Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 4 de Março de 2006
FALEMOS DE POLÍTICA

Os cartoons têm isto de bom. Num único desenho conseguem expressar ideias e sintetizar as situações mais complexas. Um desenho de Chapatte no International Herald Tribune mostrava manifestantes islâmicos a pedir vingança contra o Ocidente ao mesmo tempo que, em primeiro plano, o líder sírio comentava com o líder iraniano “I love cartoons”. Desta forma simples e directa acaba por se revelar muito do que está em causa na actual crise internacional, já apelidada de “guerra das caricaturas”. Pensamos apenas que aos dois dirigentes muçulmanos teríamos que juntar muitos outros dirigentes políticos mundiais, quer do Oriente quer do Ocidente, a começar pelo presidente dos E.U.A, George W. Bush, e o primeiro-ministro britânico Tony Blair.


Com efeito, na nossa opinião, mais do que qualquer questão relacionada com a liberdade de expressão, do que aqui se trata é de prosseguir numa via de provocação e confronto que visa o extremar de posições para legitimar derivas securitárias e justificar escaladas belicistas que têm como único objectivo assegurar as posições mais vantajosas no jogo de poder a nível mundial. Tratam-se, portanto, de opções políticas conscientes e definidas de há muito. Aliás este episódio das caricaturas não passa de um epifenómeno de uma situação muito mais vasta e complexa relacionada com os equilíbrios de poder existentes no nosso planeta e que, atravessando transversalmente países do Ocidente e do Oriente, da cristandade e do Islão (e, já agora, de outros), tem permitido a manutenção de recorrentes injustiças e desigualdades no seio da comunidade internacional. O que aqui está verdadeiramente em causa é um modelo político fundamentalista, que tem como base o maniqueísmo das interpretações e o fanatismo das atitudes; e .


A história é fácil de contar. Para ilustrar um livro sobre Maomé, um dos mais populares escritores de literatura infantil da Dinamarca, Kare Bluitgen, procurou o editor de cultura do jornal dinamarquês Jyllands Posten, Fleming Rose. Este resolve promover um concurso de caricaturas que são publicadas no dia 30 de Setembro. Seriam estas 12 caricaturas que acabariam por incendiar o mundo islâmico. Aos ataques energúmenos às embaixadas e aos interesses de países ocidentais, somou-se a intolerância ao Islão e a histeria perante uma suposta ameaça islâmica (ora, que eu saiba, não há nenhum país europeu ou americano militarmente invadido e ocupado por uma potência muçulmana e não me parece que isso seja minimamente previsível). A publicação das caricaturas foi uma opção editorial ao serviço de determinada posição política e entendimento do poder a nível internacional.


Da aparente casualidade desta situação, podemos interrogar-nos do porquê deste jornal e de um país como a Dinamarca? Vejamos primeiro o jornal. Fundado em 1871, o Jyllands Posten, o diário de maior tiragem da Dinamarca, apoiou oficialmente até 1938 o Partido Conservador, considerando-se desde então um jornal independente de direita. Recorde-se que durante as décadas de 20 e 30 expressou várias vezes a sua admiração pelos governos ditatoriais da Europa, em particular pela Itália de Mussolini, e apoiou a chegada do fascismo ao país; não é por acaso que a esquerda dinamarquesa apelida este tablóide de O Fascista da Manhã.


Analisemos agora o governo dinamarquês. Anders Fogh Rasmussen é o líder do Partido Liberal e chefia uma coligação de direita com o Partido Conservador. Foi eleito em 2001 e reeleito em 2005. É um incondicional adepto das políticas neo-conservadoras de George W. Bush e da sua Administração. Foi um forte apoiante da invasão americana do Iraque, tendo-se prontificado a contribuir com um contingente militar de meio milhar de soldados, estacionado sob comando inglês, perto de Bassorá. Há muito que a xenofobia faz parte do discurso da direita populista, actualmente no poder na Dinamarca, com violentos ataques contra os países muçulmanos e com duras leis de emigração que restringem ao máximo a integração dos estrangeiros na sociedade dinamarquesa. Verifica-se, aliás, uma acentuada subida da popularidade do partido de extrema-direita, nacionalista e xenófobo, Partido do Povo Dinamarquês, que apoia desde 2001, sublinhe-se, o governo de Rasmussen. Sintomaticamente, o seu líder Pia Kjaersgaard, afirmou recentemente que “Só há uma civilização: a nossa”, apelidando o Islão de “cancro” e de movimento terrorista (Visão, 16/2/06).


As intenções políticas do periódico e do governo dinamarquês tornam-se, assim, claras. A intolerância, a provocação e a estratégia do confronto, parecem ser a regra da sua actuação. Recusando-se a receber, em meados de Outubro, dez embaixadores da comunidade islâmica residente na Dinamarca (cerca de 3% numa população de 5,4 milhões de habitantes), o primeiro-ministro dinamarquês, alegando a liberdade de imprensa, desviou os protestos do âmbito político para o âmbito judicial. Pensava que assim o problema estaria resolvido. A mesma atitude teve, de resto, o próprio chefe de redacção do jornal em causa, Carsten Jude que, em editorial, reiterou a defesa da liberdade de expressão e a publicação das caricaturas. Mas é mesmo da liberdade de expressão que se trata? Ou estaremos antes perante mais uma manifestação provocatória da cruzada contra o “Eixo do Mal”, amplamente promovida pelas autoridades norte-americanas?


Do outro lado, a reacção foi de igual intolerância e fanatismo. Foi também cuidadosamente orquestrada. Com efeito, algumas das famosas caricaturas foram publicadas logo em Outubro – dia 17, no jornal egípcio Al Fagr – sem levantar qualquer polémica. Esta só surgiu dois meses depois, quando os líderes muçulmanos reunidos num encontro em Meca da Organização da Conferência Islâmica, no dia 8 de Dezembro, coordenaram acções de revolta, com o apoio de vários países muçulmanos. É clara a manipulação política de todo o assunto. O próprio vice-director do Centro de Estudos Estratégicos e Políticos Al-Ahram, no Cairo, Muhammad el-Sayed Said, confirmou que “não se passava nada de especial até a Conferência Islâmica ter tomado uma posição contra isso” (Público, 10/2/06). Os governantes muçulmanos viram aqui uma excelente ocasião para agradarem às suas opiniões públicas (à falta de reais melhorias das condições de vida da imensa maioria dessas populações), reagindo de forma “musculada” contra esta provocação ocidental, ao mesmo tempo que marcavam pontos no terreno da oposição islamista, ao mostrarem defender o Islão com idêntica firmeza.


Esta estratégia está longe de ser original. Veja-se, por exemplo, o que fez o ayatollah Khomeini quando, após o fim da guerra Irão-Iraque, necessitou de mobilizar os sentimentos religiosos dos seus conterrâneos e dos muçulmanos em geral, na defesa da República Islâmica iraniana. Lançou em 1988 uma fatwa contra o escritor Salman Rushdie, condenando o seu livro Versículos Satânicos e provocando uma importante crise internacional e a troca acesa de acusações entre o Ocidente e o mundo islâmico. Estávamos perante o mesmo desrespeito pelos sentimentos alheios, a mesma lógica de confronto, a mesma ânsia de poder.


Com a actual “guerra das caricaturas” aumentou muito o número daqueles que, nos E.U.A ou na Europa, querem atacar militarmente o Irão – se preciso for, utilizando a força nuclear – bem como o número daqueles que, no Islão, querem juntar-se aos numerosos mártires da Guerra Santa contra o Ocidente. Todos eles na profunda convicção de que estão a actuar em legítima defesa e que, para tal, qualquer meio se justifica. Todos eles invocando a civilização. A sua civilização.


Num assomo de despudorada realpolitik e branqueando agressões passadas, José Manuel Fernandes, no editorial do jornal Público de dia 19 de Fevereiro, fez este espantoso raciocínio: “No fim, contam os resultados, e os resultados medem-se pelo que hoje são capazes de oferecer as diferentes culturas e civilizações como padrões de vida e convivência.” Baseia-se, para isso, nos crescentes fluxos migratórios em direcção aos países ocidentais, o que levaria a considerar este fenómeno como uma espécie de plebiscito civilizacional – no que por vezes se designa por “votar com os pés” – e numa proclamada superioridade do mundo ocidental. Para além da imprecisão e simplismo desta designação, este argumento é verdadeiramente falacioso. Até porque, se os fins justificam os meios, dificilmente estaremos já no domínio da civilização, qualquer que ela seja. Por mais benesses que tenha para distribuir ou por mais ilusões que tenha para oferecer, a dita civilização ocidental estará, afinal, bem mais próxima do que julga daqueles que diz combater. A invasão do Iraque ou o campo de concentração de Guantánamo parecem, aliás, já fazer parte desse padrão de comportamento.


A “fina película entre a civilização e a barbárie” de que fala José Pacheco Pereira (alinhando, neste caso, na versão a preto e branco dos “bons e dos maus” do pequeno mundo de George W. Bush) é entre o desrespeito pelos outros, a ganância e o belicismo (de e de ) e a tolerância, a coexistência pacífica, a defesa da legalidade internacional e o respeito pelos mais elementares direitos humanos. Aqueles dirigentes que alinham pelo primeiro conjunto de premissas são responsáveis pelo extremar de posições e pela irrupção de todos os fundamentalismos. Todos eles querem assegurar pela força o seu domínio internacional e a predação das riquezas planetárias. Mesmo se para isso tiverem que sustentar regimes corruptos e ditaduras ferozes ou promover injustiças flagrantes, subdesenvolvimento e miséria, bem como todo o tipo de “guerras santas”. Do combate ao “Eixo do Mal” de George W. Bush e Tony Blair – ou, para o efeito, Rasmussen e Jude – à destruição do “Grande Sat㔠por Mahmmoud Ahmadinejad ou Osama Bin Laden, prevalece a mesma lógica de fanatismo e intolerância. Civilização e barbárie confundem-se numa inextrincável sede de vingança e poder.


E não se trata, como insinua José Manuel Fernandes, de nenhuma atitude masoquista de autoflagelação por parte de alguns ocidentais. Trata-se de uma opção política consciente de não aceitação da actual ordem mundial, entregue aos desvarios bélicos e à ganância de dirigentes sem escrúpulos. Trata-se de reconhecer na política internacional outra maneira de fazer as coisas, repudiando decididamente o maniqueísmo dos fundamentalistas, sejam eles cristãos, islâmicos, hindus ou budistas. Trata-se, sobretudo, de procurar corrigir as enormes assimetrias e injustiças existentes e que a globalização neoliberal não fez mais do que agravar. Nesse sentido, é de saudar a iniciativa do primeiro-ministro espanhol José Luís Zapatero, ao propor na Assembleia-Geral da ONU uma “aliança de civilizações” para promover a paz e o diálogo internacionais, em especial no Médio Oriente, contrariando a ideia do “choque de civilizações” tão em voga. A este respeito, é o cúmulo da hipocrisia e do cinismo a carta enviada pela chefe da diplomacia norte-americana, Condoleeza Rice, a oferecer a colaboração do seu país a este projecto, esperando que os seus propósitos “sejam compatíveis com os objectivos dos E.U.A.” Claro que não são. E nenhum dirigente norte-americano que estivesse de boa fé poderia alguma vez oferecer tal colaboração. Pelo contrário, verifica-se que cada vez mais o que interessa à generalidade da comunidade internacional colide com os interesses americanos.


No seu famoso Bartoon, publicado no jornal Público de 18 de Fevereiro, o sempre inspirado cartonista português Luís Afonso relata a seguinte conversa entre um cliente e o barman: o cliente diz “A questão dos cartoons facilitou-nos as coisas. Agora não há dúvidas: estamos perante uma guerra de civilizações. De um lado estão eles, os maus, e do outro estamos nós, os bons.”, ao que o barman responde “Confesso que tenho alguma dificuldade…” – “em vê-los a eles como maus?”, interroga o cliente – “Não, em ver-nos a nós como bons.”, retorque o sábio barman. É que, como disse Fernando Dacosta a propósito da retirada dos crucifixos existentes nas escolas públicas portuguesas, “Só se defende fanaticamente aquilo de que se duvida.” (Visão 19/01/06).


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 11:46
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Coiso a 10 de Julho de 2007 às 17:05
Não foi Fernando Dacosta, foi Natália Correia.
in Armistício
sorry.

Passar bem.


Comentar post

pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds