Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 17 de Abril de 2006
A Fábula do SIMPLEX e a governação virtual… perdão, digital!

Aumentam como bola de neve, por esse planeta fora, as opiniões em favor da ideia de que a informática e a internet ajudam a que se governe melhor e, simultaneamente, fazem com que, em contrapartida, aumente a satisfação das pessoas com os governantes. Não há jeito nem forma para destoar deste axioma. Como sabemos, expande-se vertiginosamente a procura por serviços - na mesma proporção, aliás, em que aumentam os problemas sociais e muda a noção de tempo das pessoas - e as novas tecnologias tornaram-se indispensáveis. Na actualidade, por mais que custe a alguns, sem elas, dificilmente os governos conseguirão trabalhar adequadamente. O e-government é uma exigência do mundo real.


Todavia, o cenário geral, porém, ainda é nebuloso. Na linha do que afirmou Aurélio Nogueira(2001), a sedutora expressão “governo electrónico”, por exemplo, deve ser vista com alguma cautela, pois reduz o governar ao campo estrito da prestação de serviços, deixando de lado a sua dimensão mais propriamente política, referente ao dirigir e ao articular, com vistas a fixar directrizes de acção para a colectividade, reforçar os seus laços internos e a sua convivência. Apesar do facto consumado, ainda há tempo, também, para discutir com cuidado a tese de que as novas tecnologias trazem consigo a melhoria do desempenho e a renovação nos métodos de gestão. Os “novos” tecnocratas estão convictos que, como a internet e a informática operam noutra escala de tempo e velocidade, elas forçariam as organizações a rever os seus procedimentos, quer a sua cultura quer os seus estilos de funcionamento, abraçando a descentralização e a flexibilidade. O próprio modo de ser do mundo digital entraria em choque com o ritmo e os critérios de funcionamento das burocracias.


Esquecendo a fabulação, trata-se de algo plausível, mas que confia excessivamente na força da tecnologia. A aplicabilidade destas medidas – vulgo simplex - dentre outras coisas, não está dito que a alteração de simples quebras de padrões organizacionais produzam por si só ganhos em termos de eficácia e eficiência. Falta estratégia, planeamento e cultura organizacional. Só se melhora o desempenho e se inova a gestão se existirem projectos claros e vigorosos, vontade política e acima de tudo imaginação criativa, visão ético-política e recursos humanos qualificados (a começar nos próprios deputados da nação). Meus senhores… tenham paciência! Das novas tecnologias não derivam, automaticamente, competência e qualidade. Muito menos cidadania e transparência. Não se governa no vazio, em abstracto. Governa-se numa comunidade, com ela e para ela. Além do mais, não se governa só para alcançar maior eficiência, menores custos e mais agilidade. Na verdade, isto tem que ser mais do que propaganda, isto é, como bons aprendizes do empreendedorismo e da terceira via trabalhista, o governo repete o chavão “governar melhor para melhorar a vida dos cidadãos” (à custa de tanto repetir até parece ser verdade). Meus senhores… a utilização dos meios electrónicos não podem ser um fim em si mesmo é necessário traduzir-se em resultados que engrandeçam as pessoas e a cidadania.


Precisava que me explicassem de que forma é governar “electronicamente” se a comunidade não é electrónica? Que medidas e apoios efectivos tenciona o governo implementar, quando cada vez mais o poder de compra dos cidadãos se restringe e os impostos aumentam? Meus senhores… um “governo electrónico” precisa de simultaneidade e reciprocidade com uma comunidade preparada para assimilá-lo e acima de tudo controlá-lo. Por que isto é, acima de tudo, comunicação. Deste modo, isto é básico na interacção comunicacional. Serviços “on line” em tempo integral são um benefício inquestionável para o cidadão, já que podem libertá-lo de filas e também de mau atendimento. Mas, tenham cuidado, são apenas isso? Não acabarão por impor uma outra lógica à relação entre Estado e cidadão, transformando este último em mero usuário, num “cliente” mais satisfeito e, em tese, menos preocupado em participar activamente nos seus deveres de cidadania?


Muito embora tudo isto seja muito harmonioso, no entanto, a disseminação do computador e da conectividade universal, da economia digital ou do e-government, não traz a cura dos males lancinantes da globalização, sobretudo, para sociedades periféricas como a nossa. De pouco adianta falar em informatização quando o problema, ainda no nosso país, é o de não ter comida e medicamentos à disposição, ainda que se deva reconhecer que a popularização dos meios electrónicos (computadores, telemóveis) será de grande valia para que todos, pobres incluídos, compartilhem informações importantes relacionadas à alimentação e à saúde. Claro que as novas tecnologias abrem inúmeras possibilidades para a reorganização da vida social. No entanto, devemos resistir à ideia que desponta em alguns círculos, que entendem o e-government basicamente como um novo passo em direcção ao controlo rigoroso das contas e dos negócios públicos, coisa que teria mais importância do que a própria rapidez no atendimento ao cidadão. Com a vitória desta ideia, a maior promessa do governo electrónico - uma administração voltada para o cidadão e estruturada de modo transparente, a ponto de poder ser por ele controlada - fica mortalmente ferida… e não tenham dúvidas que fica mesmo. Tal como o cidadão o Estado tem direitos e tem deveres. Por mais números e défices que apresentem nessa parafernália tecnocrática, é urgente, indispensável e necessário que não se esqueçam que ainda existem pessoas, embora mal tratadas, elas assim vão indo com a cabeça entre as orelhas, contudo… elas existem! Para mal ainda da nossa imperfeição, os computadores só por si são lixo, ainda não é possível converter a informática numa “açorda” universal.


Mais uma vez a publicitação deste texto só foi possível devido às leituras da PONTE ATLÂNTICA, entre outros, de Milton Lahuerta, Marco Aurélio Nogueira, Marçal Brandão, Fernando de La Cuadra, Alessia Ansaloni, Leandro Konder, Guido Liguori, etc.



publicado por albardeiro às 17:56
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De O Restaurador a 30 de Abril de 2006 às 11:02
I Encontro de Blogues de Vila Viçosa

Dia 22 de Julho venha até Vila Viçosa conviver com os seus amigos, traga a sua família, tenha a oportunidade de se maravilhar com a beleza de Vila Viçosa, passe um dia diferente no I Encontro de Blogues de Vila Viçosa!

Divulgue também o I Encontro de Blogues de Vila Viçosa, falando do mesmo no seu blogue, criando também um link. Pode criar um link personalizado, copiando o código do selo do I Encontro de Blogues de Vila Viçosa e colando-o no seu blogue.

Poderá obter mais informações em:

http://www.encontrodeblogues.pt.vu/
http://orestaurador.googlepages.com/home
http://orestauradordaindependencia.blogspot.com/
http://empregoalentejo.blogspot.com/
http://www.tabernainconformados.blogspot.com/
http://cidadela-dos-incultos.blogspot.com/
http://abata-afefe.blogspot.com/
http://quintoimperiodigital.blogspot.com/

Já somos 12 inscritos no I Encontro de Blogues de Vila Viçosa. Porque espera? Vamos descentralizar a blogosfera! Até Julho, em Vila Viçosa!


Comentar post

pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds