Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 18 de Março de 2006
PRIORIDADES

O Irão alega que o seu programa nuclear será usado apenas para fins civis, embora poucos estejam convencidos disso. Israel usará certamente o seu arsenal nuclear secreto (de perto de 200 ogivas), em caso de ameaça. A França, por intermédio do presidente Jacques Chirac, já assegurou que utilizará o seu armamento atómico contra qualquer tentativa alheia de o fazer. Os E.U.A foram o único país do mundo que, até ao presente, fizeram uso efectivo das armas atómicas sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, no final da II Guerra Mundial. Temos, então, o seguinte panorama: uma dúvida razoável, uma provável certeza, a afirmação de uma vontade e a garantia do acto consumado. Curiosamente, as desconfianças e a pressão internacional incidem precisamente naquele país que não pode sequer – pelo menos por enquanto – fabricar uma bomba atómica.


Esta escala de perigosidade nuclear não pode deixar de surpreender. Esquece-se, por exemplo, um país como Israel que, de há anos a esta parte, viola sistematicamente todas as regras do direito e rejeita todas as determinações da comunidade internacional e aceitam-se como válidas as garantias dadas por países como os E.U.A que, por outro lado, advogam as “guerras preventivas” como forma de resolver os seus diferendos com terceiros. Legitima-se, assim, o recurso à opção nuclear para, como afirmou o presidente francês aquando da visita à base militar de Île Longue (Brest) no passado dia 19 de Janeiro, garantir os “nossos aprovisionamentos estratégicos e a defesa dos países aliados”. Está bem de ver que dificilmente se pode negar ao Irão a legitimidade do desenvolvimento de um programa nuclear com fins militares se simultaneamente se preconiza o uso dessas armas, mas reservada apenas a alguns. A compatibilização de uma estratégia de dissuasão nuclear com a reiteração de uma política activa de não-proliferação do armamento atómico, unanimemente reconhecido como a principal ameaça à paz e à segurança internacionais, torna-se mais do que duvidosa. É que, como disse um antigo ministro dos Negócios Estrangeiros francês Maurice de Murville nos idos de 1964, “Para proibir os outros, é preciso renunciar voluntariamente àquilo que se proíbe” (Le Monde Diplomatique, ed. port., Março de 2006). Assim vai a política internacional.


O que parece certo é que a deriva securitária se reflectirá cada vez mais em todos os aspectos da nossa vida, onde quer que nos encontremos. Basta ver a definição das linhas estratégicas de actuação da Policia Judiciária portuguesa, recentemente apresentadas por Santos Cabral, Director Nacional desta força, em que a prioridade das prioridades vai no sentido do combate ao terrorismo, relegando para plano bem mais modesto – quer nos meios operacionais envolvidos, quer nas verbas dispendidas – o combate à corrupção, ao crime económico e à fraude fiscal. Ninguém duvida que o terrorismo constitui hoje um risco efectivo, potenciado, em larga medida, pela escalada belicista a que nos conduziram as políticas aventureiristas de Washington e Londres, mais preocupados em garantir fontes de abastecimento energético do que em aplacar injustiças e resolver conflitos. Mas o que também me parece inquestionável é que num país onde são sobejamente conhecidos inúmeros casos de compadrio e de corrupção e onde a fuga ao fisco é a regra, estas prioridades são também, no mínimo, surpreendentes. Talvez fosse mais pertinente combater com um acrescido número dos meios policiais disponíveis estes problemas e mobilizar principalmente os esforços políticos e diplomáticos para, por um lado, contribuir empenhadamente para minimizar as causas do fenómeno terrorista e, por outro, rejeitar a lógica neoconservadora do “choque das civilizações”.


Dois outros factos, recentemente vindos a lume, parecem confirmar a actual ordem das coisas e atestar a prioridade securitária existente. Depois de dois adiamentos, o Congresso americano acabou por aprovar, nos inícios de Março, a renovação do Patriot Act. Este pacote legislativo de excepção, criado logo após os atentados de 11 de Setembro de 2001 preconiza, entre outras pérolas, buscas extra-judiciais, violação de correspondência, escutas telefónicas, prisões arbitrárias e o que designa por “provas tangíveis” como registos médicos ou mesmo listas de obras consultadas em bibliotecas. Para quem pretende apresentar-se como a nação-modelo da democracia e da defesa da liberdade contra os fundamentalismos, não está mal! Talvez por isso a juíza Sandra Day O’Connor, que se demitiu o mês passado depois de 24 anos no Supremo Tribunal dos Estados Unidos – nomeada, sublinhe-se, por Ronald Reagan – tenha afirmado, num colóquio de advogados que decorreu na Universidade de Georgetown, em Washington, que os E.U.A se encontram “em perigo de derrapar para uma ditadura” (The Guardian, 13/3/06).


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 14:35
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De O Restaurador a 26 de Março de 2006 às 17:56
I Encontro de Blogues em Vila Viçosa

Participe e divulgue! Saiba mais em http://encontrodeblogues.pt.vu/ e no Restaurador da Independência.

Saudações!


De DC a 20 de Março de 2006 às 11:45
Só me ocorre dizer que as leis podem ser definidas como a implementação da vontade dos dominadores. Do império Romano ao Britânico, passando pela época do esclavagismo, feudalismo e colonialismo, os estados e impérios ampliam o escopo da sua soberania estabelecendo sistemas legais para justificar o seu reinado, depois das suas invasões e guerras terem criado o princípio de que “ o poder faz as regras”. Como se sabe, desde o final do século XIX que se tem vivenciado a dominação do imperialismo no mundo. As potências imperialistas distribuíram entre si países do mundo que controlaram através de monopólios. O direito passa a ser novamente a sua ferramenta. A soberania expressa-se pelo direito para controlar os povos do mundo. O mundo de hoje não é diferente do passado. O imperialismo impõe a sua lei arbitrária, agressiva e tirânica sobre os povos dominados usando o seu poder para legitimar o que faz. A “guerra contra o terrorismo” transformou-se no instrumento legítimo do imperialismo dos EUA com o objectivo de atacar e deflagrar as suas “ guerras preventivas” . Referimo-nos a um período de guerra contínuo que poderá durar décadas. Dick Cheney disse que “ podemos interferir em 40 a 50 países”, e, acrescentou, “ as nossas vidas podem não ver o final da guerra”. O mundo todo está agora envolvido numa arena bélica. Em suma, estamos perante uma ordem de direito imperialista que funciona na base do poder, soberania e guerra e que cada vez mais aperta o cerco. Esta ordem divide o mundo em dois : os que obedecem ao imperador e os que não obedecem, os que se opõem a ele ou não, e os outros são definidos como “inimigos” e assim se encontra a erradicação do inimigo legítimo.


Comentar post

pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds