Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 25 de Novembro de 2006
Mais um caso!

Mesmo a propósito no BLOCO DE NOTAS


O caso Luísa Mesquita Depois de um caso recente semelhante, o do presidente da Câmara de Setúbal, chegou agora a vez de Luísa Mesquita (LM), deputada muito conhecida do PCP e sua voz mais activa na educação. Foi solicitada a renunciar ao mandato, recusou, foi despromovida, por quebra da confiança política. No entanto, parece-me haver uma diferença importante. No primeiro caso, foi a quebra da confiança política que levou à demissão, agora essa quebra resulta da recusa da deputada em renunciar ao mandato, a única forma de permitir a sua substituição. Como não gosto de processos de intenções, vou aceitar que a única razão do PCP era, como afirmado, o rejuvenescimento do grupo parlamentar. Diferença ainda está no facto de, ao contrário de deputado, o cargo de presidente de câmara ser muito personalizado, muitas vezes decidindo isso a eleição.


Como aconteceu no caso de Setúbal, adivinho que o PCP vai ser criticado pela maioria dos comentadores. Sendo eu muito critico do PCP, este caso, todavia, merece-me muita reflexão. Por facilidade de exposição, começo por me pôr no papel do PCP. LM foi eleita numa lista partidária, numas eleições em que os únicos programas são os programas centrais de cada partido. A esmagadora maioria dos eleitores põe a cruz no quadrado identificador do partido em que vota e desconhece os candidatos. A prática parlamentar consolidada é a de disciplina partidária, com raras excepções de voto contra a decisão do partido ou de concessão de liberdade de voto. Um partido, na lógica do sistema, tem o direito de reajustar o seu grupo parlamentar (todos fazem rotações por motivos da agenda política do momento e dos temas em discussão). Não digo que tudo isto seja indiscutível, apenas que merece reflexão. E também não digam que estou de acordo antes de lerem todo este texto.


Saliento outro aspecto, de tipo pessoal. Como é sabido, os deputados do PCP (só do PCP?) comprometem-se a colocar o lugar à disposição sempre que o partido entenda que isso é politicamente necessário. LM tê-lo-á feito, mas agora não aceitou cumprir o compromisso. É questão de honra pessoal, não vou discutir. Também não me parece admissível que LM traga para esta discussão a sua amargura e sensação de ingratidão face à decisão partidária. Tem todo o direito de o sentir, quem não se sente não é filho de boa gente, mas não deve misturar isto com a questão política. A menos que tire daí consequências politicas em relação à sua militância, mas, então, a renúncia ficaria mais premente.


Questão diferente é a legitimidade ética de tal declaração, exigida pelo PCP aos seus candidatos. Tudo isto me leva a apoiar os muitos e muitos que consideram que é necessário rever a lógica do nosso sistema parlamentar, o seu funcionamento e o processo eleitoral.


Qual o papel dos partidos? Ninguém o nega, mas parece haver alguma tendência para o sacralizar em termos oitocentistas, de correntes organizadas de opinião política. Alguns ainda serão partidos com forte marca ideológica, mas a tendência é para a sua transformação em aparelhos de conquista e distribuição tribal do poder. Nestes termos, fica inquinada a teorização da relação eleitor-eleito. Na prática, quem é eleito é o partido. Cinicamente, diria que o deputado é um empregado como qualquer outro, subordinado ao poder do patrão.


Parece-me evidente que há que valorizar a responsabilidade e qualidade individuais dos deputados. Não podem ser apenas pessoas ao serviço exclusivo do interesse do partido. A questão de um compromisso entre a uninominalidade e a proporcionalidade parece-me mais importante colocada nestes termos do que em questões práticas de maior facilidade de contacto entre o eleitor e o eleito. Algum componente de uninominalidade vai exigir aos partidos maior cuidado na selecção dos candidatos.


Por isto, simpatizo com uma regra de excepção para os eleitos nominalmente, a impossibilidade da sua substituição. A sua renúncia ou impedimento obrigaria a eleição intercalar, coisa não muito difícil em círculos uninominais. Também para responsabilização dos partidos na escolha dos seus candidatos, creio que declarações como as que o PCP pede aos seus deputados deviam ser consideradas como ilegais. Ao apresentar a candidatura de um deputado, o partido não pode estar a usá-lo como instrumento politico, tem de respeitar a pessoa (mas também esta tem de mostrar que merece esse respeito). No entanto, pelo que disse atrás, creio que no caso limite de uma cisão colectiva ou de uma desvinculação individual, é questão de honra os deputados renunciarem, porque, no actual sistema, perdem legitimidade política. Ou então, e é esta a minha conclusão, reveja-se o sistema, da sua filosofia à sua prática.


Finalmente, uma declaração patética de LM: "disseram que em Setembro devia regressar à minha vida profissional e académica, ou seja, ao lugar de professora do ensino secundário que ocupava antes de suspender a actividade, em 1995. Mas não é aos 57 anos que se regressa à carreira académica". Não sabia isto quando se candidatou? A sua decisão foi leviana e irresponsável? Ou estava a contar com a reforma, no fim do mandato? Não se pode ter o bolo e comê-lo.


Os respectivos agradecimentos ao JVC.



publicado por albardeiro às 18:12
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds