguma razão.


Utilizando uma ideia do politólogo brasileiro Aurélio Nogueira, poder-se-á afirmar que, vivemos sob o signo da ameaça há muito tempo. Antes do 25 de Abril, ela integrava o nosso quotidiano. Pensámos que, com a democracia, a ameaça seria banida. Na verdade, não foi bem assim: a imagem do inferno acompanhou as tentativas de tomada do poder nos anos que se seguiram, o mesmo sucedeu para aplacar a inflação a partir dos princípios dos anos oitenta, tanto quanto as resistências que se seguiram a elas (tentativas). Mais recentemente, a ameaça ressurgiu com a globalização, a crise financeira internacional, a incerteza quanto ao futuro. E aí estacionamos.


Sem panaceias - trata-se da artimanha preferida da cultura neoliberal que pretende monitorar a globalização – até parece que não temos mais história, pois hoje tudo está ao sabor do mercado e o mercado, por se autocorrigir espontaneamente, tornaria supérflua a intervenção da vontade humana. Estamos condenados a uma só ideia, a uma só solução, a um único e bom mundo. Fora isso, o caos ou o nada. Daí o ”vomitar” ameaçador dos situacionistas do “centrão”.


O governo em boa medida tem compartilhado esse discurso desnorteado: - aceitem-nos, com os remédios amargos que somos obrigado a prescrever, pois somos vítimas de uma situação objectiva inexorável, mais forte do que tudo. Não há outro modo de conviver com as turbulências mundiais. Os nossos únicos perigos são a crise sistémica internacional e a intransigência cega dos interesses corporativistas, que impedem as reformas necessárias. No fundo, dissimulando e querendo ignorar que os principais paladinos dos interesses estão sentados na “sua” bancada parlamentar.


Esta ameaça que permanece pairando sobre o nosso quotidiano, converteu-se no esteio de uma estratégia de dominação. O engenheiro Sócrates e a sua tralha, não percebeu ou não quis perceber o que aconteceu o ano passado em Fevereiro. Percebemos nós, hoje, que o governo se tornou refém de um estratagema capitaneado pelo grande capital financeiro (improdutivo) e pelos grandes interesses merceeiros. Aceitou também, sem se importar muito com a justiça social, como parceiro de um projecto de hegemonia. Nesse projecto, há uma ideologia que não se consegue conter. Ela dedica-se a sobrepor o mercado ao Estado, o económico ao político, o especulativo ao produtivo. A difundir uma imagem de sociedade como um território de consumidores felizes refractários a qualquer reciprocidade. Nessa sociedade, para eles, não hhaveria necessidade de oposição; bastariam algumas oposições dóceis, construtivas, distantes da contestação sistémica e de tudo que se aproxime do radical, do ideológico, do utópico. Os cidadãos deveriam permanecer colados à sua imediaticidade, aos seus direitos de consumidor, despojando-se de futuro. A política, por sua vez, estaria neutralizada pelo económico, esvaziada como terreno de luta por ideias e projectos. Talvez tenham uma surpresa!


O establishment não se tem poupado esforços para viabilizar essa estratégia de dominação. A social-democracia e a esquerda democrática dos valores e da justiça social foram engolidas por uma coligação vampírica pragmaticamente desenhada. O próprio Presidente que desejam não pode ser alguém que se orgulhe do seu passado de combatividade. O establishment passou a deslegitimar o ser de oposição, dizendo basicamente que ser contra o governo é facilitar a volta dos tempos “perniciosos”, é ser contra o País, contra a estabilidade, contra as reformas que nos trarão a nova sociedade de amanhã. Perguntamos: então quem tem contribuído para que esta mediocridade seja endémica? Quem tem feito parte do rotativismo? O establishment do centrão, por isso, passou a atribuir-se o papel de única verdade e única certeza, algo quase etéreo, posto que incapaz de se equivocar: os problemas nacionais jamais derivariam de erros de orientação governamental, mas seriam impostos ou pela crise externa ou pela cegueira dos que são "contra". Nesse contexto, e na sua perspectiva, não há espaço para a oposição democrática, a verdade é deles e a eles pertence; não há espaço para viabilizar um projecto alternativo político e democrático.


Foi-nos roubada a “alma”: ou seja, a aposta nas possibilidades da política como algo mais forte do que a satisfação de interesses materiais específicos ou a contraposição pontual aos governantes. Querem-nos roubar também a hipótese da política como projecto. Com isso, o establishment deixaria de ser contestado prática e teoricamente. Retornando a Aurélio Nogueira, este clima de ameaça, que mobiliza poderosos recursos de poder, não ajuda a oposição democrática a adaptar-se à globalização e a fazer frente à nova moral colectiva em constituição. Pretende bloquear, assim, ao menos no momento presente, a possibilidade de se poder encontrar a abertura por onde se possa aproveitar as condições favoráveis que inegavelmente existem e construir as bases de um outro futuro. Necessitamos de FUTURO



publicado por albardeiro às 17:12
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Marketeer a 9 de Fevereiro de 2006 às 22:39
Conhece a cidade alentejana de Vendas Novas? A Geração VN vem convidar todos os visitantes deste blog a passar por lá! É só clicar no link! Até já!


De raiodevida a 24 de Janeiro de 2006 às 12:43
É nosso dever de cidadania insistir na denúncia de que esta política económica não atende aos interesses da maioria e que aumentará cada vez mais os problemas sociais. A suposta estabilização macroeconómica, apoiada em políticas monetária e fiscal restritivas, ocorre em detrimento da estabilidade social. As taxas de desemprego e de subemprego nas principais regiões metropolitanas elevam-se a um quarto da população activa, o que configura, de longe, a maior crise social da nossa história, levando a uma escalada da marginalização social, da criminalidade e da insegurança.
A democracia é o que nos faz construir a sociedade que queremos ter. Queremos "somar" com outros grupos e formarmos uma grande rede de organizações para o exercício da nossa cidadania, através do acompanhamento político. A participação política do cidadão trará subsídios e informações necessárias a uma maior conscientização. E como disse John Stuart Mills, em seu livro ”Considerações sobre governos representativos”, que ainda que você participe activamente dos processos democráticos, não poderá ter a certeza de que os seus interesses serão bem protegidos – mas se estiver excluído, pode ter a certeza de que os seus interesses serão gravemente feridos por descuido ou por perdas completas”. Portanto, é melhor estar dentro do que fora. A coisa começa a ganhar forma!



Comentar post

pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds