Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 16 de Junho de 2008
Via Almocreve das Petas
Porque isto é um primor: Publique-se

O governo da Crise

O demónio da Crise que as empresas de camionagem celebrizaram toda a semana, ao que parece inexplicável para as mentes colegiais do grupo Socrático, lançou aprimoradas opiniões, quase sempre de palmatória em punho. Da mão esquerda castrada (o silêncio foi d’oiro) à sempre tradicional devassa da mão direita, todos e cada um trilharam caminhos e pronunciamentos severos, observações espirituosas e "cantilenas" intelectuais curiosas.

A direita etnográfica desenterrou l’esprit du vieux maître Salazar e entre fantasias jurídicas e colecções de impropérios musculados (o invocado cassetete do dr. Rui Pereira foi proverbial) exigiu a lei e a ordem perante as actividades contra a segurança do Estado. Desde o putativo lockout (?) chorado pela direita da esquerda (onde pontifica angustiosamente o dr. Vital Moreira) e deliberado pela centelha intelectual da gente da superstição liberal (em que o irreconhecível Gabriel Silva foi seu lídimo representante) até ao pressuposto de uma arbitrária greve (?), a coisa a diligenciar seria sempre o recurso à "democrática" bastonada. Simples, pesada e sem rastos.

O governo, porém, não lhes fez a vontade. À revelia, já se vê, da vontade e animo forte do dr. Pacheco Pereira, que em esforço de cidadania exigia umas fortes bengaladas nesses instigadores da desordem pública, ademais seus correligionários de partido. Por seu lado, a sra. Ferreira Leite, sem perceber o que estava a acontecer - decerto porque estava em estudos para o formoso défice - desapareceu da ribalta. E ao que se presume, para voltar num dia qualquer de nevoeiro, falando baixinho aos ouvidos selados dos seus companheiros. A coisa promete! Por outro lado, o cada vez mais presidente Américo Tomás, que num rasgo de modéstia assina com raça, Cavaco Silva, não se quer meter em novos fadários. Basta-lhe para a sua vidinha, umas passeatas, uma mão cheia de emigrantes, um rancho folclórico, algumas condecorações e outros tantos almoços. A vida está difícil para todos!

E que dizemos nós, perguntais vocemessês, de cassetete em punho? Pois ... não temos nada a declarar! Estamos muito para além desta indigestão da crise do petróleo, quer das causas quer dos remédios avulsos recomendados. E mesmo se o debate sobre a alta dos preços das commodities, a crise financeira ou as pressões inflacionárias, os efeitos da taxa de juro ou a presumida credibilização os sábios do BCE (ou FED) seja, por si só estimulante, acaba sempre por ser demasiado masturbatório. Preferimos não perder a floresta (como heterodoxos que somos) e por isso não confundimos a dose com o remédio em si. Isto é (por exemplo): não confundimos a causa da inflação com os seus sintomas. E que tem resultado entre nós – via BCE – à utilização da taxa de juro como vulgar e único instrumento anti-inflacionário. Até mesmo porque causas da inflação existem muitas, tais como as crises e, especialmente, as crises das crises. E, bem melhor que a curiosa masturbação a que temos direito, aí estão as taxas de crescimento, a alta de desemprego e perda do poder de compra para evidenciar a pouca inocência em tudo isso. Nada a declarar, portanto!

Enfim ... dizemos apenas que as esperanças ou as suas sucessivas trocas, definitivamente morreram e a utopia, coisa imaginosa d’antanho, é cada vez mais um simples "género literário". Ou como diria o Vasco Pulido Valente: "a vida é como um funil que se vai estreitando de possibilidades". Nada a declarar!
http://almocrevedaspetas.blogspot.com/search/label/Crise


publicado por albardeiro às 00:20
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds